Número total de visualizações de página

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Erro na previsão económica, sem o resultado ser conhecido?!

1. Confesso-me cada vez mais surpreendido e “cilindrado” pela superior capacidade de avaliação e interpretação do infeliz desempenho da economia portuguesa, que tem vindo a ser exibida por ilustres “opinion-makers” e pelos “media” de uma forma geral.
2. Nestes últimos dias têm-se repetido, até à saciedade, os comentários, fortemente críticos de uma forma quase universal, sobre os “erros de previsão” do Governo quanto ao desempenho da economia em 2013...
3. ...chegando mesmo um dos mais consagrados comentadores a apelidar de “uma Bomba”, os mencionados “erros de previsão “ do Governo, por ter vindo agora admitir que a economia iria contrair -2% em vez de -1%...
4. Este alarido em torno do “erro de previsão” é curioso, em 1º lugar, porque uma contracção de -2% não constitui novidade nenhuma, já em 15 de Janeiro o BdeP, no seu Boletim Económico do Inverno, havia avançado uma previsão de -1,9%...
5. ...e nessa altura, o (muito) afável líder da oposição, que não se sabe porque “carga de água” resolveu especializar-se na proclamação de banalidades e em iniciativas sem qualquer sentido útil (a fantástica carta ao FMI é um hino ao anodinismo) , veio muito oportunamente observar que o Governo se tinha “mais uma vez” enganado pelo facto de ter avançado uma (única) previsão de contracção de -1% E o BdeP prever agora -1,9%...
6. ...mas o mais curioso disto tudo é que só se poderá falar de erro de previsão – seja esta de -1% ou -2% - quando for conhecido o resultado efectivo do desempenho da economia em 2013...até lá pode falar-se de maior optimismo ou pessimismo da previsão, mas obviamente que de erro, não...é simplesmente ilógico falar em erro...
7. E, se por hipótese acabarmos o ano 2013 com um desempenho da economia melhor que qualquer dos cenários de contracção de -1% ou -2% - o que não sendo certamente o resultado mais provável, também não pode ser excluído  atendendo aos indicadores avançados que têm vindo a ser divulgados para as principais economias do Euro - “quid juris”? Teremos então mais uma “Bomba” e o afabilíssimo líder da oposição vai de novo indignar-se por tão funesto erro de previsão?

10 comentários:

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

Acha normal um governo alterar a sua previsão de do PIB de -1% para -2% no espaço de 3 meses ?

É uma demonstração da fraqueza dos modelos usados pelo M.F. que durante 20 meses erraram sempre !

Estes erros continuados seriam uma excelente razão para uma demissão do M.F. e a entrada de alguém com experiência , menos dogmático e menos teimosinho !

Seria um serviço ao país que ele fosse para bem longe.

Tavares Moreira disse...

Caro Paulo Pereira,

Não acho normal nem anormal, e, se me permite, com a devida vénia, não é isso que está em causa neste Post, mas tão somente o saber se estarmos ou não perante um "erro de previsão"...
Na minha perspectiva não há nem pode haver erro de previsão enquanto não for conhecido o resultado.
Suponha, só por exercício de treino mental, que o Governo não altera mais a previsão e se conclui, no final, que a economia contrai 1% (ou -1%, para os apreciadores de sinais negativos): como julgar, o Governo engana-se ou não na previsão?

Tonibler disse...

CAro Tavares Moreira,

Dois singelos pontos relativamente ao escândalo do erro:

A economia é um sistema crítico. Significa que, matematicamente, a previsão de certas grandezas é impossível, uma delas a segunda derivada do activo, o vulgarmente chamado crescimento económico. Fazer a previsão é o primeiro erro.

Fazer ou falhar previsões é irrelevante do ponto de vista orçamental para um governante. Se ele planear o dinheiro que gasta em função do valor económico do que entrega nunca terá défices. Deverá haver muita gente preocupada com a previsão de "receitas"(não consigo perceber como é que dinheiro que é roubado ao cidadão se chama de "receita"), um governante não deveria ser um deles.

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

Com a queda do PIB a acentuar-se no 4º Trim de 2012 e com os impostos indirectos em Jan 2013 a cairem 8% como podermos ter um PIB a cair apenas 1% ?

Pedro disse...

Car Tavares Moreira,

se alguem falou em "erro" ou "desvio" ou "falha" foram tão só o BdP e posteriormente o Ministro das Finanças...

...e tão é que o Ministro das Finanças achou por bem declarar que contrariamente ao que ele proprio tinha afirmado, afinal o 1% passou agora a 2%.

Eu não sou economista, donde se foi erro ou não , não dicuto.

Pelo que o Tavares Moreira, diz no seu post e tb nas respostas aos comentadores é que : não é erro, e até no futuro se pode confirmar que era memo 1%, etc etc.

Mas então não percebeo nada!??!?!

Se é como diz, como explica a rectificação ?
ou porque raio o Ministro das Finanças alterou a projecção ?

Afinal de contas, se como o Tavares moreira dfefende, não há erro nenhum de previsão...porque a modificarão se estaria correcta ?

(confesso que começamos a entrar no reina da ficção! muda-se a previsão apenas e só porque a mesma estava certa! é isto não é ? )

Carlos Monteiro disse...

Bem, calculo que ser o próprio ministro das finanças a anunciar o erro, seja uma irrelevancia... Já que estamos em tempo de mudar de Papa, isto é o que se chama de ser mais papista que o dito.

António Barreto disse...

Acho piada aos que entendem a economia a regra e esquadro. A quantidade e volatilidade das variáveis económicas é tal que é simplesmente patético exigir previsões à décima. Identificar tendências,atenuá-las ou acentuá-las,quantificar objetivos sim! Nada mais!

Porém; o ato do MF revela insegurança e sinceridade; parece não estar seguro dos seus métodos de trabalho e não quer enganar as pessoas.

O que aconteceu? enganou-se, enganaram-se os seus Técnicos, surgiram dados novos?

Seja como for, deveria aguardar alguns meses para confirmar a tendência e depois então, com maior precisão redefinir a projeção de crescimento para 2013.

Nada porém retira oportunidade ao post do Dr Moreira; parece que estamos no terreno da irracionalidade estriónica coletiva.

As reformas a andar é que eu quero ver, mas infelizmente, parece que, poucos as querem fazer e, sem elas...adeus democracia!

Floribundus disse...

desde o tempo do 'vidraceiro', mon ami, que a França de Mr segolène, está falida
a Itália e a Espanha, idem

por cá canta contra a Troica.

a maior parte das pessoas desconhece o que uma previsão e pensam que se trata de situação infalível ou dogma. basta olharem diariamente para a meteo, onde também há imensos factores em jogos muitos deles desconhecidos

almaiacorreia disse...

Boa noite a Todos!
Queria deixar aqui uma pequena questão, que é esta - Há revisão das previsões em França, Inglaterra, Espanha e mesmo na Alemanha, como podemos criar esta tempestade em Portugal?
Alguém me pode esclarecer?

Tavares Moreira disse...

Caro Paulo Pereira,

Poderá se-lo por outras razões, mas, pelas que o ilustre Paulo Pereira apresenta, não considero de todo impossível que o PIB venha a contrair apenas 1% em 2013...

Caro Tonibler,

Estou consigo num ponto: a expressão "receita fiscal" deixou de fazer qq sentido...em minha opinião, que espero mereça a sua concordância, será bem mais adequado aos tempos que correm usar em "saque fiscal"...
Quanto ao resto, não serei eu a contradizer um ilustre matemático...

Caro Pedro,

Compreendo perfeitamente a sua dúvida no meio de tamanha confusão! O que eu quero dizer, neste Post, é que o único critério válido para aferir se uma previsão está ou não errada é contrasta-la com o resultado...
Uma vez que o resultado é ainda desconhecido, não temos como saber se a previsão está certa ou errada...
Só, evidentemente, os formidáveis políticos e comentadores da nossa praça têm o dom de ver tão ao longe que já conseguem afirmar, mesmo sem conhecer o resultado, que a previsão errou!

Caro Carlos Monteiro,

O Ministro das Finanças não anunciou nehum erro, o que fez foi uma previsão diferente - para pior - da que tinha feito antes...
Veremos, no fim do ano, qual delas está mais certa ou mais errada!
O seu "bias" bloquista - perdoar-me-á o aparte - é bastante para o desculpar deste lapso...não se preocupe!

Caro António Barreto,

É muita bondade, parece-me, admitir que estes opinion makers "entendem" a economia a régua e esquadro...suspeito que se lhes metessem uma régua e um esquadro nas mãos ver-se-iam em palpos de aranha para os manipular a preceito...
Mas estou de acordo consigo quando afirma que houve precipitação da parte do Ministro das Finanças em alterar a previsão neste contexto de enorme incerteza...não ganha nada com isso, a menos que esteja muito convencido que o resultado final vai ser melhor do que esta nova previsão aponta...mas não sei!

Caro Floribundus,

Uma boa observação, os meteorologistas, com todos os meis que dispões, por satélite e outros para fazerem a previsão do tempo, enganam-se talvez 52 vezes por ano!

Caro almaiacorreia,

Também uma boa observação! Só em Portugal é que a alteração de previsões económicas causa todo este alarido...
Somos um País de grandes sábios e de grandes certezas - e duma coisa poderemos estar bem certos, com esta confusão erm que estamos vivendo não vamos a lado nenhum como o António Barreto deixou bem claro!