Número total de visualizações de página

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Ai, Margarida


Ai, Margarida,
Se eu te désse a minha vida,
Que farias tu com ella?
-Tirava os brincos do prego,
casava c’um homem cego
E ia morar para a Estrella.

Mas, Margarida,
Se eu te désse a minha vida,
Que diria tua mãe?
-(Ella conhece-me a fundo.)
Que ha muito parvo no mundo,
E que eras parvo tambem.

E, Margarida,
Se eu te désse a minha vida
No sentido de morrer?
- Eu iria ao teu enterro,
Mas achava que era um erro
Querer amar sem viver.

Mas, Margarida,
Se este dar-te a minha vida
Não fôsse senão poesia?
- Então, filho, nada feito.
Fica tudo sem effeito.
Nesta casa não se fia.

Comunicado pelo Engenheiro Naval
Sr. Alvaro de Campos
(em estado de inconsciencia alcoolica)


( Tirado de http://viciodapoesia.wordpress.com)

4 comentários:

Bartolomeu disse...

:)))))
Maravilha!!!
(prá troca...)

Chamava-se ela Marta
Ele Doutor Dom Gaspar
Ela pobre e gaiata
Ele rico e tutelar
Gaspar tinha por Marta uma paixão sem par
Mas Marta estava farta mais que farta de o aturar
- Casa comigo Marta
Que estou morto por casar
- Casar contigo, não maganão
Não te metas comigo, deixa-me da mão

Casa comigo Marta
Tenho roupa a passajar
Tenho talheres de prata
Que estão todos por lavar
Tenho um faisão no forno e não sei cozinhar
Camisas, camisolas, lenços, fatos por passar
- Casa comigo Marta
Tenho roupa a passajar
Casar contigo, não maganão
Não te metas comigo deixa-me da mão

Casa comigo Marta
Tenho acções e rendimentos
Tenho uma cama larga
Num dos meus apartamentos
Tenho ouro na Suíça e padrinhos aos centos
Empresto e hipoteco e transacciono investimentos
- Casa comigo Marta
Tenho acções e rendimentos
- Casar contigo, não maganão
Não te metas comigo deixa-me da mão


Casa comigo Marta
Tenho rédeas p´ra mandar
Tenho gente que trata
De me fazer respeitar
Tenho meios de sobra p´ra te nomear
Rainha dos pacóvios de aquém e além mar
- Casas comigo Marta
Que eu obrigo-te a casar
- Casar contigo, não maganão
Só me levas contigo dentro de um caixão

(de José Mário Branco... provávelmente, também, em estado de inconsciência alcoolica)
:D :D :D

Carlos Miguel Praxedes disse...

Ora, então vamos poupar dinheiro com um pequeno passo da Reforma do Estado?
A AR conta com o máximo de deputados (230) previsto constitucionalmente: 3200,00 € é o vencimento de cada deputado da AR, fora os perks.
O mínimo previsto constitucionalmente é de 180 deputados.
Ou seja, cortando 50 deputados ao Orçamento da AR (50 deputados x 3.200,00 € x 14 meses = 2.240.000,00 €).
Se baixássemos 500,00 € de vencimento aos 180 remanescentes (180 deputados x 500,00 € x 14 meses = 1.260.000,00 €)
Ou seja, tão somente revendo as condições salariais dos deputados da AR, excluindo todos os benefícios, não contando com assessorias e secretariados, seria possível poupar por ano: 3.500.000,00 €!
Valor que não anda muito longe do que se pretende poupar a partir do próximo ano.

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Suzana
Parece que em estado de embriaguês dizem-se muitas asneiras, mas também se descobrem verdades. É o que se diz!

Suzana Toscano disse...

Excelente associação, caro Bartolomeu, está visto que o casamento é sempre um tema pouco consensual :)
Pelo menos há quem fique inspirado, Margarida!