Número total de visualizações de página

quinta-feira, 6 de outubro de 2005

Final de campanha

Em fim de campanha é essencial dar o braço a torcer - aprende-se muito nestas andanças pelos concelhos, mesmo que muito desse tempo e desse esforço nos pareçam exagerados. A realidade do terreno, os casos concretos, os relatos dos que se envolvem nos projectos e os realizam, fazem muitas vezes parecer ridículos e enfatuados os discursos dos que são ouvidos. Sim, porque são quase sempre os mesmos que são ouvidos, sejam da oposição ou do Governo, são os protagonistas políticos que servem sempre de filtro à realidade das coisas. E, no entanto, visitar uma instituição que se dedica aos reformados e idosos de uma freguesia perdida no meio dos montes; ou ver o trabalho notável de integração social de jovens de bairros de realojamento, prevenindo o que devia ser óbvio mas que não contou quando se decidiu no papel e se fez a cerimónia de entrega de chaves pela televisão; ou dar com piscinas municipais onde se investiram milhares de contos votadas ao abandono, pouco depois dos foguetes e louvores da inauguração; e ouvir prometer mais e melhores piscinas onde não há sequer saneamento básico; ou, ou, ou... seria sem dúvida muito mais interessante e esclarecedor sobre as misérias e tesouros do nosso país. Se calhar não havia tanto pessimismo. Se calhar não se tolerava tanto desleixo. Se calhar os bons exemplos eram mais do que os maus, que nos são apontados até à exaustão. E, se calhar, dava-se um pouco de estímulo aos que fazem, se preocupam, se agregam por uma razão que os mobiliza.
Talvez se criasse um novo interesse pela política se se mostrasse mais a realidade e se falasse menos de teorias.

7 comentários:

Pinho Cardão disse...

Como tem razão, cara Suzana!...
A realidade vista no terreno, fora dos gabinetes e dos círculos em que estamos integrados, é completamente distinta.
E as palavras dos discursos políticos não "colam" com essa realidade.
Sinto isso todas as vezes em que vou à minha terra...sim, porque eu tenho terra!..., e lá ouço o telejornal.
Aí, muitos discursos dos políticos tornam-se inintelegíveis, parecendo dirigir-se a gentes de alguma galáxia bem longínqua!...
E agora um reparo, cara Suzana.
O título da sua Nota é "Final de Campanha".
Não, a campanha ainda não terminou: falta um dia e algumas horas!...
A minha amiga ainda tem que dar ao dedo!...E Loures merece uma Presidente da Assembleia chamada Suzana Toscano!
E eu incharei de orgulho e farei sensação, quando, na próxima 2ª feira, puder dizer aos meus amigos: conheço e sou amigo da Presidente da Assembleia Municipal de Loures!...
Portanto, ao trabalho!...

crack disse...

Cara Suzana Toscano
Permita-me que faça minhas as palavras do comentário de Pinho Cardão que lhe são dirigidas. Também eu gostarei de poder dizer quanto admiro a Presidente da Assembleia Municipal de Loures. Ao trabalho.

Anthrax disse...

Ao trabalho! Vá, vá, tudo a andar!

E quando for Presidente da Assembleia, lembre-se de uma coisa; a teoria não lhe servirá de nada se não tiver a capacidade de implementação.

Vai tudo correr bem.

O Reformista disse...

Aos amigos da IV República que vão a votos, os votos dos melhores resultados.
António Alvim

Suzana Toscano disse...

Meus caros amigos, é muito bem vindo esse vosso suplemento de alento para o último dia de campanha!E, depois de vos ler, já nem me lembro das vezes que hesitei ou que preferia desistir. Agora só me lembro dos momentos de alegre convivência, de hostilidades transformadas em companheirismo e das pessoas a dizerem que confiam em nós. Sou eu que tenho muito orgulho em ter recebido as vossas mensagens. Boa sorte também, para os que concorrem e para os que confiam.

vascodagama disse...

A proposito dos bons exemplos que refere, deixe-me sublinhar mais um: o daqueles que apesar de tudo ainda aceitam ser candidatos.
Apesar de não vislumbrarem qualquer vantagem material e de se sujeitarem por vezes a insultos de um eleitorado amargurado consigo proprio e com o mundo e a apreciações de uma classe jornalistica muito mal preparada, aceitam candidatar-se e fazer campanha, andar de feira em feira, de lar em lar, sempre de cara alegre.

Eu não pertenço a esse grupo mas admiro sinceramente quem o consegue fazer.

Aceite por isso o meu respeito e o meu voto de um bom resultado para Domingo.

Suzana Toscano disse...

Obrigada Vacodagama, mas olhe que, se há coisa francamente compensadora em fazer campanha é vermos com os nossos olhos que ainda há muita gente com esperança em que é possível melhorarmos. Essas apreciações negativas de que fala só nos fazem realmente mal se nos deixarmos desanimar por isso.