Número total de visualizações de página

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

"Quarta Monarquia" ou "Quarta República"?

O país anda mal. Todos sabem, ou quase todos. Todos têm direito a manifestar-se. Os senhores do manifesto que pedem o regresso da monarquia também têm. Agora uma pergunta? Mas vão permitir que seja "eleito" um novo rei, fundador de uma eventual quinta dinastia, não vão? É que com este candidato, valha-me Deus ... Já não sei o que diga ou que pense. E como pretenderão regressar à monarquia? Através de um referendo? Se assim for, nada tenho a opor. A democracia que funcione.
Por favor, façam um referendo sobre este assunto, mas depressa, rápido, a fim de colocar uma pedra sobre o mesmo, pelo menos durante os próximos quinhentos anos e se, eventualmente, ganhar o "rei", declaro desde já que recuso qualquer título, "foge cão que te fazem barão, fugir para onde, se me fazem visconde"...
Coitada da "Quarta República" que ainda não nasceu e já está ameaçada pela "Quinta Monarquia", na pior das hipóteses, porque na melhor ainda poderemos ter uma "Quarta Dinastia" requentada.
Santo Deus!
Assina, um eventual (e futuro) "ex-quarto republicano"...

10 comentários:

Tonibler disse...

Bem, a eleição não garante nada. É ver onde chegou a república, não é particularmente melhor que o herdeiro da coroa...

É importante haver uma separação entre o estado e o poder, mesmo que formal, e uma garantia do cumprimento da constituição, que se consegue melhor com uma cadeira de braços que com o actual presidente da república. Se isso é feito com uma monarquia...

Por outro lado, a discussão é cada vez mais irrelevante para este desertificado município da europa.

Massano Cardoso disse...

Bom, de acordo com essa forma de ver os problemas, então, podemos concluir que as eleições não garantem nada!
Cadeira de braços? Garantia da constituição? O melhor será arranjar uma cadeira de balouço, pode ser que adormeça e, deste modo, fique calado. Se não ficar o melhor é recorrer a um hipnótico!

Tonibler disse...

A única coisa que garantem é que as pessoas escolheram. Nunca garantiram mais nada. E habitualmente, isso é uma garantia de que não estamos todos errados ao mesmo tempo, o que, de si, já garante muita coisa.

Massano Cardoso disse...

Também concordo, Tonibler. Nunca estamos todos errados ao mesmo tempo, mas sim à vez!

Tonibler disse...

:)

jotaC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jotaC disse...

Pois eu cá plebeu me confesso: vistas bem as coisas o país só tinha a ganhar, em vez de sustentar 3 ex-monarcas sustentava apenas 1...

Massano Cardoso disse...

Ó jotaC. Não é só uma questão de poupar dinheiro, mas sim poupar o juízo de muitos de nós... Credo!

jotaC disse...

:))

A Santos disse...

Regresso ao passado:
Parece que ontem uns assinaram pela energia nuclear e outros pela monarquia. O nuclear após Fukushima e a monarquia com aquele patusco que faz filhos e tem um bigode castiço mas não vai ao concurso do bigode do ano.
Aguardo ansiosamente um manifesto que exija às escolas a reposição da terra no seu lugar aristotélico. Quem anda é o sol, carago. (In blog Aventar)