Número total de visualizações de página

sexta-feira, 21 de outubro de 2005

Sinais da Educação

Por mais de uma vez tive a oportunidade de manifestar o apreço pelo trabalho desenvolvido pela Ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues. Se quisermos fazer uma apreciação global da sua acção concluiremos facilmente pelo balanço positivo. Vem isto a propósito da entrevista publicada ontem pelo Público e pelas declarações proferidas em conferência de imprensa onde apresentou o OE2006 para a Educação.

O primeiro destaque vai para a prioridade atribuída ao reordenamento da rede de escolas do 1.º ciclo, precisando alguns critérios para o seu encerramento e esclarecendo as dúvidas suscitadas por uma recente entrevista do SE Valter Lemos. O que se conseguir fazer neste domínio é decisivo para, a prazo mais ou menos dilatado, conseguirmos superar os graves problemas do sistema de ensino. Isto não significa que a acção se traduza em resultados visíveis nos próximos anos, mas tem efeitos estruturantes sobre a qualificação do sistema educativo. Mais uma vez, a reacção dos sindicatos neste domínio é, no mínimo, ridícula.

O segundo destaque vai para a estratégia que tem vindo a ser seguida pelo ME. Neste sector existem três vectores fundamentais de acção política: racionalizar recursos, organizar o sistema e qualificar o processo de ensino-aprendizagem. Com maior ou menor visibilidade, os dois primeiros têm atraído o esforço de actuação do ME, o que me parece bem. Resta o terceiro, a qualificação.

Neste domínio confesso a minha preocupação preventiva. Não há forma de qualificar o sistema se não se contar com a mobilização de uma parte significativa dos professores e das escolas. Ora, aquilo que constato é o progressivo afastamento (e agastamento!) destes profissionais face ao ME. Se não bastasse já o congelamento das progressões, o aumento da idade da reforma e os limitados aumentos salariais, as últimas orientações relativas à ocupação da componente não lectiva e a sua efectiva aplicação nas escolas, estão a gerar um mal-estar que importa não desprezar.

Há ainda outros sinais que não deverão ser esquecidos. A proposta de constituição do Conselho Científico da Direcção-geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular revela alguma cedência ao “Benaventismo”, não obstante a inegável qualidade técnica dos seus constituintes.

Por último, o plano de formação dos professores do 1.º ciclo. Não tem sentido entregar essa formação precisamente àqueles (ESE’s) que são responsáveis pela má formação inicial. Assim, dificilmente se rompe com o domínio do “romantismo pedagógico”.

Quero pensar que os indícios da minha “preocupação preventiva” não passam disso mesmo, indícios. É altura de ajudarmos a limpar a imagem da Educação como um campo de batalha, onde todos morrem e ninguém consegue sair vencedor.

53 comentários:

cmonteiro disse...

É absolutamente inegável (isto é um elogio genuíno!) que o senhor iniciou um trabalho muito meritório, que despertou finalmente a consciência dos portugueses para os problemas da Educação. Lembro-me particularmente de um Prós-e-Contras em que participou.

Agora, só aqui entre nós que ninguém nos ouve: Não lhe apeteceu em algum momento fazer o mesmo e afrontar a classe dos professores da forma que está a ser feita, obrigando-os a comportarem-se como qualquer outro trabalhador?

O que o impediu? Melhor: Alguém o impediu?

;)

Saudações!

David Justino disse...

Meu caro cmonteiro
agradeço o elogio e a dúvida que levanta sobre a "classe de professores". É esse o erro em que se cai muitas vezes. Os Professores só funcionam "em classe" quando são maltratados. Temos muitos e excelentes professores, óptimos profissionais a quem não é preciso pedir para trabalhar mais umas horas. Fazem-no de bom gosto desde que se valorize o seu trabalho. Tal como temos muitos professores que nunca o deveriam ser na vida, por falta de vocação, por falta de profissionalismo, por falta de brio. Trata-se de uma situação que não será diferente de muitas outras profissões. O problema está em saber como distinguir uns dos outros, como recompensar os primeiros e penalizar os segundos. A única forma de solucionar o problema está na avaliação contínua do seu desempenho. Tal como existe, o sistema de avaliação não é nada. Por isso tinha preparado um novo modelo de avaliação baseado na análise e discussão do "portfolio" de cada professor. Essa avaliação seria decisiva para permtir a progressão na carreira. Como deve calcular, alguns sindicatos nem sequer quiseram abrir o processo de negociação. Para a FENPROF, por exemplo, o modelo estava bem como estava. O mesmo poderemos dizer de um outro diploma fundamental: a gestão das escolas. Quer um quer outro, estavam dependentes da aprovação da Lei de Bases da Educação. O PS não a quis subscrever (hoje, tenho sinais do seu arrependimento) e o Senhor Presidente da República entendeu por bem vetá-la como "compensação" à indigitação de Pedro Santana Lopes como PM(lembra-se?).
À sua pergunta "O que o impediu? Melhor: Alguém o impediu?" a resposta está dada.
Poder-me-á dizer que se poderia rever o Estatuto da Carreira Docente sem a nova Lei de Bases. Sim, mas não com a amplitude que eu desejava.
O veto da Lei de Bases ditou o resto da história.
Os melhores cumprimentos e os votos de bons comentários como já é habitual em cmonteiro.

Tonibler disse...

Caro djustino e cmonteiro,

Só um pequena história que me contaram na última semana para ajudar:

Um amigo meu, que mora na margem sul tem dois filhos na pré-primária do estado. O ano passado esteve colocada na escola uma educadora. A senhora em causa, numa atitude incrível, organizou diversas visitas de estudo, impensáveis até nas melhores particulares, por iniciativa própria. Pois resolveu levar as crianças visitar uma esquadra de polícia, um quartel de bombeiros, um quartel de militares, etc...
A esquadra, por exemplo, foi de tal forma receptiva que organizou lanches, formaturas, bricadeiras. O quartel de bombeiros colocou os capacetes todos nas crianças e andou com elas por cima dos carros.
Custos adicionais para os pais? 2 euros, 1 para o gelado, 1 para os transportes.

Parece incrível, não é? Estou certo que a senhora deve ganhar uns 700 euros e vale mais que os outros todos juntos que nos custam 5 mil milhões por ano. E o que isto significa de educação cívica é impagável!

Em resumo, sim, existem professores que valem mais do que aquilo que lhes podemos pagar. E sim, não podemos deixar a "classe" destruí-los.

Cumprimentos,

sandra costa disse...

O problema, Dr. David Justino, é que os indícios não são indícios mas factos. Na minha curta "carreira" de professora (doze anos de ensino/seis escolas) nunca vi nem senti tanto desânimo, frustração, cansaço, desgaste, tristeza, revolta como neste primeiro mês de aulas. Como refere o meu Presidente do Conselho Executivo, em Outubro os professores estão já com "cara de Julho" e não foi porque estavam mal habituados - como se pode exigir que os professores passem mais horas nas escolas se não existem condições para desenvolvermos o trabalho que fazemos em casa? Aliás, mesmo que tivéssemos condições, as "TE" agora implementadas nem sequer podem ser passadas com esse tipo de trabalhos porque se não temos projectos/clubes somos chamados para as substituições do Básico. Como preparo eu, nas 7 horas de trabalho individual que fazem parte da minha componente não lectiva de um horário de 35 horas, três níveis de ensino - 7.º, 9.º e 12.º ano - e a área de Formação Cívica e Área de Projecto; investigo para me preparar cientificamente para o novo programa de 12.º ano; elaboro fichas e outros materiais de avaliação; corrijo cinco turmas de testes; corrijo todas as semanas alguns trabalhos de casa dos alunos porque como a disciplina de História ficou reduzida a um bloco semanal, os alunos têm de levar uma pequena tarefa semanalmente para casa senão esquecem que História existe no horário; preparar caracterizações de alunos das necessidades educativas especiais, correspondentes adaptações curriculares; etc, etc, etc??... E perante este panorama ouvir constantemente, começando pelo Presidente da República e pela Ministra da Educação até aos comentadores dos blogs, que os professores há muito se deviam comportar como qualquer trabalhador! O que está a dar cabo disto tudo é isso mesmo - é penalizar-se toda uma massa humana de excelentes profissionais por causa de uma percentagem que seria perfeitamente localizável e “eliminada” do sistema - bastaria o Ministério querer - de maus profissionais (que aqui existem como em todas as profissões). Ainda hoje ouvi uma colega - depois de ter lido a referida entrevista da Ministra da Educação onde esta afirma que os professores faltam muito porque a maioria são mulheres e estas são mães, logo têm de faltar mais vezes por causa dos filhos – afirmar que jamais deixará os filhos em casa doentes entregues a outrem porque à conta da sua excelência profissional e não ter faltado quando estes estavam doentes, um dos seus miúdos já tinha ido parar ao hospital com enquistamento do inchaço da papeira… Imagina pois como nos sentimos quando ouvimos algumas destas barbaridades? Venha outra avaliação de desempenho, sempre me senti injustiçada por esta!, mas porque é que enquanto essa outra não existe nós somos penalizados??? O trabalho da Ministra da Educação nas duas primeiras áreas que refere até pode ser excelente, não o posso avaliar, mas está inquinado por todo este ambiente criado.

Peço desculpa pelo tom aqui e ali mais inflamado e peço-lhe que interprete isto mais como um comentário/desabafo que se calhar ainda o publico amanhã no meu blog.

Tonibler disse...

Cara Sandra Costa,

Deixe-me dar-lhe uma opinião da minha curta história (18 anos) de contribuinte, abusando aqui do espaço alheio.
Estou enganado, ou os resultados que vemos todos os anos são o produto da "massa humana de excelentes profissionais" ? Não estou, pois não?
Então como contribuinte e pai permita-me que diga aquilo que é o meu sentimento face às 7 horas, às caras de junho, etc...Aqueles resultados que vemos todos os anos não são para se repetir. Querem, querem. Não querem, arranja-se quem queira!

Anthrax disse...

Bom...

Já que está tudo a desabafar, então eu também vou aproveitar a deixa.

Eu trabalho com professores há 5 anos. É uma experiência perfeitamente alucinante. Aliás é muito mais do que isso, é um verdadeiro pesadêlo que vai desde a falta de profissionalismo até ao limiar da imbecilidade. Desde já peço desculpa pela utilização de termos menos próprios, mas estou a tentar ser o mais franco possível.

No entanto, há excepções. Ao longo destes 5 anos, tive oportunidade de conhecer professores que - trabalhando, alguns deles, em más condições - desenvolvem um trabalho, simplesmente, fenomenal. E são estes que eu costumo utilizar como ponto de referência, porque são estes que me dão esperança e que me fazem acreditar que há outros iguais a eles, é só preciso descobri-los e mostrar-lhes que se confia no trabalho que estão a desenvolver.

É, de facto, muito negativo e injusto colocá-los todos dentro do mesmo saco e rotulá-los de incompetentes. Mas é a "classe" enquanto "todo" que transmite essa imagem e uma vez criada essa 1ª impressão, é extremamente dificil desfazê-la.

Os ingleses têm uma palavra que eu acho que descreve a imagem que a "classe" está sempre a transmitir e essa palavra é «whinning". É essa ideia , eles estão sempre «whinning». Uma pessoa até pode simpatizar com eles à 1ª e à 2ª vez, mas depois começa a ser um bocado cansativo. É assim, eu quando não gosto da forma como estou a ser tratado, ou quando estou farto de alguma coisa, agarro nos meus brinquedos e vou brincar para outro lado, não fico sentadinho no meu canto a chorar porque os outros "meninos" não querem brincar comigo. Era só o que me faltava.

David Justino disse...

Meus caros amigos, há muita sinceridade e alguma verdade nos comentários que acabo de ler, mas permitam-me que saia em defesa do desabafo da Sandra Costa.
Trata-se da expressão de quem quer ser uma profissional e quer fazer o melhor pelos seus alunos. Só há que respeitar! Sei de muitos professores que teriam o mesmo desabafo perante a situação que estão a viver. Mas também conheço muitos outros que "se estão nas tintas" para este tipo de preocupações.
O problema continua a ser a "generalização" e o pensarmos que os professores "falam pela boca dos sindicatos". Uma grande parte da imagem que foi criada sobre os professores deve-se à imagem dos seus supostos representantes. Não vale a pena lidarmos "de mansinho" sobre estas questões, nem cair no pólo oposto e dizer que são todos uns "senhores" (que os há, também nos sindicatos). São muitos anos em que a "classe dos professores" está presente nos órgãos de comunicação social através de um reduzido número de vozes que raramente refletem a diversidade das opiniões dos professores.
O segundo problema, permitam-me que o invoque a propósito de uma passagem do desabafo da Sandra Costa, está na generalizada má gestão das escolas que faz com que os recursos existentes sejam mal aproveitados, especialmente os recursos humanos. O problema da gestão das escolas é um problema central da educação em Portugal e dificilmente deixará de o ser enquanto as escolas forem entendidas como uma espécie de Repartição do Ministério da Educação em que o "Chefe" é eleito entre e pelos seus subordinados.
Há escolas bem geridas? Há, constituem a excepção e não representam mais 1/20 das escolas deste país. O resto do panorama é puro amadorismo.
Formem-se bons gestores escolares (que podem e devem ser professores), devidamente qualificados e especializados, que sejam seleccionados pelo seu mérito enquanto gestores e exerçam essa competência em função de objectivos claros. Podem ter a certeza que a educação em Portugal dá um "pulo" significativo.
Mas no meio de tudo isto há uma questão que tenho sempre presente: se nós somos atrasados na riqueza que produzimos, na forma como a distribuímos, na produtividade, no trabalho qualificado, na inovação tecnológica, na investigação científica, nos índices de leitura, no consumo de livros, no serviço de saúde ... Porque é que teremos de ser melhores na educação?
Cumprimentos a todos e votos de bom fim de semana.

crack disse...

O Professor David Justino tem o enorme mérito de tentar ser imparcial e objectivo, atitude que não é frequente em antigos membros do governo, quando apreciam os que lhes sucedem, sobretudo se de outros partidos. Julgo, contudo, que a extrema exigência, que se auto-atribuiu de ser exemplarmente isento na apreciação que faz da acção da actual Srª ME, estará a introduzir alguma benevolência excessiva nessa mesma apreciação. O seu último comentário, contudo, permite notar já alguma inflexão nessa linha de rumo, o que enriquece o debate que aqui se faz.
Só gostaria de retomar uma questão abordada de raspão pela Sandra Costa, que considero muito importante: esta equipa governativa (e não só o ME) passou para o público a imagem que este queria ter dos professores - um bando de incompetentes, pouco honestos, faltosos e principescamente pagos. Não separou o trigo do joio, porque lhe convinha assim. Esta humilhação da classe docente é muito grave,e as consequências, a prazo, são imprevisíveis, mas nunca para melhor. Ora, o ME tem meios para actuar sobre os professores que, efectivamente,não cumprem (que os há, mas não são a totalidade), bastando-lhe pôr a IGE a cumprir o seu papel. Optando por não o fazer, lançou o caos no terreno com medidas avulsas, potenciou a desmotivação da classe docente para níveis nunca atingidos, não moralizou o sistema,como se lhe pedia, mas vergou uma parte imprescindível dos seus agentes.Entretanto, a IGE remete-se a actividades de acompanhamento, de aconselhamento e de prevenção, que cabem na esfera de competência das direcções regionais de educação.
É caso para dizer que, para tratar o ramo de uma árvore, a ministra exterminou a floresta inteira. E, como se sabe, a política de terra queimada nunca fez nascer nada.

sandra costa disse...

Caro Tonibler, os resultados que vemos todos os anos são exclusivamente «o produto da "massa humana de excelentes profissionais"» que temos nas escolas? Os professores são o único factor propiciador destes resultados? As condições nas escolas, a estruturação dos programas, as sucessivas reformas de políticas educativas, a desvalorização da cultura e da escola na nossa sociedade, as famílias – nada disto conta? Se o professor mais do que professor tem de ser psicólogo, assistente social, quase um substituto da família em tantos casos, porque é que a responsabilidade dos maus resultados é só dele? Os resultados não são para se repetir? Está muito enganado, infelizmente, vão-se repetir por tantos anos quantos permanecer esta ideia na sociedade portuguesa de que a escola sozinha resolve tudo – é só lá depositar os meninos – e de que o caminho do sucesso não passa pela exigência. Estou à vontade nestas questões de resultados, sabe?, eu que durante dez anos só dei aulas ao 3.º Ciclo, nos últimos dois anos leccionei História ao 12.º ano e fui sempre “uma professora de sucesso”, tive resultados bem acima da média nacional, mesmo numa turma de Ciências Humanas e Sociais, sem hábitos de leitura e sem o gosto pela cultura. Este ano tenho um novo desafio entre mãos e hei-de tentar obter os mesmos “resultados”.

Resultados? E ver quinze alunos dos 12 aos 17 anos a representar “A Gaivota” de Tchékov, o que é? Ou dois “deputados” da nossa escola a defender medidas legislativas no jogo do “Hemiciclo” a nível distrital? Os miúdos do sétimo ano a fotografar árvores, a sentir-lhes a textura dos troncos, a desenhar as suas folhas e a pedirem para tomarem conta de uma parte do jardim da escola que está mais abandonado e numa tarde livre virem para a escola para o reabilitarem?

Caro Anthrax, penso que a palavra que queria usar era “whining” e não, eu não sou nenhum “bebé chorão” para usar uma expressão bem portuguesa. Não me vim lamuriar, vim tentar comentar um post e um comentário e as minhas palavras acabaram por se tornar num desabafo também. Quando aqui criticam a política e os políticos portugueses também se estão a lamuriar? Porque não vão viver, então, para Espanha ou para Inglaterra? Criticam, porque é assim a ordem natural das coisas, certo? Porque se não houvesse crítica, não haveria mudanças, não é assim? Eu não vim aqui chorar e os meninos com que quero “brincar” sei bem quem são: 84 alunos de sétimo ano; 21 alunos de 9.º; 16 de 12.º ano; 16 do Clube de Teatro; todos os alunos que queiram frequentar o Clube da Europa e a Biblioteca da escola. E estes, felizmente, têm brincado comigo.

Aqui e ali falam ainda em classe dos professores… Qual classe? Porventura pensaram que falava “formatada” ou sensibilizada por algum dos sindicatos de professores que temos? A resposta é um redondo “não” e mais não digo.

Caros David Justino e crack, revejo-me nos comentários que deixaram.

Um bom fim-de-semana para todos e obrigada pela troca de impressões.

fr disse...

Sandra Costa colocou a questão no seu devido lugar. Os meus parabéns por isso.
Eu só quero dar mais um testemunho. Espero que o Tonibler o leia, já que gosta tanto de criticar os professores sem conhecer a realidade do ensino.
Desde que foram implementadas as novas regras de horários pelo ME, eu deixei de ter tempo para preparar aulas como devia e como fazia. E sim, sempre, há mais de 20 anos, sempre trbaalhei mais de 40 horas semanais para a Escola, quando o horário é de 35.
Agora que sou forçado a estar a estar na Escola mais horas não lectivas, tenho muito menos tempo para estudar, para ler, para planificar, para avaliar. O resultado disto, para mim, é óbvio: a qualidade do meu trabalho vai diminuir. E não, não esotu a trabalhar menos.
Tenho feito a contagem diária e semanal. Desde que as aulas começaram, trbalho em média 45 a 50 horas. Cerca de 30 na Escola, das quais 20 lectivas, as outras em projectos, pois não tenho condições para preparar aulas na Escola. Não há gabinetes, nem armários, nem computadores, nem papel, nem Net, nem...para trabalharmos. Dois computadores de trablahao para 100 professores... e meia dúzia de folhas de papel, bem como uma impressora sem tinta muitos dias por mês...
Conclusão, fora das 30 horas que esotu na Escola, tenho que ir para casa fazer testes, imprimir pelo menos os originais, quando não todos, pagos por mim, fazer pesquisas, ler e estudar, avaliar trbaalhos e testes, etc. etc.
Caro Tonibler, acha mesmo que que eu trabalho pouco e que devo mudar de profissão?
E deixo na Escola os professores que pouco fazem e mal, que também os há, no meu lugar?
Eu sou profissional, e gosto do trbalho bem feito.
Para que conste.

m. disse...

Para além de todas as considerações acima lidas, e de índole mais ou menos corporativista, para quando a primeira de todas as revisões (e clarificações) conceptuais indispensáveis a qualquer reflexão sobre a tarefa do Ministério Educação neste momento: "educação versus instrução"? Nem que seja à custa dos conceitos de José Gil (aproveite-se pª o reler em "Acentos", pexº).

Tomar por bons, sem a necessária reserva, os nºs que a estatística oferece para 'rankear' (dava jeito que o ME tivesse usado uma palavra portuguesa, não? ah, educação, pois é...)as escolas é também uma boa pista de patinagem no cabotinismo jornalístico.

Mas, eu que nem tenho nada a ver com isto, lembro-me ainda de perguntar - porque alguns comentários anteriores me recordaram coisas lidas no Mar Salgado - se mais alguém aqui reparou que a forma como têm sido apresentadas as últimas medidas económicas, avulsas na sua maioria diga-se, aos portugueses lhes exacerbou a 'palavrinha' com que Camões termina Os Lusíadas?

IC disse...

A David Justino, crack e Sandra Costa: Um obrigada (meu e, decerto, de muitos professores)pelo que escreveram nos vossos comentários. Nada mais custa do que, quase no fim de uma carreira em que tanto trabalhei e me empenhei, ser metida publica e cegamente num estranho saco de incompetentes e responsáveis (únicos, segundo o que se insinua)pelo estado do nosso sistema educativo.
Aproveito para sublinhar o "indício" de preocupação referido por David Justino quanto à (re)formação dos professores do 1º Ciclo ser entregue "precisamente àqueles (ESE’s) que são responsáveis pela má formação inicial" - responsáveis também, desde há uns anos e lamentavelmente, pela formação inicial dos professores do 2º Ciclo.

IC disse...

P.S. Errata, peço desculpa pela gralha, onde escrevi "publica" leia-se pública)

Miguel Pinto disse...

cmonteiro
“Não lhe apeteceu em algum momento fazer o mesmo e afrontar a classe dos professores da forma que está a ser feita, obrigando-os a comportarem-se como qualquer outro trabalhador?”

Entendi o “afrontar” no sentido de enxovalhar. Bom, não é isso que leva a interpelá-lo: Creio que o seu comentário deixou claro que considera o professor um operário da educação. Presumo que desqualificado, ou não?


Dr. Justino
Tendo em conta a relevância da questão da avaliação do desempenho, estará na disposição de nos esclarecer sobre o seu modelo de avaliação, nomeadamente, a definição de critérios e rubricas de desempenho. Referiu-se exclusivamente ao Portfolio. Não é crível que a alteração que defende se restrinja à alteração do instrumento de avaliação.

PS: Uma vénia aos comentários da Sandra e Crack.

Tonibler disse...

Cara Sandra Costa, qualquer trabalhador neste mundo tem de lidar todos os dias com dificuldades que não foram geradas por ele. Mas o objectivo do seu trabalho não muda por isso.
E sejam maus os programas, as reformas, as condições, as famílias, o que quer que seja, não vejo em que é que isso altera aquilo que é o seu objectivo. Torna-o mais difícil? Talvez, mas se fosse fácil não precisava (eu, contribuinte e cidadão) de pagar a ninguém para o fazer, pois não?
E, Sandra, os resultados não vão repetir-se por muitos mais anos porque, das duas uma, ou aparecem ou desaparece o sistema público de ensino, porque a destruição de valor a que se assiste hoje é insuportável por todos nós.

Caro fr, não sei bem como colocar isto de forma 'suave'. Ninguém é profissional por se esforçar muito. O trabalho do professor (ou de quem quer que seja) não é esforçar-se, é apresentar resultados. Se para isso tem de trabalhar 10, 20 ou 70 horas por semana é problema seu, da mesma forma que quando vai ao restaurante, o fr também nunca se preocupou em saber se o prato deu muito ou pouco trabalho a confeccionar. Logo, em resposta à sua questão de se deve mudar de profissão, é opção sua, sabendo que os resultados, esses, não são opção para ninguém.

Caros todos, parece-me que existe aqui um equívoco geral. O objectivo do sistema de ensino é ter alunos educados, não é ter professores. E com aquilo que hoje custa, o leque de opções que se colocam ao contribuinte é vasto, começando logo com o fecho da produção pública de ensino nos grandes centros. Se o sistema público não sabe produzir 'educação', fecha-se e paga-se a quem saiba. Isto é, que o estado providencie educação é um dado adquirido, que o produza não é. E, estranhamente, não vejo que este seja um factor de preocupação dos professores.

fr disse...

A minha cruzada, pessoal e profissional, é pela qualidade de ensino, seja ele privado ou público.
Já devia ter adivinhado que o que o Tonibler é o desaparecimento do ensino público, e para isso não olha a argumentos.
Pois bem, eu sou professor, não sou um operário de uma cadeia de montagem. Nem olho os meus alunos como um produto de uma linha de montagem.
Reafirmo que o facto de eu ter pouco tempo para preparar as aulas afecta a qualidade do meu trabalho e obviamente os resultados. E os resultados são a formação dos meus alunos. É com eles que eu me preocupo, não comigo. Eu não me queixo de trabalhar muito pelo trabalho em si. Eu queixo-me de ocupar demasiadas horas e trabalho em actividades que me impedem de dar o meu melhor na minha função principal: ensinar a minha disciplina.
Este, e só este, é o meu argumento.
Se sou prfoessor do público ou do privado, o que me interessam são os resultados da formação.
Não esotu em nenhuma cruzad contra o ensino público ou privado, como parece que algumas pessoas estão.
Pela lógica de que quem paga impostos merece um ensino de qualidade, com o que concordo, também quem trabalha tem que o fazer bem e receber um salário adequado.
A mim pagam-me para trabalhar 35 horas. Nem mais um minuto. O resto ofereço eu, porque quero. Se por ser professor do ensino público continuo a ser mau professor...nada mais tenho a acrescentar a esta discussão.

Bulnes disse...

Prof. David Justino e restantes intervenientes:
Sou professor do ensino público há 28 anos. Como diz o colega anterior, "não sou um operário de uma cadeia de montagem" ... e muito menos sou apenas uma peça dessa cadeia de montagem! Parabéns, Sandra Costa, pela clareza das suas palavras!
Há maus profissionais no ensino? Claro que há, como em todas as profissões. Há os 'baldas', há incompetentes, há imbecis, há oportunistas, mas encontrei muito piores profissionais no ensino privado (ao ponto de num colégio privado por onde passei apenas ter suportado lá estar 2 meses, por não querer pactuar com a anarquia e o oportunismo).
Há bons profissionais no ensino? Claro que há, e são, felizmente, a grande maioria! Excelentes profissionais, que dedicaram e dedicam toda uma vida ao ensino e aos seus alunos, com abnegação, sem contabilizarem as muitas mais de 35 horas semanais que a eles dedicam, sem contabilizarem as despesas feitas do próprio bolso.
Sabem o que conseguem as medidas do actual governo ? Não, não conseguem 'limpar' o ensino dos incompetentes e dos maus profissionais! Não, não conseguem acabar com os oportunistas que fazem do ensino um part-time ou, pior, que se aproveitam dele para enriquecerem à custa de fundos comunitários, em acções de formação que de formação nada têm! Não, não conseguem gerir esses fundos, desviados para bolsos de incompetentes, e canalizá-los para o equipamento das escolas, para a verdadeira formação dos professores.
As medidas do actual governo apenas conseguem desmotivar os verdadeiros professores (e que, repito, são felizmente a maioria), criar neles o sentimento de desalento e amargura de verem que o seu trabalho e dedicação são postos no mesmo 'saco' das 'ervas daninhas', o sentimento de desalento e amargura de se verem obrigados a cumprir programas cada vez mais estúpidos, completamente desligados, nalguns casos, da realidade etária e social dos alunos aos quais se aplicam, e para os quais não têm, noutros casos, a mínima formação de base. Ao longo da sua carreira, os verdadeiros profissionais do ensino (a maioria) empenharam¬ se na sua própria auto¬ formação, na maior parte dos casos, e mais uma vez, a expensas próprias, enquanto viam e vêem gastar fortunas em acções de formação sobre culinária e tricot!
As medidas do actual governo não vão melhorar a qualidade do ensino, bem antes pelo contrário, vão piorá-la, e de uma forma profundamente injusta, cega, e, pior, dificilmente reversível. Como também já aqui disseram, para destruir as 'ervas daninhas' ... está-se a derrubar a 'floresta' inteira. O que infelizmente não pode ser considerado surpreendente, num país que todos os anos continua a assistir ao crime organizado de destruição maciça das nossas florestas.
Prof. David Justino, os seus indícios não são indícios, são, efectiva e infelizmente, factos bem concretos. Os professores, os verdadeiros profissionais do ensino, estão a assistir de lágrimas nos olhos ao afundar do barco. Chamo-lhe a atenção e a de todos os intervenientes para duas cartas publicadas no “Diário do Minho” (dias 19 e 22 do corrente), a primeira dirigida ao Sr. Primeiro-Ministro, a segunda ao Ministério da Educação, e que constituem autênticos gritos de alerta. Chamo-vos a atenção para os numerosíssimos blogs (de professores e não só) onde a preocupação tem sido transmitida e discutida. Chamo-vos a atenção para o artigo de opinião intitulado “Andam a brincar connosco”, que no portal EDUCARE tem constituído amplo local de debate. Chamo-vos a atenção para uma petição a decorrer online - em http://www.petitiononline.com/profspor/petition.html - dirigida ao Sr. Presidente da República.
Faltar-me-ão, em princípio, com as novas leis, mais anos para a aposentação do que esperava e do que considero que merecia. Mas, mais grave do que me faltarem mais anos, é a amargura de me ver apenas como peça de uma cadeia de montagem ... e de uma cadeia de montagem surrealista.
Peço desculpa pela extensão do comentário, agradecendo a quem tiver tido a paciência de o ler.

Amélia disse...

Comentei no referido artigo do educare-Carta aberta aos professores portugueses -, assinei a petição on-line,também atrás referida,porque estou, como sempre estive, do lado dos «humilhados e ofendidos».
Porque fui 36 anos e meio profes-
sora e gostei muito de o ser, participando nessa obra magnífica que é a de ajudar gente a crescer em carácter e em conhecimentos.E porque acho que com professores descontentes e humilhados(quão fácil é fazer demagogia!) não se melhora, com toda a certeza, a qualidade de ensino.Debates destes, como os que correm no educare e noutros locais da net, como petições, eu sei, não serão levados em conta, porque não interessam a quem manda.Se calhar nem se dão ao trabalho de os lerem...fechando-se num autismo persistente.
Mas pelo menos a infelicidade dos professores que «em outubro já têm cara de junho» não fica dentro de cada um, a ruminar - e passa a ser uma mágoa solidária em vez de solitária.E um sinal de resistência
num país em que comecei a dar aulas no tempo em que não havia liberdade de expressão e tínhamos de ter uma extraordinária sabedoria para dizer o que pensávamos sem parecer dizê-lo - e em que, felizmente, há, desde 1974, liberdade de pensamento e de expressão do mesmo.E eu não troco tal liberdade por nada deste mundo.

De resto, em muitas coisas concor-
do com a actual Ministra.
Nesta espécie de cegueira no que respeita aos professores - de perto seguida e amplificada pelos órgãos de comunicação social, porque populistas - não estou - claramente não estou.

crack disse...

Admito ter percebido mal algumas das intervenções feitas nos comentários de “Tonibler”, mas ressalvando, desde já, essa possibilidade, é a partir dessa leitura que faço que gostaria de me pronunciar acerca do que me parecem algumas ideias feitas, com as quais não estou, minimamente, de acordo. Parece-me centrar este comentador toda a sua argumentação na diferença entre ensino público e ensino privado, entendendo ele que os profissionais do público estão profissionalmente obrigados ao sucesso dos alunos, devendo, para esse efeito, trabalhar o número de horas que forem precisas, em que condições for, repercutindo o insucesso dos alunos na imediata má avaliação/classificação do professor, o que deverá levar à sua imediata substituição. Também assume que no privado se sabe o que se está a fazer, porque sim, que nem explica porque entende isto.
Se o que escreveu “Tonibler” é o que queria dizer, há no seu discurso vários equívocos. Primeiro, não explica porque distingue ensino público de privado ( o pagamento do ensino público pelo contribuinte não colhe em quem argumenta com os pressupostos com que “Tonibler” o faz, pelas razões que todos conhecemos), nem admite que o grau de exigência neste último tem de ser igual àquele que se estabelece para o público, sob pena de que aquilo que defende não possa ser levado a sério. Efectivamente, e pela forma como escreve “Tonibler”, o leitor tem que assumir que, para ele, o ensino privado está acima destas questões, não sendo a sua qualidade, a excelência e dedicação dos seus professores, tal como os seus resultados, questionáveis. Todos sabemos que não é assim, pelo que fazer este debate com este pressuposto, é uma questão de má-fé.
Depois, centra “Tonibler” o sucesso dos alunos, exclusivamente, na performance do professor, nem admitindo, sequer, que o sucesso dos alunos depende de muitos factores, de que o empenhamento e a competência profissional dos docentes são apenas alguns deles. Lamento trazer ao debate uma questão que os “pedagogistas” gostam de ignorar e que os professores, por pudor, evitam abordar. Os alunos trazem para a escolas as suas competências e capacidades pessoais e específicas, as suas vivências familiares e sociais, o seu estímulo e a sua vontade de aprender. Esta pessoa (e será bom que não continuemos a esquecer que o aluno é uma pessoa e não um objecto passivo do “eduquês prático”, para os pedagogos de pacotilha, e da “adopção escolar compulsiva”, tão do agrado das famílias demissionárias da sua função), vai interagir com a escola e é desta interacção que vai resultar o perfil do seu percurso escolar. Se o papel da escola, em geral, e dos professores, em particular, são fundamentais neste processo, e nunca seria eu a negá-lo, não posso é admitir que seja ao professor, e apenas a este, que podemos apontar o dedo elogioso, no caso do sucesso, ou o dedo acusador, quando há insucesso.
Pondo a coisa em termos mais simplistas: por muitas horas que o mais competente dos professores dedique a um aluno que não pode, ou não quer, aprender determinados conteúdos, o insucesso do discente será um facto. Todos os que passem pela profissão docente, até todos aqueles que acompanhem, atenta e dedicadamente, os seus jovens, sabem da razão que existe nesta simplista conclusão.
Portanto, “Tonibler”, julgo que enfermam os seus comentários de pressupostos que, no caso específico, são pressupostos de má-fé, e que hoje em dia, em qualquer área profissional, contém um de erro de base. Por muito bom que seja o profissional, por muito que trabalhe, por muito motivado que esteja, se a matéria-prima com que trabalha não for de qualidade, ou se todo o contexto em que desenvolve o seu labor não for favorável, o resultado não dependerá, exclusivamente, da qualidade da acção do trabalhador.
Depois, há ainda umas questõezinhas laterais: por exemplo, a importância, e o peso, que se reconhece hoje ao grau de satisfação do profissional para a excelência da sua performance e para os resultados obtidos. Ignora-o, totalmente, no seu discurso, ou não escreveria :« O objectivo do sistema de ensino é ter alunos educados, não é ter professores». Se é bem certo que o sistema de ensino existe porque há que formar alunos, será o “empregador” ignorante se não souber que os profissionais que contrata com esse objectivo devem ser os necessários, com a adequada formação profissional, que devem exercer as suas funções num quadro de direitos e deveres claramente definido, com as condições necessárias e suficientes, competindo-lhe (ao contratante) acompanhar, inspeccionar e avaliar o serviço prestado, para manter o sistema a funcionar, nos padrões de qualidade exigíveis. Ora, foi isto que o Estado sempre se demitiu de fazer, competentemente, não exigindo formação inicial de qualidade, não propiciando formação contínua adequada, não regulando, adequadamente, a carreira docente, nem a gestão das escolas, finalmente, não avaliando, não inspeccionando, numa frase: deixando correr. E sempre que governos tentaram acabar com este laxismo, foram impedidos por uma oposição selvagem, apenas interessada em colher dividendos eleitorais. Que se registe que os governos que tentaram fazer foram os do PSD, que a oposição que os travou foi o PS – a afirmação é isenta de alinhamento partidário, e é passível de verificação e comprovação.
“Tonibler”, é muito fácil pôr a culpa do insucesso escolar apenas nos professores, mas se não é justo, muito menos é inteligente, porque, se ficarmos apenas pelo chicote em cima dos docentes, podemos tê-los a trabalhar como escravos, de sol a sol, que o insucesso se manterá. É isso que pessoas como a actual ministra, e figuras como “Tonibler”, ainda não perceberam.

Tonibler disse...

Caro fr,

Por princípio, estou-me nas tintas para quem produza a educação, desde que todos tenham acesso a ela. Agora, facto é que o que gasto em ensino não-universitário pagava 1875000 alunos de medicina dentária na U. Católica, com resultados que caiem todos os anos. Há 30 anos! É razão para se recordar que à primeira caiem todos, à segunda...à trigésima????

Entendo o seu argumento da linha de montagem, mas para a questão é irrelevante. O fr lá deve saber como o deve fazer, é para isso que é pago. Mas a forma como o faz não é um fim em si. Aliás, não ser um produto de uma linha de montagem parece-me uma fraca consolação para os semi-analfabetos que o sistema de ensino produz.

Caro Bulnes,

Se os bons profissionais são a maioria no ensino, como se justificam os resultados?
O que os resultados dizem é que há bons profissionais, mas que são uma escassa minoria. E contra factos....
Se deitar abaixo a 'floresta' melhorar os resultados, então deite-se. Injusto, injusto, são os milhares de cidadãos que todos os anos vêm o seu futuro destruído, eles que são a razão da existência do sistema, porque alguém anda preocupado em não afectar os 'bons profissionais'.

Tonibler disse...

Caro crack,

Coloquei o comentário anterior antes de ler o seu, pelo que cá vai.

Repetindo aquilo que dirigi a fr, estou-me nas tintas para quem produz a educação, desde que a produza de facto e que esta se mantenha acessível a todos. E é isto que é de facto importante, TUDO o resto são questões laterais, TUDO o resto é dispensável ou alterável.
Dividindo os meus papéis neste assunto, eu tenho um papel de investidor (como contribuinte, pago para todos) e como consumidor (como pai, pago para o meus). Como investidor, falo unicamente daquilo em que invisto, isto é, no sistema de ensino público. Como consumidor, posso falar do sistema de ensino público ou privado, mas isso é problema meu(e voltarei a este papel no fim).

E, como investidor, convicto que estou na importância capital da educação na minha (nossa) vida, tenho um sistema público de ensino que não corresponde ao meu investimento. Porque é francamente mau! Porque é que é mau? Porque os resultados são maus.
Diz-me que centro o sucesso(educação, sucesso parece ser outra coisa...) dos alunos no desempenho dos professores. Mas pago a mais alguém para que a educação seja atingida? Explique-me lá, exactamente, para que mais é pago que não para a educação dos seus alunos. Eu sei que nem tudo depende dos professores mas isso serve de desculpa ou consolação para alguém?
Eu não defendo o ensino privado, enquanto investidor, porque não tenho nada a ver com isso. Ao ponto a que chegou, defendo a privatização da produção pública de ensino, mantendo um sistema público de ensino. Porquê? Porque demonstrou-se, ao fim de 30 anos, que o estado, enquanto gestor dos interesses do contribuinte, não consegue separar os objectivos dos meios. Por isso digo que o objectivo não é ter professores. Se focarmos o objectivo na educação dos alunos e olharmos para os resultados, os outros que tenham professores e nós compramos a educação. Assim, deixo de centrar o problema nos professores e, melhor, deixo de pagar se a educação não aparecer.
Isto não é mania ideológica. É o resultado de anos e anos e anos da mesma coisa.

O pior disto tudo é quando passo ao meu papel de consumidor. Como consumidor, felizmente, posso optar entre colocar os meus filhos no privado ou no público. Ao contrário da esmagadora maioria dos meus concidadãos. Isto significa que quem pode tem acesso à melhor educação, quem não pode fica com o que há. Chega-se ao absurdo do sistema público de ensino com produção pública de educação representar o maior dos factores de desigualdade entre os cidadãos porque acesso à educação é pescadinha-de-rabo-na-boca. Menos educação, menos dinheiro, vai dar menor acesso à educação, que vai dar menos dinheiro,...

Agora, com tudo isto, acha que estou preocupado se os professores estão motivados ou não? Acha que isso deve ser preocupação do contribuinte?

IC disse...

Sinto-me triste e perplexa por ver repetidamente uma atitude de desprezo pelos professores no espaço para comentários a um artigo do Professor David Justino escrito, como aqui também já foi referido, com objectividade e procura de isenção (pelo que, se me permite, Professor David Justino, manifesto o meu modesto apreço).
Mas, a liberdade de opinião e de expressão são coisas muito preciosas, ainda bem que a têm também as pessoas que falam de tudo mesmo pouco conhecendo, assim como as pessoas azedas, ou outras - enfim, todos os cidadãos deste país.

Fer_Nan disse...

Caro, Tonibler e outros que tais.
Não sei qual a sua ideia de ensino ou de educação, ela é no mínimo estranha, da maneira que coloca as coisas.
O seu problema é que paga uma má educação para os seus filhos?, se vai por aí então, deixe que lhe diga que você também faz parte da comunidade educativa portanto, também é um dos GRANDES RESPONSÁVEIS, e não se esqueça que a EDUCAÇÃO COMEÇA EM CASA, também:
- Paga uma má estrada para o seu carro.
- Paga portagens, em más auto-estradas.
- Paga má segurança
- Paga má saúde
- Paga uma má energia para a sua casa.
- Paga um mau serviço de televisão
- Paga uma má produtividade do seu trabalho, sim eles, políticos estão fartos de dizer que "você e um mandrião", não produz nada.
- E podia ficar aqui a noite toda a dizer o que você paga, e que é mau.
Mas pelos vistos também se está nas tintas para isso.
Com certeza, que o que lhe agrada é colocar o seu ou sua filha na escola ás 8h da manhã e ir buscá-la ás 20h e se possível depois metê-la num OTL, para ir ver o seu cinemazinho. ISSO SIM É A GERAÇÃO DE PAIS QUE NÓS TEMOS. Depois dizem-se preocupados com a educação dos seus queridos filhos e que os professores é que são uns malandros e incompetentes.
- Só um à parte, já alguma vez se preocupou em ajudar os seus filhos a resolver os TPCs?
Mas é simples resolver os problemas da educação no ensino público, neste país,(e não é preciso ser-se nenhum GÉNIO), para tal basta trocar de alunos, vamos colocar os alunos que estão no sistema de ensino privado e colocá-los no público, e colocar os do público no ensino provado, claro teremos que dizer aos pais que vão ter que pagar além dos seus impostos mais uma mensalidade para o colégio,(mas isso a si não lhe deve fazer diferenças, já deu a entender que é um trabalhador eficiente e como tal deve ganhar bem) OS PROFESSORES, claro que ficam como estão. Com esta medida tenho a certeza que o sistema de ensino público vai melhorar de forma drástica, com os resultados a aparecerem logo no fim do ano e os MESMOS PROFESSORES, passaram de bestas a bestiais( para usar a tal linguagem futebolista). O privado? Não sei…, penso que irá ficar melhor ainda, visto que vocês pensão que o problema são os professores do público e esses continuariam no público.
Para finalizar, já que está tão preocupado com o dinheiro dos seus impostos uma simples perguntinha, será que não conhece um amigo ou amiga que esteja a fugir aos mesmos? Sim,? Alguma vez se preocupou em dizer-lhes que assim o estão a prejudicar?
Nota: Gostaria de saber também, se você tem que comprar a matéria prima para fabricar os produtos que a sua empresa comercializa?
EU? Claro, computador, canetas lápis, borrachas, folhas tinteiros, livros, acetatos, mais canetas, lápis, borrachas, folhas tinteiros, acetatos, a luz do meu candeeiro, pneus, gasolina, portagens, é trabalho a 250Km de casa, Renda, Etc…
MAS NÃO ME ESTOU A QUIXAR, CLARO, EU GOSTO DO QUE FAÇO, QUERO É FAZÊ-LO SEM LEVAR TODOS OS DIAS “NA CARA”, o ordenado? Não é problema visto que a classe é super bem paga, até dá para ajudar o senhorio lá da terra, a dona Maria da mercearia, o Sr. António do Gás, o Sr. Manuel do restaurante (só tenho uma hora para almoçar, não dá para ir a casa faze-lo), etc.…
E NÃO, NÃO TENHO SUBSIDIOS.
COM TUDO ISTO AINDA ME DIZEM QUE SOU MAU PROFISSIONAL? Aí sim fico fulo.

Tonibler disse...

Caro(a) IC,

Peço desculpa se a minha preocupação neste momento vai para um milhão e tal de cidadãos que de mim dependem e não para uns quantos milhares que de mim recebem.

Caro Fer_Nan,

Como disse, a minha preocupação tem duas vertentes, a educação que pago para os meus filhos e a educação que pago para os meus concidadãos. E, como disse também, a primeira eu resolvo. Resolvo, porque posso. Há (a maioria) quem não possa.
Além de pagar impostos, paga o colégio? Essa não percebi. Eu (contribuinte) pago 1,5 mil milhões de contos para a educação, não é preciso mais dinheiro nenhum.
Deixo de pagar a uns para pagar a outros. A diferença é que passo a pagar conforme aquilo que recebo e não por uma qualquer obrigação laboral. Entende?
Ninguém disse que era mau profissional. O que eu disse foi que face aos resultados é falso que a maioria seja bom profissional.

Miguel Pinto disse...

Vou alinhar pela análise simplista e redutora. À boa maneira de Toniber: A educação (a boa e a má obviamente) é um problema multifactorial. A família e a escola concorrem com um conjunto de agentes educativos para a formação dos educandos [a comunicação social não fica de fora]. Como nem todos desempenham bem o seu papel, acontece que o produto pode sair com defeito. Há casos em que uns remedeiam a ineficácia dos outros porque alguém [e convém que seja a escola] falhou, por incompetência, por ausência, por negligência ou por tudo e mais algumas coisa.
Solução igualmente simplista e redutora: demissão dos responsáveis! Assim, se o problema for imputado à família, os educandos serão retirados compulsivamente desse ambiente nefasto e regenerados num local pretensamente mais favorável à BOA educação. Se o problema estiver na escola, demissão dos energúmenos responsáveis pelo atentado ao Bem Comum. Etc., etc. A solução como se vê é simples: detectado o problema, limpeza geral.
Querem ver que me esqueci que o educando não um mero objecto? É fácil: se se vier a comprovar que ele é o principal responsável pela sua Má educação,…
Com isto, até me esqueci que o problema gravita em torno do dinheiro dos contribuintes.

Bulnes disse...

Já aqui foi dito que tirar conclusões como o sr. Tonibler as tira parece apenas ignorância e/ou má-fé. Eu direi apenas que, se “face aos resultados é falso que a maioria seja bom profissional”, então este sr. Tonibler concluirá também certamente que, face à sinistralidade nas estradas, a única conclusão é que os condutores não sabem guiar; aconselho-o, aliás, a pedir ao governo que retire a carta de condução a toda a gente, assim as estradas ficam só para ele. Se “face aos resultados é falso que a maioria seja bom profissional”, então este sr. Tonibler concluirá também certamente que, face ao aumento crescente de mortes por cancro do cólon (que é já em Portugal a segunda causa de morte por tumor maligno), a única conclusão é que a maioria dos médicos são incompetentes, pagamos impostos para eles e eles não curam os doentes!
Bom, o sr. Tonibler vai agora dizer que estas são comparações disparatadas, que estou a “gozar” com o assunto, mas fica desde já aqui expresso que não vou responder a este tipo de comentários. Conclusões como o sr. Tonibler as tira conseguem ser mais obtusas do que a visão que o Ministério da Educação está a ter ... o que é difícil.

emn disse...

Só uma questãozinha: se numa empresa, cujos quadros gerentes não gerem ou não sabem gerir, o material de trabalho é inadequado, a matéria prima de fraca qualidade, a estrutura deficiente, são os operários os culpados da falência?

David Justino disse...

Meus caros comentadores,
distraí-me com esta nota e só agora verifico o animado debate que entretanto se produziu. Não quero comentar tudo o que foi escrito, daria para muitos "posts". Mas permitam-me que esclareça alguns pontos focados:
1. Componente não lectiva: julgo que os efeitos são piores que o despacho. Mais tempo na escola não resulta em melhor ensino, pelo contrário poderá ter os efeitos perversos que os vários testemunhos de professores relatam. Eu preferia dar prioridade a medidas que permitissem aumentar a qualidade do processo ensino-aprendizagem. Não é um problema de quantidade é de qualidade.
2. Responsabilidade dos professores: perdoem-me a analogia com o futebol, mas é sempre mais fácil despedir o treinador ou a direcção do que a equipa (O Sporting é excepção!). Depois de muitos anos a atribuir a culpa aos alunos não se pode passar para o extremo oposto: responsabilidade exclusiva dos professores. Nem estamos em condições de objectivamente apurar o que cabe a quem neste processo. É o tipo de discussão que não permite concluir o que quer que seja.
3. Com estes alunos, com estes professores, com estes pais e com estas escolas, é possível fazer melhor. Não estamos condenados e existe uma margem elevada de progressão.
4. A avaliação de professores é um tema complexo, mas também urgente. Gostaria de poder responder ao Miguel Pinto mas o modelo de avaliação de "portfolio" não é tão simples quanto se possa imaginar. Prometo que, logo que possa, elaboro uma nota sobre o assunto.
5. Mantenho a questão "provocatória" que lancei no meu último comentário: se o atraso económico, social e cultural é uma realidade, porque é que na educação teria de ser diferente? Não creio que tenha de haver determinismo. Tenho a certeza que se a educação pudesse tomar a dianteira e puxar um pouco pela "carroça" em que nos "transportamos", o resto poderia vir a melhorar. Porém, não creio que o êxito fosse tão grande quanto as expectativas que criámos relativamente à educação. Esse é um dos problemas: andámos anos iludidos com o investimento em educação e esquecemo-nos que há problemas de base que não estão resolvidos e não se resolvem só com dinheiro.
Cumprimentos para todos.

crack disse...

"Tonibler"
Vejo que teve a amabilidade de me responder e, na resposta, nos presentear com toda a extensão do que pensa sobre a questão que aqui nos ocupa. Poderá ter tido o meu comentário o mérito de provocar uma clarificação sua, que talvez tenha deixado alguns dos docentes que por aqui passam bem mais tranquilos – constataram que as acusações que aqui lhes faz regularmente assentam, não numa diferente opinião (e a divergência de opiniões é saudável), mas apenas numa atitude ostensivamente provocatória, inconsequente e só aparentemente fundamentada, que radicará talvez num hábito seu de projectar nos outros as próprias características.
Estando este patamar de conhecimento a seu respeito atingido, apenas lhe digo que, como consumidor dos seus comentários, não encontro nos mesmos interesse, que justifique investir neles qualquer outra argumentação.

Miguel Sousa disse...

Um debate acerca do que é efectivamente sucesso escolar é urgente ser feito, mas os políticos têm medo, porque é perigoso as pessoas se aperceberem que muito desse insucesso vem das parcas condições económicas que os portugueses vivem....e essas condições são da responsabilidade de quem governa e não de quem educa.

pois é meus amigos..

Tonibler disse...

Caros professores "ofendidos",

É notável como as meus comentários afirmando coisas óbvias se apresentam a vós como provocações obtusas, ignorantes e de "má-fé".

Mas deixem-me só colocar-vos do outro lado. Suponham que a Ministra de Educação não orçamenta os vossos salários todos. E acrescento, a senhora é esforçada, trabalha 10 horas por dia, nem tudo depende dela (depende de haver dinheiro), etc.... Imagino que seja lícito ao cidadão(que colocou lá a ministra) pedir a vossa compreensão, mas vão todos passar a receber menos.
Numa perspectiva de reciprocidade da vossa relação com o cidadão, é isto. Imagino que também nesta situação sejam compreensivos face à falta de resultados. Ou vêm-me dizer agora que neste caso só vos interessa o resultados?

alfe disse...

Exmo. Dr. David Justino,
Infelizmente deve-se a si enquanto Ministro da Educação, à sua equipa e demais sindicatos que o negociaram, o famigerado Dec. Lei 35/2003 que prometia como objectivo a estabilidade do corpo docente. Está à vista o que resultou da aplicação desse modelo de concurso de docentes, a instabilidade do corpo docente agravou-se, sobretudo provocou o aparecimento dos professores QE desterrados.
Em 12 de Julho na Comissão de Educação, a propósito da audição dos peticionantes da Petição 38/X/1ª, o senhor deputado Pedro Duarte pertencente ao seu partido, de uma forma elevada admitiu as responsabilidades do seu partido nesta injusta situação. Deveria ter sido V. Exa. a assumir enquanto ex-Ministro esta responsabilidade, pelo menos ficava-lhe bem e como se costuma dizer "errar humano es".
Muito apreciaríamos que V. Exa. se dignásse contactar o MQED e nos ilucidásse das razões e ou motivações que o levaram a desterrar de forma injusta professores, das suas famílias e sobretudo filhos de pouca idade. Será que os professores QE desterrados, a maioria deles com 10 a 20 anos de serviço, não têm direito à família e a acompanhar a vida dos seus filhos tal como a maioria dos cidadãos deste país? Será que estes professores nesta situação de desterro têm condições mínimas para exercer a sua profissão? Por favor não nos responda que tudo foi feito "a bem da nação" ! A nação que nós defendemos é constituída por cidadãos com direitos e deveres, e na situação presente a sua equipa sonegou direitos aos professores QE auto-designados desterrados. Esta é uma nódoa da sua responsabilidade e isso nós não esqueceremos.
Os nossos cumprimentos,
MQED - Movimento Quadros de Escola Dessterrados

Fer_Nan disse...

Pois é Sr. Tonibler
Não respondeu ás minhas perguntas.
E claro não percebo qual a sua admiração! tem que pagar os seus impostos sim, e se quiser ter os seus filhos num colégio privado, SIM tem que pagar também a respectiva mensalidade. obvio.
Já agora gostaria de saber se vc aguentaria, já lá vão 10 anos, andar a pagar para poder exercer a sua profissão?
- Claro que não, eu e muitos como eu andamos a trabalhar pura e simplesmente para tentar que os nossos alunos venham a ser se possível muito melhores que todos nós, sim, porque a culpa de estarmos mal é de TODOS NÓS e não só dos professores (políticos claro, mentirosos ainda por cima, ninguém me disse eu ouvi, o Sr. PM, dizer num dos famosos debates, jurar a pés juntos, que não iria aumentar os impostos, bom mas como nós somos uma cambada de idiotas, 21% de IVA é menos que 19%, claro).
Você concordaria com certeza que o seu patrão chega-se ao pé de si e lhe disse-se, Sr. Tonibler, vá comprar papel para as impressoras que não temos, e a tinta Sr. Tonibler traga tinta que tb não há. Etc…
Aguentava isso anos a fio? Chegar ao fim do mês com a consciência de dever cumprido mas sem um “Chavo de euro” no bolso?.
PENSE e depois diga alguma coisa, mas de útil.
Abraço.

Tonibler disse...

Caro Fer_Nan,

Respondi às perguntas que achei relevantes e esclareci o que queria dizer. Se o esclarecimento não respondeu a todas, terei todo o prazer de lhe responder.

Mas diga-me, Fer_nan, daquilo que me diz que, infelizmente, sei que acontece consigo e com muito mais gente, o que é razoável? Alguma dessas situações lhe parece minimamente aceitável? Naquilo que é a sua situação, o que é que resultou do interesse da educação dos alunos?
Deixe-me dar-lhe a minha opinião: A sua situação não é minimamente razoável, ou sequer aceitável e NADA resultou do interesse da educação dos alunos. A sua situação resulta unicamente de se ter feito de um meio, a colocação de professores, um fim. E isto só acontece porque o estado é, simultaneamente, empregador, consumidor, controlador, investidor,...Faz a festa, manda os foguetes, vai buscar as canas...
Pergunta-me se aguentaria. Claro que não. Nem eu, nem ninguém. Mas é admissível tal situação onde quer que seja? Das duas, uma. Ou o posto de trabalho existe, ou não existe. Se não existe, certamente já tinha resolvido a sua vida de qualquer forma. Em 10 anos já tinha tirado outro curso e já estava com a vida estabilizada.

Claro que a culpa é de todos nós, ou não estivessemos a falar de um sistema público de ensino. Agora, ou assumimos que 'nós' sabemos resolver o problema, ou assumimos que 'nós' somos incompetentes para o resolver. E o problema é maus resultados, não é o seu problema. Porque o 'nós' vive bem com o seu problema, senão não estava nessa situação.
O 'nós' está para resolver o problema há 30 anos. Já se aumentou os professores, já se formou professores, já se fez quadros disto e daquilo, já se refez e reformou, já se fez de tudo. Resolveu alguma coisa? Não. Os resultados são cada vez piores.

Por mim, fecha. Já chega. Está na altura de assumir que o 'nós' é incompetente para tomar conta do problema (e razões, há 10 milhões delas..) e pagar a quem o saiba resolver. Para isso, 'vendo' as escolas, com edifício e professores. Pego nos meus impostos, divido pelos número de alunos e chegos aos pais e digo: 'Escolha uma escola, a melhor que arranjar, que eu pago. Se o rapazinho não se safar eu não pago.'(no extremo) O dinheiro é o mesmo, os problemas é que são diferentes.
É claro que numa situação destas, maus professores podem dedicar-se à pesca. Problemas de colocações acabam de vez, porque quem escolhe são as escolas. Problemas de quadros disto e daquilo, fim.

Mas como o 'eu' não é o 'nós', parece que o 'nós' ainda está disposto a viver mais uns tempos como estamos. E agora diga-me, Fer_Nan, e você?

ana disse...

Exmo. Dr. David Justino,

Endereço-lhe este pedido de ajuda porque passados quatro meses após o envio de um documento (assinado por mim e por outro colega), pedindo um esclarecimento sobre uma prioridade do Concurso de Professores ao Ministério da Educação, documento que entretanto passou para a Secretaria de Estado da Educação e finalmente para a Direcção Geral dos Recursos Humanos em Educação, apenas temos a promessa não cumprida de duas reuniões, após várias idas sem sucesso à sede deste último organismo.
Talvez seja importante que se saiba da existência de outro motivo pelo qual muitos professores se sente desmotivados e traídos nas suas aspirações profissionais, para além daqueles que enunciou.
Eu e muitos colegas na mesma circunstância somos professores contratados 2ºCiclo do Ensino Básico. Ao longo dos últimos anos temos concorrido aos concursos para selecção e recrutamento do pessoal docente organizados pelo Ministério da Educação, tendo vindo a ser – sucessivamente – contratados anualmente para exercer funções docentes num determinado estabelecimento de ensino. Isto apesar de terem sempre concorrido ao concurso externo para provimento nos QE’s ou nos QZP’s que apresentaram vagas disponíveis.
Como sabe, o concurso de professores seria os candidatos, para cada grupo disciplinar numa lista ordenada (interno e externo), baseada na graduação profissional dos candidatos, contudo o enquadramento legal que assiste este concurso, permite um fenómeno que tem pervertido o seu justo espírito. Assim, o Ministério da Educação (ME) efectiva nos seus quadros (QZP e QE) professores que embora tenham a mesma habilitação profissional, apresentam graduação profissional inferior!
Como pode isto acontecer?
O mecanismo da 4.ª prioridade do concurso interno, se foi pensado para beneficiar casos excepcionais de pessoas que pretendiam mudar de ciclo como opção consciente e séria, não deveria servir como “furo” para uma progressão de carreira à margem das mais elementares regras de igualdade e justiça concursal que o Estado deveria observar. Mas permite!
Muitos professores que pretendem efectivar-se no QZP ou no QE do 2º Ciclo, sabem que, para tal, têm de esperar longos anos até o conseguir. E, durante estes anos, no máximo, conseguirão obter por concurso sucessivos vínculos contratuais anuais para poder leccionar. Então, que fazem? Concorrem não ao 2º Ciclo (onde de facto pretendem leccionar) mas sim ao 1º Ciclo, para o qual também possuem habilitação (também tenho habilitação para o fazer mas reconheço que a minha formação inicial não me dá competência – ver programas curriculares cursos professores 2ºCiclo nas diferentes variantes). Como o quadro do 1º Ciclo se encontra com maior facilidade de efectivação, é fácil a esses professores conseguir uma efectivação imediata no QZP desse mesmo primeiro ciclo. Ficam então estes professores um ano a leccionar no 1º Ciclo. Contudo, não sendo isso o que de facto pretendem, concorrem, no concurso imediatamente seguinte, ao 2º Ciclo. Ora, nos termos do mecanismo de concurso, estes professores vão então concorrer na 4.ª prioridade do concurso interno. Ou seja, passam à frente de todos os professores que, com a mesma habilitação profissional e com graduação profissional muito superior, leccionam há vários anos no 2º Ciclo e nele pretendem efectivar (muitos deles a exercer cargos de gestão escolar e outros com cursos de pós-graduação nos vários domínios científicos em que leccionam).
A análise atenta das listas de candidatos aos concursos permite observar um fenómeno no mínimo estranho, um professor passa de uma situação de contratado no 2º Ciclo para o QZP do 1º Ciclo no concurso de 2004/2005 e obtido um lugar de QE no 2º Ciclo no presente concurso de 2005/2006, isto é, o Estado, por via das regras que criou, opta por efectivar professores que possuem graduação inferior sem que se analise as suas intenções e os compromissos. Quer isto dizer que se tratam de professores com menos anos de serviço ou com uma classificação de licenciatura inferior. Teoricamente, portanto, professores pior qualificados face àqueles que, com a mesma habilitação, leccionam há anos como contratados no 2º Ciclo.
A condição docente é pois tão mal compreendida que o ME nem questiona o compromisso profissional destes professores na medida que a efectividade acarreta responsabilidades que se justificam. E embora questionado sobre a situação o ME não alegou até hoje os motivos pelos quais os professores mais graduados são preteridos.
São centenas os professores que já aproveitaram este “esquema carreirista” e os que se preparam para o fazer no próximo concurso de professores a não ser que a lei seja alterada. Consequentemente são centenas os professores penalizados por este esquema e que em absoluto rejeitam utilizá-lo (há grupos disciplinares do 2ºCiclo onde só efectivaram candidatos vindos do 1ºCiclo nestes dois últimos anos). São também vítimas os alunos que frequentam o 1ºCiclo pois o professor, nestas circunstâncias, tenderá a não investir profissionalmente num ciclo onde não deseja permanecer nem desenvolver a sua carreira mas também os alunos do 2ºCiclo porque os professores com maior experiência e graduação profissional são preterido.
Este é principal motivo do meu desencanto, não percebo porque sou preterida se tenho maior graduação profissional do que a maioria dos professores que efectivaram no meu grupo disciplinar, nos últimos dois anos (será porque não vou fazer uma passagem de um ano ao primeiro ciclo?!). Pode ajudar-me?

ppppa disse...

Meus caros Senhores Tonibler(es) deste pequeno País.
Como podemos comentar o ensino se entendemos a escola como fábrica de bons alunos?
-A Escola serve toda uma Comunidade Educativa e não apenas os alunos. (dêem-me a possibilidade de formar os Pais e...)
Como podemos classificar os professores de pouco competentes?
- Nunca o Sistema de Ensino Português contou com técnicos superiores tão qualificados, (normalmente conhecidos por professores ou prof’s).
(Ou não se lembra dos seus/meus professores, muitos deles alunos pré-universitários, em ano de serviço cívico, com o 11º ano?)
Como pode um sistema sobreviver se permite que professores doutorados estejam desempregados (pois não contamos o tempo que leccionaram no ensino superior, para efeitos de concurso no ensino não superior) e sejam preteridos por professores menos qualificados mas com mais um dia de serviço?
Como pode um sistema sobreviver se licenciamos (por decreto) pessoas com o 9º ano mais um ou dois anos e uma ou outra curta actualização, e depois os colocamos no último escalão?
Como pode um sistema sobreviver, se permitimos que professores, a um ou dois anos da reforma, optem por um mestrado (sem utilidade prática para a sua profissão pois quando terminarem já estarão reformados).
Como pode um sistema sobreviver se temos uma carreira única que permitimos que professores profissionalizados, de licenciaturas via ensino tivessem sido preteridos em prol de agentes técnicos (usualmente conhecidos por Sr.s Engenheiros) só porque estes últimos têm mais tempo de serviço (e uma formação com menos dois anos)?
Como pode um sistema sobreviver se colocamos os seus professores, alegadamente em trabalho de escola da sua componente não lectiva, em salas de aulas com actividades lectivas? Quem trabalha para a Escola? Serão as paredes auto-suficientes?
Como pode um sistema sobreviver se atulhamos as escolas de computadores e negamos uma única horita a um qualquer professor para a sua gestão e manutenção?
Como podemos criar actividades de complemento curricular em escolas com 18 turmas e 17+1/2 salas de aulas?

Como pode um País sobreviver se temos uma das menores percentagens de pessoas licenciadas, mestres ou doutoradas da Europa e paradoxalmente uma das maiores percentagens destes técnicos superiores desempregados?
O que me dizem a isto os Senhores Empresários?

Fer_Nan disse...

Caro tonibler,

Com certeza que nós com mais umas trocas de impressão até que chegaríamos a um entendimento de opiniões, bom mas tb temos que dar a vez a outros.
Só lhe queria responder ao facto de quem não está bem, muda,; claro era o que me apetecia fazer, mas será que posso?
Primeiro já não tenho idade para voltar a ser sustentado pelos pais, Segundo, tirar um novo curso, claro, mas quem mo paga?, Nas terrinhas por onde eu tenho andado, as universidades ficam no mínimo a 150/200/ km. Terceiro acho que 90% dos professores lhes apetecia fazer o mesmo e os alunos? como ficariam. Claro que há aqueles 10% que estão bem, muito bem mesmo no ensino, diria eu k se calhar bem de mais, como em todas as profissões.
- Depois ainda gostaria de ver alguém, que viesse provar que o ensino está assim tão mal como o pintam, retenções de 3,4% por turma é assim tão mau?.
Mau está mas com certeza que não é para os alunos.
Só para dar um exemplo, à dois anos fomos em conselho de turma, quase obrigatóriamente aconselhados a transitar de ano um aluno só porque a mãe escreveu para uma Direcção Regional de Educação, uma carta cheia de erros, dizendo que não queria que o filho dela ficasse igual à ela, e na tal carta prometia que no ano seguinte acompanharia o filho mais assiduamente, até que, lhe arranjaria explicações naquelas disciplinas que revelasse mais dificuldades, sendo assim eles acharam que o miudo devia transitar.(Eu fui a esse conselho de turma, e já nem era funcionário do estado, 31 de Agosto fico no desemprego, todos os anos, e a dita reunião já se deu a 3 ou 4 de Setembro)
- Será que ao passar de ano esse aluno, o estamos a ajudar? Tenho as minhas dúvidas, mas ordens são ordens, só a titulo de curiosidade no ano seguinte a dita mão compareceu uma única vez na escola, ultimo período a meter um recurso...
Já agora à dois anos atrás vejam quem era o ministro da educação(todos iguais, todos “diferentes”!!!)
Um Abraço.

David Justino disse...

Meu caro Fer_Nan
" dois anos" o Ministro da Educação era este seu co-frequentador de blog e confesso que não percebo o sentido da sua insinuação. A não ser que considere razoável a ideia de que um Ministro tem que ser responsável e ter conhecimento de todos os actos da administração educativa.
Se existiu de facto uma pressão por parte da Direcção Regional para fazer transitar um aluno que deveria ficar retido, o que o Fer_Nan deveria ter feito era manter a avaliação justa que tinha realizado e se essa posição não fosse suficiente comunicar ao Gabinete do Ministro a inadmissível pressão. Nessa altura o tal que era Ministro " dois anos" poderia exercer a sua autoridade e competências chamando a atenção do respectivo Director Regional.
Passados dois anos, retomar essa conversa neste espaço de debate público só pode constituir uma expressão de má-vontade que eu não acredito que seja genuína.
Meu caro Fer_Nan ponha o "h" onde ele deve estar, elimine o "atrás" que não está lá (na frase) a fazer nada (pleonasmo) e trate de não dar argumentos aos que justa ou injustamente criticam os professores pos todos os males da educação.
Os melhores cumprimentos e respeitos

Para a Ana,
compreendi o seu problema e julgo que tem alguma razão. Não há modelos perfeitos e a experiência é geralmente boa conselheira.
Estando afastado de tudo o que administração educativa e remetido em exclusivo à minha profissão de professor, vou tentar que o seu testemunho chegue a mãos responsáveis.
Os melhores cumprimentos
David Justino

David Justino disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Bulnes disse...

Prof. David Justino,

Não sei se já viu o fórum que tem decorrido no portal EDUCARE, em http://www.educare.pt/artigo_novo.asp?fich=ESP_20051012_523; não sei se já viu também a petição que tem estado a decorrer online em http://www.petitiononline.com/profspor/petition.html e que conta já com perto de 2500 assinaturas; não sei se também viu o artigo de António J. Branco sobre "A Amargura do Pessoal Docente", em http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=50&id_news=198676. Acabando de ler a sua resposta à colega Ana (e esperando que efectivamente consiga ajudá-la) ... creio não ser despropositado solicitar-lhe também, em nome pelo menos dos 2500 professores que já assinaram aquela petição (que obviamente já assinei) e dos muitos milhares de outros professores que se sentem humilhados, ofendidos, vilipendiados, ultrajados pela actual equipa ministerial (para além de abandonados pela maioria dos sindicatos), solicitar-lhe também, dizia eu, que tente usar a sua influência para "iluminar" a visão obtusa dos actuais responsáveis pelo Ministério da Educação. A classe docente, e, principalmente, a qualidade do Ensino neste país ficar-lhe-iam eternamente gratos.


A todos os intervenientes e a todos os que, mesmo não intervindo, por aqui têm passado:

A FENPROF, FNE e SINDEP anunciaram ontem a realização de uma greve nacional dos educadores e professores no próximo dia 18 de Novembro. Quero aqui expressar desde já, e sei que o faço em nome de uma larga maioria de professores, que NÃO CONCORDAMOS COM GREVES À 6ª FEIRA, isoladas, marcadas apenas "porque sim", que penalizam financeiramente os professores sem para nada servirem que não seja, tão só e apenas ... poupar dinheiro ao estado. Não, minto, também servem para alimentar a (má) imagem que a opinião pública tem da classe, para "acicatar" os 'Toniblers' deste país.

David Justino disse...

Meu caro Bulnes,
quero antes de mais agradecer os endereços que entendeu por bem sugerir-me. Já lá fui. O que lhe posso dizer?
Que concordo com o fundamental do que lá está (fazendo por esquecer alguma acrimónia de certos comentários mais exaltados).
Que encontrei lá muitos nomes de professores por quem tenho a mais profunda admiração como pessoas e profissionais.
Que acho correctíssima e justificada a indignação com que receberam a marcação de mais uma greve de professores para uma sexta-feira (este tipo de actuação sindical já o havia denunciado neste blog e neste "post").
Que não quero dizer mais nada para que não me acusem de "oportunismo político" nem de "andar a atirar achas para a fogueira".
Que apenas desejo que este mau momento seja superado porque com este tipo de clima dificilmente chegamos onde todos queremos chegar.
Não espere de mim que "ilumine" seja o que for. O meu papel neste momento é o de desempenhar bem o meu papel de professor (não imaginam o "gozo" de voltar a dar aulas ao fim de seis anos) e de aproveitar este blog para partilhar ideias e preocupações sobre os problemas deste país.
Um último conselho: não deixem que a emotividade e alguns exageros linguísticos vos retire a razão.
Os melhores cumprimentos.

David Justino disse...

Erro de concordância na penúltima frase: "... vos retirem a razão".

Tonibler disse...

Caro ppppa,

No dia em que a escola conseguir atingir o ponto em que falarmos dela como uma fábricas de médios alunos, então falemos de fábricas de bons alunos e, depois, de fábricas de excelentes alunos. Sirvam os alunos, é para isso que existem. De resto, só confirma a minha convicção de que o estado português é incapaz de produzir educação. Mas se me puder mostrar que os resultados dos alunos com professores com o 9º ano são piores que os resultados dos alunos com professores super-ratos-da-barbatana, concordo consigo. É isto que interessa, o resto são detalhes administrativos que o cidadão não tem nada que ver com isso.
E respondendo-lhe como empresário que, por acaso, só contrata pessoas graduadas, se esses técnicos superiores estão desempregados foi porque ninguém lhes encontrou utilidade, como é óbvio. As razões para isso dava um tratado.

Caro Fer_Nan,

Eu mudei de carreira com 30 anos, voltei a fazer tudo de início e passados 5 anos tinha atingido a sociedade da empresa para onde fui trabalhar. Agora, se lhe disser quantas horas trabalhei por dia, quantos dias por semana, qual o nível de conhecimento que tive que atingir em três áreas completamente diferentes...Certa, só a morte. O resto só depende de nós.
O ensino está mau porque gastamos num aluno do secundário mais que o que gastaríamos num curso de medicina dentária na Católica e quando lhes fazemos exames temos médias de 11,12,13, 9!. Isto são factos, puros e duros.

alfe disse...

Exmo. Professor David Justino,
Com a frontalidade que lhe é reconhecida seria possível comentar o post sobre a situação dos professores Quadros de Escola desterrados pelo Decreto-Lei 35/2003.
Os nossos agradecimentos,
Movimento Quadros de Escola Desterrados

David Justino disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
David Justino disse...

Meu caro Alfe,
para ser honesto e rigoroso julgo que, por enquanto, não devo ir mais além da resposta que dei "acima" ao comentário da Ana. Sei que o ME tem preparadas algumas alterações ao modelo de concursos, pelo que deveremos aguardar o que daí vier. Compreendendo a posição destes professores, será bom não confundirmos a árvore com a floresta, correndo o risco de voltarmos à "vergonha" do modelo anterior.

ET disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
ET disse...

Exmo. Sr. Professor David Justino,
Importa-se de ser mais claro na sua resposta ao Alfe?
Eu não percebi...
Porque razão me impediu de me aproximar da minha residência?
A troco de quê fui eu obrigada a deixar para trás a minha filha, de 9 anos, entregue a amigos e que passei a ver só aos fins de semana?
Que estado é este que cria "Comissões de Protecção de Menores" e permite que o seu próprio Ministério da Educação coloque estas crianças em risco?

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
João Manuel Fragoso (psicólogo clínico) disse...

Professor David Justino:

Dirigimo-nos ao senhor porque o conhecemos como pessoa sensata que se propôs criar e colaborar num ‘blog’ sério onde pessoas sérias discutissem seriamente assuntos igualmente sérios.
A questão da educação é uma questão demasiado séria para ser tratada a brincar ou levianamente.
Sendo o ‘blog’ um espaço aberto, as opiniões podem vir dos mais diversos quadrantes e serem as mais diversas.
Desapaixonadamente e sem pretensões outras que não sejam as de manter a seriedade no assunto detivemo-nos a examinar as intervenções de uma pessoa que assina com o nome Tonibler, dado nos parecerem demasiado bizarras, levantando a ira de muitos que posteriormente se manifestaram. Procurámos outros ‘blogs’ onde esse jovem senhor colocou as suas opiniões, incluindo um, por ele administrado. Aí, ele, com ironia estridente, se gabava de ter provocado a ira dos professores com as suas intervenções de natureza provocatória.
Esse jovem senhor menosprezou a capacidade de quem é capaz de penetrar nos domínios da Internet até descobrir a real identidade de quem se esconde anonimamente por detrás de um nome. É que, se professores existem no ensino dito ‘não superior’ que pouco mais possuem do que o 12º ano, outros existem que possuem doutoramento em conceituadas universidades e trabalham com excelência no domínio que conhecem. Esse senhor pensou que se esconderia indefinidamente atrás do anonimato para ofender e provocar os outros. ENGANOU-SE. Sabemos quem ele é, onde mora e o que faz. Não o divulgaremos publicamente (por enquanto) porque poderá acontecer que um grupo de professores mais radicais, a quem ele acicatou a ira, possam perder a cabeça.
Ao sentir-se descoberto retirou de imediato (cerca das 00:30 do dia 05/11/2005) um ‘post’ que acabava de colocar no seu ‘blog’ (intitulado Tonibler) no qual agredia grosseiramente os professores.
Desde já esclarecemos que se trata de pessoa mentalmente perturbada, com tendências esquizóides, que vê o mundo como potencialmente agressivo e como tal reage. As suas intervenções aqui neste ‘blog’ (e nos outros onde coloca ‘posts’) têm, para ele, um efeito terapêutico. Algo semelhante a uma catarse onde sua agressividade contida é parcialmente descarregada. Os desvios de personalidade que apresenta produzem-lhe manifestações do foro fisiológico que fazem com que ele seja sexualmente desajustado. A sua patologia, por não terem sido devidamente tratada, impelem-no compulsivamente para o comportamento que temos vindo a descrever.
Solicitamos que, se o Professor David Justino pretende manter o nível deste ‘blog’, retire posteriores comunicações deste jovem perturbado e deixe este espaço livre aberto a quem realmente está interessado na questão em apreço.

Um abraço deste seu amigo.

David Justino disse...

Meu caro João Manuel Fragoso,
a única vez que retirei (como administrador deste blog) um comentário fi-lo por "excessos" de má educação na linguagem utilizada. Não conheço a identidade da maior parte dos comentadores deste blog, tal como não conheço a identidade de Tonibler. Apenas nos interessa que o Quarta República se afirme como espaço virtual de reflexão e discussão cívica em que a liberdade de opinião é princípio inalienável.
Por estas razões nunca poderia aceder ao seu pedido. Julgo que o propósito do seu comentário nem é propriamente o pedido que formulou, mas sim poder escrever o que escreveu.
Pelas mesmas razões que invocou teria todo o sentido "apagar" o seu comentário: entra claramente no ataque pessoal. Mas não o farei!

João Manuel Fragoso (psicólogo clínico) disse...

Não retiro uma única palavra acerca do que disse a respeito desse jovem senhor que assina Tonibler. E não o faço porque sei o que digo. É uma questão do foro da minha especialidade.

Intervi no seu blog porque nunca vi a minha mulher tão desanimada. Ela que é professora, POR VOCAÇÃO, no Ensino Secundário há mais de 30 anos.

Quanto à sua política a respeito de manter os conteúdos que lhe enviam para o ‘blog’, independentemente da ideologia que lhes está subjacente, apenas lhe conto este caso real que o Sr. poderá confirmar:
Reunido com um grupo de amigos apostei com eles em como era capaz de introduzir no ‘blog’ do José Magalhães, na altura intitulado ‘blogs parlamentares – chegaram tarde, mas chagaram’, um texto cheio de floreados, mas de essência nazi e xenófoba.
Ao contrário do que esperavam os meus companheiros, que acreditavam na capacidade crítica do Zé Magalhães esse texto veio imediatamente publicado até ao momento em que o referido ‘blog’ foi completamente boicotado e aniquilado (se tem dúvidas, pergunte-lhe aí no Parlamento).
O que estamos pretendendo unicamente dizer-lhe é o seguinte: se o Sr deixa passar textos de conteúdo primário como os do jovem Tonibler (QUE CONHECEMOS JÁ!), então, em pouco tempo, o seu ‘blog’, bem intencionado, esfuma-se.
E com isto me despeço, não voltando mais a intervir.
Cumprimentos.

alfe disse...

Exmo. Prof. David Justino, só agora venho comentar a sua resposta à mensagem sobre os professores QE desterrados. Diz o senhor que compreende a situação destes professores e que esperaria para ver o que faria a actual equipa do ME em relação a este problema.
Pois já temos um memorando sobre a revisão do Dec. Lei 35/2003 (decreto da sua responsabilidade e que ocasionou o desterro de milhares de docentes, lesando direitos e desrespeitando a lista Ordenada Nacional). O que consta deste memorando para rever o referido decreto (e desconhecendo-se como tecnicamente vai ser operacionalizado)não assume de forma clara a reparação da injustiça cometida (sem hipocrisia qualquer especialista da temática de concursos reconhece essa injustiça).
Assim, permita-me que cite a sua metáfora "da árvore e da floresta" para lhe dizer: como podemos ter uma boa floresta se não cuidamos da árvores que são as unidades da floresta. Como podemos ter um bom concurso de professores se entretanto são maltratadas as árvores (neste caso aplique-se professores). Poderiamos continuar a explorar por este ponto de vista a citada metáfora para se concluir:
se temos má educação e ensino (entenda-se a floresta) é porque não temos sabido cuidar dos professores, educadores e alunos (as árvores da aludida floresta).

Cumprimentos,
MQED-Movimento Quadros de Escola Desterrados