Número total de visualizações de página

sábado, 12 de abril de 2014

A tentação de impor o direito de dispor

Por ironia do destino,é na altura em que se comemoram 40 anos de democracia em Portugal que se inscreve na ordem do dia a questão da obrigatoriedade do voto. Não me lembro quem é que a agendou mas o facto é que a discussão vai animada e parece até que se descobriu uma espécie de ovo de Colombo para combater a temida abstenção e contrariar os efeitos maléficos de um eventual dia de sol e praia. Ai não votam? Pois obrigue-se! E já vi até defender que se podem "converter" os votos brancos numa aritmética qualquer de modo a que no fim as contas batam todas muito certinhas. O que é mais curioso é que a polémica se instala numa altura em que todos os dias se ouve insistentemente que não há grandes opções para o futuro, a tal automatização das decisões vai de vento em popa na Europa, tudo será decidido como tiver que ser, assiste-se, entre a chacota e a estupefacção, ao falhanço de quem ousa arriscar uma tese diferente, abraçam-se os inimigos e revela-se em surdina que mais vale assim porque de outra forma vai dar ao mesmo. Mas é preciso que se vote, disso não tenho dúvidas, é preciso que se vote porque se acredita e se faz acreditar que assim se pode contribuir para alguma mudança, não é impondo a obrigação de votar que se consegue convencer as pessoas da importância das suas escolhas. Em democracia a substância conta, conta tudo, aliás, ou a Europa não teria que temer, como teme, a abstenção de uns e a militância activa dos que advogam soluções radicais. Ao mesmo tempo é desconcertante a confiança que os defensores de um Estado pouco interveniente têm na eficácia das leis intrusivas... 

9 comentários:

luis barreiro disse...

O voto deve de ser obrigatório, pois cada voto nosso, reverte 3.20€ para o partido que votamos, assim, os partidos obtêm mais dinheiro para poderem fazer melhores escolhas por nós.

Zuricher disse...

A insanidade vai de vento em popa nos decisores Portugueses! Notavel...

Zuricher disse...

A insanidade vai de vento em popa nos decisores Portugueses! Notavel...

Bartolomeu disse...

Será que vivemos numa democracia ditatorial???!!!

Suzana Toscano disse...

Caro Luis Barreiros, se a boas escolhas forem uma questão de dinheiro até devíamos votar várias vezes :)
Se fosse insanidade lusa, caro Zuricher, ainda as coisas iam menos mal, mas receio que seja um mal contagioso!
Caro Bartolomeu, ou uma ditadura democrática!

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Suzana
A abstenção poderia sentar-se no parlamento ao lado dos eleitos. Talvez ajudasse...

luis barreiro disse...

Caro Bartolomeu
disse...
Será que vivemos numa democracia ditatorial???!!!

Ainda tem dúvidas?

Margarida Corrêa de Aguiar disse...
Suzana
A abstenção poderia sentar-se no parlamento ao lado dos eleitos. Talvez ajudasse...

Acha que algum dia os partidos que temos da esquerda á direita vão aceitar lugares vazios, onde ninguém mama?

luis barreiro disse...

Passem um pouco o vosso olhar pelas várias discussões á cerca da diminuição do número de deputados, e analisem as respostas contrárias de todos os partidos.

jotaC disse...

A obrigatoriedade nestas coisas tem uma péssima conotação com os tempos passados, sou mais pela persuasão, acho que o povo português percebe muito bem que votar é a única forma de dizer o que pensa sem falar, contribuindo para a mudança, seja isso o que for. Não votar, é uma atitude egoísta, até quase apatrida, no sentido de que não importa os destinos dos concidadãos e do país...