Número total de visualizações de página

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Capítulo das "Boas Notícias"...


Portugal está no mapa do turismo global. Lisboa, Douro e Porto têm recebido várias distinções em prémios europeus e internacionais. Agora, Lisboa recebeu o galardão da melhor cidade europeia para estadas de curta duração (“city breaks”).
Para além do reconhecimento de que somos um país acolhedor com coisas bonitas para oferecer e partilhar, estas distinções constituem também um incentivo.
Somos um povo hospitaleiro e simpático, gostamos de conviver e receber, temos uma geografia variada ao alcance de poucos quilómetros, com culturas e tradições igualmente variadas, a natureza brindou-nos com um clima extraordinário, temos história e monumentos, não falta boa e típica gastronomia. Temos tudo isto e muito mais que devemos aproveitar.
O turismo é um sector com potencial de desenvolvimento, assim saibamos nele investir com estratégia e qualidade. Nunca esteve tão claro, pelo menos na minha cabeça, que através deste sector podemos reabilitar e preservar o nosso património, melhorar a qualidade de vida das cidades, dinamizar e povoar o interior do país, aproveitar as infra-estruturas existentes, criar emprego e riqueza e, enfim, melhorar a vida das nossas pessoas…

4 comentários:

JM Ferreira de Almeida disse...

Pertencemos a um País fantástico. Nem sempre nos damos conta e por isso, para além do mais, estas distinções são importantes porque nos recordam os bens de que podemos usufruir.

Luis Moreira disse...

É verdade. O turismo é um factor poderoso para recuperar e manter património natural e construído.

Luis Moreira disse...

Ainda hoje conheci mais uma empresa estrangeira que procura oportunidades de investimento :http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/542686.html

Suzana Toscano disse...

Esses galardões servem também para nos ensinar a apreciar e valorizar o que temos, quando são os "de fora" a dizer geralmente acreditamos :). Mas outra forma igualmente eficaz de olharmos com olhos de ver para o que nos habituámos a ter por perto é sermos nós os cicerones de quem vem visitar o país e constatar as mil coisas que lhes agradam e os surpreendem e que nós tantas vezes desprezamos. Incluindo a simpatia e amabilidade dos nossos concidadãos, apesar de tão fustigados pelo estímulo ao mau humor e ao olhar sombrio. É claro que quem vem para usufruir não se dá conta do que vai mal, mas nalguma coisa havemos de encontrar gosto e orgulho!