Número total de visualizações de página

quinta-feira, 10 de abril de 2014

O filho pródigo

Os misteriosos mercados acolheram o regresso da Grécia com a generosidade bíblica dedicada ao filho pródigo. A Grécia, essa rebelde ingovernável, trapalhona, incumpridora, várias vezes ameaçada de expulsão do clube dos trabalhadores e dos culpados redimidos, a Grécia que nem queriam deixar assumir a presidéncia da UE e que viu sair zangados os zeladores do cumprimento na última reunião de acompanhamento enfim, a Grécia que afinal ia negociar em breve um terceiro resgate, essa mesma, foi recebida em triunfo pelos mercados. Procuraram a sua dívida tão duvidosa sete, sete!vezes mais interessados do que a oferta e os juros baratos, menos que nós, o Primeiro Ministro impante não se coibiu de o assinalar. E esta,  hein?

12 comentários:

Luis Moreira disse...

Comprar dívida que dá uma taxa superior a 5% e com a certeza que a UE não deixa cair a Grécia, é um dos melhores negócios do mundo...

Luis Moreira disse...

Salvo as nossas(deles) PPP...

Suzana Toscano disse...

Pois, e a seguir é preciso salvar esses negócios, enfim, um quebra cabeças e muitas ruinas pelo meio.

Luis Alves Ferreira disse...

Dívida soberana é um dos acepipes mais apetecidos pelos mercados... O que faz falta são umas crises e tal, parece que cai, vai à bancarrota, depois não cai, depois passa mal, depois levanta-se... Enfim, entre os "mercados" e as teorias da conspiração mais engenhosas nem tudo é fantasia...

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Suzana
Vivemos num tempo de exageros sem medir as consequências. Mas por trás dos improvisos políticos e dos jogos dos mercados estão pessoas que se tornaram estatisticamente irrelevantes.

Diogo disse...

De acordo com o Luís Alves Ferreira: «entre os "mercados" e as teorias da conspiração mais engenhosas nem tudo é fantasia...»

E com a Margarida Corrêa de Aguiar quando diz: «por trás dos improvisos políticos e dos jogos dos mercados estão pessoas que se tornaram estatisticamente irrelevantes».

Bartolomeu disse...

Pois é, cara Drª Suzana, só me ocorre comentar com a frase estafada de Luiz Felipe Scolari : «e o burro sou eu... o burro sou eu?»

Suzana Toscano disse...

Pois é o que parece, caro Bartolomeu, só que substituindo o "eu" por "nós" :)

JM Ferreira de Almeida disse...

Suzana, os mercados são, afinal, pais extremosos que desculpam os piores vícios dos descendentes. Resgatam-se assim os filhos, mas também os pais que aparecem livres da ignomínia da traição familiar e da tirania.
Quando a passagem do tempo permitir a análise serena, perceberemos melhor as causas destes amores e desamores. Por ora, ainda é cedo. Celebremos com alegria o retorno a casa. Cantemos hossanas que o domingo de ramos é até o momento adequado.

jotaC disse...

Parabéns à Dra. Suzana e ao Drº Ferreira de Almeida por fazerem uma abordagem mítica-religiosa da dívida, os economistas que me desculpem mas parece que esta coisa não é bem como se estuda nos compêndios, é mais o género os misterioso caminhos do senhor...

Uma coisa é certa: tanto lá como cá o que dava dinheiro foi privatizado, o povo está mais pobre, a dívida continua. A diferença é que eles olharam os maus de frente, nós fizemos o papel de lambedores, merecemos com certeza uns lugares no FMI...

Suzana Toscano disse...

Não sei se chegaremos a percebê-las, caro Ferreira de Almeida, mas haveremos de as constatar, embora todas as "narrativas" tenham cabimento quando a onda tiver passado e os destroços estiverem ã vista de todos. Veja-se como Christine Lagarde acha agora que é preciso medidas de " crescimento rápido da economia" imagine-se, nós a pensarmos que as que tivemos até agora levariam precisamente a esse crescimento mas na versão "sustentável" ou "robusto", afinal rápido é que é preciso.Caro jogac essa ironia está em grande forma!

um Judeusito disse...

Ia eu comentar, que nem pensar em deixar semelhante negócio com as Dividas Soberanas, e reparo que já muita gente o escreveu.
Ainda bem ;)