Número total de visualizações de página

sexta-feira, 21 de outubro de 2005

Discriminação vacinal

A polémica levantada ao redor da gripe das aves tem suscitado vários tipos de reacções e desencadeado receios e ansiedade muito difíceis de controlar. As pessoas começam a entrar em pânico. Não obstante todas as explicações dadas pelos responsáveis, através da comunicação social, de forma reiterada, o que é certo é estarmos perante uma enorme dificuldade em interiorizar muitos dos conceitos científicos. É a senhora que nos pergunta se pode comer carne de frango, ou a avó que, preocupada, pergunta como é que agora vai fazer os doces que os seus familiares tanto apreciam. - São precisos ovos senhor doutor! Responde de imediato, face à minha expressão de incompreensão perante tão inusitada associação. – E os ovos vêm das galinhas! Ainda há os que perguntam se vão morrer tantas pessoas conforme dizem. – Vão ser muitos milhões senhores doutor? Às tantas também vou morrer! Tento aplacar os anseios e explicar da melhor maneira possível o que se está a passar tranquilizando quer a incorrigível doceira ou o ansioso jovem pai.
A dificuldade em compreender certos fenómenos de saúde parece ser uma constante nacional a que nem o próprio primeiro-ministro está imune, o qual confunde vacinas com fármacos anti-virais, ao tentar sossegar o povo de que está tudo sob controlo.
Os responsáveis pela saúde definem estratégias, planos de contingência, afirmando que tudo está ser feito de modo a evitar situações graves em Portugal. Anuncia-se a compra de fármacos específicos que vão tardar a chegar, devido à dificuldade em satisfazer todos os pedidos dos vários países. Definem-se prioridades para proceder a uma futura vacinação, a qual entretanto só poderá ser feita após o conhecimento da variante humana do H5N1 e a produção da respectiva vacina. Salientamos que para fazer face às necessidades a vacina específica para estes casos irá ser produzida durante a própria epidemia. Com todos os recursos existentes, e são muitos, a quantidade de vacina a produzir poderá não ser suficiente para imunizar a maioria da população mundial. Acresce que, de acordo com os especialistas, será necessário, neste caso, uma segunda dose vacinal. Se as projecções que estão a ser feitas se concretizarem podemos perguntar como é que vai ser processada a distribuição da dita vacina. Não podemos esquecer que 70% da capacidade mundial da produção de vacinas está nas mãos de cinco países ocidentais. Será que estes países irão permitir a exportação das vacinas sem que tenham imunizado as suas próprias populações? Quem é que vai regular a distribuição das mesmas? Será que a população de Burkina-Faso terá o mesmo direito a ser vacinado como a população do Reino Unido? O que acontecerá se a população de Lisboa não tiver acesso à vacina face aos parisienses imunizados e felizes por não sofrerem os efeitos de uma gripe devastadora? Quem é que controlará a eventual discriminação vacinal? Irá ser criada alguma estrutura supranacional para regular a distribuição? Terá força suficiente para disciplinar eventuais situações de favoritismo face aos países produtores ou aos que têm maior poder económico?
Não sei se o plano nacional de contingência abrange estas interrogações. Tenho algumas dúvidas. Uma eventual pandemia de gripe e a forma de a combater exige medidas políticas à escala planetária. É certo que haverá necessidade de estabelecer prioridades quanto aos que devem ser vacinados. No entanto, espero que os responsáveis arranjem algumas dosezitas para as simpáticas doceiras e os jovens pais ansiosos deste país.

4 comentários:

Sean Biggler disse...

Interesting information and useful content... I think I add you to my favorites. With your permission I'll be coming back. Can I tell a friend?

great job making this blog (good design!), keep up the good work!

~ have a nice day.
check out my blog or my sexy kissing site if you want.

O Reformista disse...

1.O Campeão da desinformação foi o Ministro Freitas do Amaral que em cada palavra dizia uma asneira

2. Ao que parece ainda não há a variante humana da gripe das aves nem sabemos se irá haver. Há um ano era o Sindrome da Peneumonia Atípica. Lembram-se? Não sei se então foi um alarmismo inútil da Saúde Pública ou uma excepcional intervenção que evitou a epidemia.

3. Julgo que a questão das vacinas apenas tem duas questões: Qual a sua eficácia e se prontas a tempo.

4. Mais prejuizo humano do que a gripe em si será sobretudo o resultante da desorganização da sociedade e da economia.Não tenhamos dúvidas. As pessoas pura e simplesmente deixarão de ir trabalhar, barricando-se em casa com medo dos contágios. E isto por um período de dois meses!
O medo da morte ainda é o principal estímulo humano.
Só os médicos não poderão fugir.
Como médico vou pensando: Se a pandemia vier a ocorrer devo cortar o contacto com a minha família uma vez que serei um potencial agente de transmissão?

5. Esperemos que a Pandemia não ocorra ou que as vacinas sejam eficazes e atempadas.

crack disse...

Dr. Massano Cardoso, permita-me que o felicite por esta magnífica entrada.
Se a questão de uma autoridade à escala planetária me parece muitíssimo pertinente, não julgo que o nosso mundo de tantos egoísmos esteja preparado para mais do que umas comissões mistas, umas equipas internacionais, algum alto comissariado criado à pressa, com resultados parcos e previsíveis - os que menos podem, e menos pesam no equilíbrio mundial, pagarão a factura mais pesada, em vidas humanas perdidas.
É ingénuo, e inútil dizê-lo, mas é perante situações limite como esta, que a Humanidade deveria repensar, não apenas as consequências da utilização que faz do planeta que habita, como o que deveria ser mudado nas relações entre os humanos e entre estes e as outras espécies com que partilha o planeta.Uma provação como a que se avizinha, teria que tornar os que a ela sobrevivam superiores ao que somos hoje. Ou não passará de mais um fenómeno "natural" de reequilíbrio da natureza.

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.