Número total de visualizações de página

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Vento...

Está ali há tanto tempo, antes de mim, antes de outros e irá continuar exposta ao vento, vendo e sentindo tudo o que se passa em redor, espraiando os seus sentidos pelas montanhas secas ou molhadas, surdas ou caladas, que se perdem no horizonte, umas vezes vestidas outras nuas, já as viu de todas as maneiras, mas o que ela gosta mesmo é de olhar para cima como se não tivesse ninguém a vê-la. Ninguém a vê de cima e poucos a veem de baixo. Os seus ramos, velhos e viçosos, estão sempre a ondular, e mesmo quando o vento descansa e saboreia alguns momentos de paz, quando não tem nada para dizer, nem para fazer, continua a ondular os velhos e viçosos ramos, é o seu coração que pulsa. O vento sonha com o ondular dos ramos velhos e viçosos de uma árvore que pulsa ao sabor do seu coração. Precisa de dormir para poder sonhar com o estranho e doce som da árvore.  Como é possível ondular os ramos se eu estou a dormir e não me mexo, diz o vento. Tamanha é a sua ansiedade que a abana muito suavemente para que ela possa oferecer-lhe o som que o vento tanto aprecia e que nunca conseguiu produzir, o único som que gostaria de imitar, ele que já ouviu tudo e todos. A velha árvore ri-se e emudece. É o seu encanto.

2 comentários:

Bartolomeu disse...

De Olavo Bilac:

"Velhas Árvores"

Olha estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores novas, mais amigas:
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas...

O homem, a fera, e o inseto, à sombra delas
Vivem, livres de fomes e fadigas;
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E os amores das aves tagarelas.

Não choremos, amigo, a mocidade!
Envelheçamos rindo! envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem:

Na glória da alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem!

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Professor Massano Cardoso
A maior parte das vezes passamos pelas "coisas" sem as olharmos, sem lhes darmos a devida atenção, afinal sem aproveitarmos o bem que nos podem fazer. É falta de tempo, de disposição? Soube-me muito bem o seu texto, ao lê-lo transportei-me para perto da "árvore" ouvindo ondular dos ramos...