Número total de visualizações de página

quinta-feira, 20 de outubro de 2005

Habituem-se!

É notório o incómodo de Mário Soares ao ver o país suspenso do anúncio da candidatura de Cavaco Silva. “Já o devia ter feito!” como se a oportunidade tivesse de ser definida pela sua própria agenda. Compreende-se a reacção: MS teve de anunciar a sua candidatura para conter as brechas abertas no Partido Socialista. A seguir a ele apresentaram-se mais dois candidatos partidários, Jerónimo de Sousa e Francisco Louçã, e um candidato rebelde, Manuel Alegre.

A vantagem de Cavaco Silva é a capacidade de fazer a sua própria agenda e não se condicionar por lógicas partidárias ou mediáticas. É uma boa garantia do que poderá ser como Presidente da República. Mas CS vai mais longe: um discurso que, segundo se anuncia, não durará mais de oito minutos e em que cada palavra será avaliada ao mais ínfimo pormenor. A gestão dos silêncios pode ser tão eficaz quanto a gestão das palavras. O valor das palavras será tanto maior quanto maior for o dos silêncios.

Meus caros amigos, habituem-se!

7 comentários:

Adriano Volframista disse...

Atribui-se a Horácio a frase que: "Nunca se tinha arrependido de estar calado e bastas de o não ter estado".
O mesmo deve MS estar a pensar agora.
E uma pergunta, o que se passou com MS para entrar nesta embrulhada? Ou acha que não deixou o númeor adequado de descontentes que, agora, lhe vão cobrar os juros?

Cumprimentos
Adriano Volframista

Rui MCB disse...

Esse remate de humor 'vitorino' foi bem pensado, sim senhor :-)

Tonibler disse...

Concordo. Neste aspecto, Cavaco esteve em grande.
Cheira-me que esta campanha eleitoral vai ser um 'case study'.

Paulo Pisco disse...

O que é mais importante na música, o som das notas musicais ou o silêncio entre elas?

Anthrax disse...

Ambas são importantes na criação de uma melodia.

E Viva o Prof. CS!

Pinho Cardão disse...

O Professor fez o que devia!...
Nós devemos ajudar...e nada de distracções...para que os "vivas" sejam na noite eleitoral!...

Suzana Toscano disse...

Belo artigo, David Justino, bem observado...