Número total de visualizações de página

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Consolidação e Crescimento: ainda o Discurso do PR

O discurso do PR sobre uma consolidação orçamental amiga do crescimento suscitou aqui, no 4R, um lúcido e oportuno post do Tavares Moreira, com o qual não deixo de concordar. No entanto, dada a importância do tema, junto algumas notas.
1. O Presidente escolheu como oportunidade para falar do tema não uma qualquer iniciativa no âmbito dos serviços públicos, mas um encontro com representantes de empresas start-ups de diversos países. Com isso, naturalmente, o Presidente quis significar que concebe o crescimento como efeito da iniciativa empresarial, e não como consequência de mais despesa pública ou de intervenção do Estado.Tanto é assim que, frisou, a comunicação social deveria dedicar mais espaço à divulgação das iniciativas empresariais, nomeadamente dos jovens empresários de "talento", abertos à inovação e que são "o motor da mudança" do tecido empresarial e "os verdadeiros alicerces da criação de uma economia portuguesa sustentável".
2. É óbvio que, na actual conjuntura, o crescimento só poderá fazer-se através da iniciativa privada, competindo ao Estado criar as condições para tornar o investimento atractivo, com menos custos de contexto, menos burocracia, menor carga fiscal, logo menos despesa pública. Pois é o nível absolutamente desproporcionado que esta atingiu, pelos seus efeitos directos na carga fiscal e nas dificuldades de financiamento da economia, que constitui um dos grandes entraves ao normal desenvolvimento da actividade económica, impedindo assim investimento, emprego e o bem-estar dos cidadãos portugueses.
3. Ao mesmo tempo, é certo que despesa pública em excesso origina empolamento dos serviços, criando mais burocracia, mais custos de contexto, levando a um verdadeiro condicionamento industrial, de diferente tipo do de Salazar, mas nem por isso menos violento e esmagador. E que leva inevitavelmente à corrupção.
4. Um reparo se pode fazer ao discurso do Presidente, quando, ao invés de aconselhar os políticos a reservarem "mais espaço para falar dos factores de crescimento económico e de criação de emprego", os deveria instar a acordarem nas medidas atinentes ao crescimento e ao emprego e a concretizá-las.
5. Interpretações das palavras do Presidente de associação de crescimento económico a mais despesa pública parecem-me assim absolutamente descabidas. Porque o Presidente sabe melhor que ninguém que crescimento por via de mais despesa pública é uma ilusão, já que não há quem a pague. E que uma consolidação orçamental por via do aumento dos impostos também é rematada tontice, porque prejudica o crescimento.
6. Consolidação orçamental e crescimento económico só por via do investimento. Urgente é torná-lo atractivo. Uma medida que não custa dinheiro, mas implica acabar com os lóbis das burocracias. O que é tanto mais difícil quanto cada vez mais os governos são constituídos por burocratas, que desconhecem que há sempre um modo de bem fazer as coisas. Burocratas, mesmo que se digam políticos.

7 comentários:

Rui Fonseca disse...

A mim, Caro António, a compatibilidade parece-me tautológica: Se houver investimento privado adicional que suscite um crescimento económico igual ou maior à retracção provocada pela redução da despesa pública, crescimento e consolidação orçamental são estupendamente compatíveis.

Mas será esse crescimento suficiente para inverter o crescimento da dívida pública?
Só se o crescimento for superior ao da taxa de juro implícita da dívida. Ou, como parece ter descoberto a "inteligência" do FMI se forem feitas privatizações quanto baste e de modo que atinjam os objectivos.

Mas esta parece não ser a evolução observada em Portugal a acreditar num relatório do FMI, citado aqui

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/financas_publicas/detalhe/fmi_fraco_crescimento_nao_impede_grandes_reducoes_de_divida_publica.html

Continuamos, portanto, a marcar passo, descendente.

António Barreto disse...

Nem mais! Condicionamento industrial..."democrático"!!!

Muito poucos percebem o que se está a passar a esse nível!

Pinho Cardão disse...

Caríssimo Rui.
Estou de acordo, quando dizes que "se houver investimento privado adicional que suscite um crescimento económico igual ou maior à retracção provocada pela redução da despesa pública, crescimento e consolidação orçamental são estupendamente compatíveis".
Ora redução da despesa pública terá forçosamente que haver, não já por razões ideológicas, mas por não haver quem a pague. De modo que, para haver crescimento e emprego, há que criar condições atractivas para o investimento. É o que o governo não tem feito. E o que os sindicatos não cessam de obstaculizar.

Pinho Cardão disse...

Caro António Barreto:

Democrático não será; burocrático, com toda a certeza.
De facto, aí passam-se coisas espantosas. Em alguns casos, a roçarem verdadeiro boicote económico.

Tonibler disse...

Se calhar os actos contribuem para essa nossa confusão. Agora fazer essa leitura que o meu caro faz, como se tivesse a fazer uma interpretação das escrituras, essa não lembra ao diabo (salvo seja). O homem bloqueou todas as medidas de corte de despesa e assinou todas as despesas que levaram o estado à falência. Acreditar que agora está no 'período azul', desculpe lá...

Carlos Sério disse...

Em manobra combinada com Cavaco Silva, desde o ministro da economia, de Paulo Portas, de Passos Coelho ao presidente da república, todos deram agora em falar de crescimento económico. De um lado como manobra política em período eleitoral, por outro como “mensagem aos credores”, aos “mercados”, quando os juros ultrapassam os 7%. A trama tem tanto de anedótico como de trágico. Presidente e governo, insistem em continuar com as mesmas políticas recessivas que só podem conduzir a mais recessão, desemprego e miséria. E não são as suas palavras ou a sua vontade que altera a realidade. O crescimento de que falam é um mito que se irá desfazer nos dados económicos dos próximos meses. Em tempos, Cavaco Silva ainda se apresentava de algum modo descolado do governo quando falava em espiral recessiva, mas neste momento encontra-se coladinho ao governo e às suas estuporadas políticas.

Tavares Moreira disse...

Grato pela amável referência ao Post anterior, não deixo de salientar o excelente estado de espírito revelado pelo Pinho Cardão na abordagem de tema de tão cruciante actualidade e a propósito do qual se cruzam - por vezes em colisão nada adocicada - opiniões tão cavadamente divergentes...