Número total de visualizações de página

quarta-feira, 17 de abril de 2013

"Pele curtida, beleza esquecida"

Entrou com algum desembaraço, revelando uma beleza já um pouco esquecida, mas, mesmo assim, suficientemente interessante para chamar a atenção. A face revelava algo de estranho, misto de satisfação e de tristeza, como se a pele tivesse sido curtida pelo sofrimento e os olhos talhados de esperança. As perguntas sacramentais foram lançadas ao ar, e, sem saber porquê, antevi uma resposta não habitual. - Estou bem, depois de ter perdido tudo, carro, casa, tudo, estou bem. Esboçou um espasmo a querer transformar-se num rio de lágrimas, mas travei-o, desfocando a conversa. Não era difícil saber o que é que lhe tinha acontecido. Uma simples palavra ou um olhar silencioso teriam sido mais do que suficientes para desnudar a sua alma. Não quis. Desta feita não quis. Soube que vivia longe e soube que teve de começar a viver perto. Soube que durante dez anos teve de fazer longos percursos, com muito sacrifício. Repetiu mais duas vezes pequenos espasmos faciais a quererem desfazer-se em água. Evitei-os novamente, porque vi, simultaneamente, uma satisfação e uma alegria, como se fosse uma aberta em dia de tempestade anunciada. - Então, quando é começou a trabalhar aqui, perto de casa. - Hoje. A alegria de dizer hoje foi tão bonita que me pareceu ver a sua pele curtida pelo sofrimento a adquirir a beleza e a frescura de outrora. - Parabéns. O melhor é ir aproveitar o resto do dia. O sol convida a isso. - Obrigada, é o que vou fazer. E saiu com o mesmo desembaraço com que entrou. Chorar e relembrar a dor e o sofrimento num dia de felicidade não se faz a ninguém. Eu não fiz.

2 comentários:

Bmonteiro disse...

Está conforme o meu amigo sem-abrigo.
Noites na baixa, não longe de um balneário municipal, que lhe permitem um ar asseado e exercer uns biscates:
Quando faço questão de que tome um bom lanche, que não, não devemos habituar-nos a comer muito...
Quando lhe pergunto pelo jantar, que não é o pior, uma pessoa deita-se, acomoda-se, acaba por adormecer.
Como me dizia no trajecto auto Avenida-Saldanha há dias... sou capaz de viver quase sem dinheiro.
55 anos, uma dezena na Alemanha, falando francês e castelhano a par de um razoável português.
Sugeri a um vereador da CML, via Net, tornar um quartel vazio do Exército em residência para necessitados.

Catarina disse...

E fez muito bem, caro Prof!