Número total de visualizações de página

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Portugal país rico em misérias

Ouvir os outros é bom para compreendermos melhor o que nos rodeia. O jovem enfermeiro, que esteve de baixa devido a acidente, voltou ao serviço. Está muito melhor. Tudo normal. Começamos a conversar, ou melhor dei o mote para que pudesse falar. - Tem tido muito trabalho? - Conforme, mas de noite é pior. Ter de andar por aquelas aldeias de gente envelhecida e muito pobre transtorna-me. Imagine o que é ouvir, por favor faça o que puder mas não me leve para o hospital, eu não posso pagar a taxa moderadora, os quinze euros fazem-me muita falta. Eu assino tudo o que for necessário, por amor de Deus não me leve. A conversa continuou e o jovem, muito incomodado, disse, olhe senhor doutor que não foi nem uma ou duas mas bastaria que fosse apenas uma vez para ficar chocado com a nossa realidade, gente pobre e desprezada no interior de Portugal.
Alguém esperaria que uma coisa destas acontecesse depois de tantas "conquistas" e "promessas"?
Afinal, a miséria dos dias atuais não é muito diferente da miséria de antigamente. 
Portugal é um país rico em misérias. Sempre foi.

6 comentários:

luis barreiro disse...

Mas não existe a isenção para os que não têm forma de pagar?

IsabelPS disse...

Será que as pessoas sabem que têm isenção da taxa moderadora?

Salvador Massano Cardoso disse...

Não sei. Só sei que são terras pobres, aldeias da serra. Não sei se sabem ou não ou se querem ou não "expor-se", ou mesmo que estejam incluídos no grupo de "insuficiência económica". Não sei, só sei destas histórias e de muitas outras. Um país muito diferente de algumas zonas. Existem. Miséria existe e até há misérias que não são "reconhecidas". Seja como for, só posso adiantar, somos um país rico em misérias...

IsabelPS disse...

Vivo agora numa aldeia, não na serra e até nem muito longe duma pequena cidade. Ia apostar que uma grande parte dos meus vizinhos têm isenção das taxas moderadoras, mas que provavelmente muitos deles não o sabem. A televisão só fala dos cortes; os jornalistas não parecem considerar-se obrigados a informar as pessoas dos seus direitos; os funcionários... sei lá se reconhecem como sua a obrigação de as informar?
Sim a miséria de agora não é muito diferente da de antigamente. E somos muitos os culpados disso.

Bartolomeu disse...

No nosso país falta a informação relativamente a tudo o que são direitos, sobretudo, os dos mais carenciados e com menor instrução.
No nosso país, as informações que podem trazer algum benefício para as populações, sobretudo as mais afastadas dos maiores centros, são veiculadas através do passa-palavra, o que resulta muitas vezes em incorreção. Os orgãos oficiais, aqueles a quem compete informar com precisão e até encaminhar, não agem nessa conformidade, nem informam muitas vezes aqueles que se lhes dirigem diretamente.
Em suma... somos realmente um país... europeu mas... periférico.

Mauro Germano disse...

"Quem está dispensado do pagamento de taxas moderadoras?
(...)
"− Atendimento em serviço de urgência, no seguimento de: i) Referenciação pela rede de prestação de
cuidados de saúde primários para um serviço de urgência; ii) Admissão a internamento através da
urgência."


http://www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/F4E129D4-D49E-41DF-A0E0-0111BF5355AE/0/FAQ_taxasmoderadoras_01042014.pdf