Número total de visualizações de página

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Estado Irreformável ou, antes, Estado de Negação?

1. O episódio da abortada criação de uma Comissão Parlamentar “ad-hoc” para acompanhar o processo da celebrada “reforma do Estado”, para além do saboroso pitoresco que o rodeou, revela, a meu juízo, o estado de verdadeira negação em que grande parte da classe política (e não só)se encontra convictamente mergulhada.
2. Devo confessar que não esperava grande coisa (se alguma) da referida Comissão que, em matéria de produção de utilidades deveria tornar-se um perigoso concorrente do Conselho de Finanças Públicas, ambos esgrimindo forças para saber quem consegue fazer menos em mais tempo...
3. ...a questão não está pois na expectativa gorada quanto ao trabalho da Comissão, mas antes na superior argumentação utilizada para questionar o mandato da referida Comissão e, consequentemente, na bondade das razões que determinaram o seu óbito em pleno nascimento...
4. Em cima dos destroços do malogrado relatório técnico do FMI para a reforma da despesa pública, a vitoriosa classe política mais cultivada, apoiada por um confortável elenco de grandes pensadores e pela generalidade dos “media”, desenvolveu a patriótica ideia de que a Reforma do Estado constitui um PROJECTO de nível transcendente, que não pode ser confundido e muito menos conspurcado pela discussão da questão menor que é a redução da despesa pública...
5. ...PROJECTO esse que, pela superioridade dos seus desígnios, deve ser promovido sem pressão, em ambiente tão esterilizado quanto possível, dando espaço e tempo para que as cabeças pensantes produzam elevadas divagações em torno do tema, para deleite de assistências arrebatadas pelo brilho oratório dos participantes e pelas propostas "arrojadas" que apresentarão (só se lamentando já não ser possível contar com as preciosas achegas de ARTUR)...
6. ...merecendo particular repúdio dessa respeitável elite a ideia macabra de uma redução de € 4 mil milhões na despesa pública, com tão inevitável como reprovável incidência no Estado assistencialista: mas que horror, isso é receita do FMI, da Troika mais “escura” e neo-liberal!
7. Enquanto este espectáculo empolgante prossegue, o País vai agonizando sob uma carga fiscal sufocante mas indispensável para alimentar o impossível Estado: mais empresas vão encerrando, o desemprego vai subindo e rompendo os fantasiosos “objectivos” definidos oficialmente, a caça à receita fiscal atinge quase o paroxismo...
8. ...enquanto aquela elite bem pensante e majestaticamente reformista, que em boa verdade tenta preservar “à outrance” o mesmo Estado, com todos os encargos que nos impõe, vai exibindo publicamente a sua mais sofrida indignação contra este cortejo de consequências, num exercício de ignorância/cinismo difícil de descrever...
9. Estado Irreformável, provavelmente, mas talvez antes disso um Estado de Negação que arrasta o País, irresponsavelmente, para um “social cliff” do qual ninguém sairá sem sérios danos...

10 comentários:

Roberto Rensenbrink disse...

«... “social cliff” do qual ninguém sairá sem sérios danos...».

Tenho um anúncio para si: há «sérios danos» por todo o lado; os senhores é que não têm consciência cabal deles porque continuam na vossa concha, na qual estes «danos» nunca penetrarão.

Lá voltamos novamente ao Eça, ou, se preferirem, João da Ega: «Portugal é Lisboa. O resto é paisagem.»

Tonibler disse...

Estado morto, pode já começar-se a planear as exéquias. A verdade é que a comissão era inútil porque reforma nenhuma que envolva a redução da renda e respectivos rendistas passará algum dia em Belém (Delenda!). Não vale a pena estar a pensar que existe um governo para cortar na despesa porque é mentira. Há um PR que embirrou que vai apagar a luz e a lei dá-lhe o poder para isso.

A verdade é que o "tempo de decaimento do estado português", a avaliar pelos alertas do acompanhamento orçamental (eu tinha dito que era com as contas do primeiro trimestre, afinal o primeiro mês chega) é inferior ao horizonte do mandato do PR. Portanto, encomende-se a alma...

Vendo do lado positivo, haverá reforma maior que acabar?

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Dr. Tavares Moreira
O mais grave de tudo é a falta de confiança em que o país está mergulhado. E sem ela o futuro é sombrio. Quem é que investe sem confiança? Quem é que poupa sem confiança? Quem é que consome sem confiança? Quem é que trabalha sem confiança? A lista poderia continuar…

Floribundus disse...

a ar não passa dum circo ambulante com palhaços que se riem uns dos outros

Tavares Moreira disse...

Genial anúncio, ilustre Rensenbrink, verdadeiramente genial! O País está finalmente salvo, graças a esse anúncio!

Caro Tonibler,

Ressalvando a Delenda~- ou por causa da dita - admito que esteja a colocar-se cada vez numa postura ultra-nihilista e depois fica sem recuo...sugiro, se quiser, um pouco mais de abertura para soluções, não-óptimas certamente, mas que podem minimizar o problema...
Quanto ao Estado e a impossibilidade da sua insubsistência nos moldes correntes, estamos basicamente de acordo...

Cara Margarida,

Pois, pois a confiança...e como é que ela se gera,será com colóquios muito distintos, a discutir de modo infindável, sem possibilidade lógica de chegar a acordo, a fantástica Reforma do Estado com a liminar exclusão de cortes na despesa, porque são trabalho sujo?!
Por esse caminho, e na minha opinião, nunca mais lá chegamos...ou melhor, estaremos cada vez mais longe!

Floribundus,

Essa caricatura até pode estar a uma "touching distance" da realidade...mas que nos adiantam considerações desse jaez?

Tonibler disse...

Caro Tavares Moreira, se há coisa que não me incomoda minimamente é recuar. De frente, bem entendido... Aliás, estou sempre à espera disso em cada corte anunciado, cada relatório do FMI, cada reforma que se deita cá para fora. Mas no primeiro instante que o jornalista põe um microfone à frente do homem sabemos que vai destruir toda a intenção do governo. Por isso, na realidade, este governo é uma mentira, ele não existe para cumprir com o mandato popular conforme exige a constituição, existe para cumprir com os desejos pessoais daquele que usurpou a garantia do seu cumprimento. Por isso, feche-se!
Agora, se amanhã ele fizer algo que mostre que estou enganado, recuo logo. Mas não me parece...

Luis Moreira disse...

Aliás as cabeças pensantes andam por cá há muito tempo e que se saiba ainda precisam de mais tempo para conhecerem os problemas. Já não falo das soluções...

Tavares Moreira disse...

Caro Tonibler,

Eu conheço - e aprecio - o seu elevado desportivismo na discussão destas matérias (com a famosa excepção do "Delenda Bethleem")...
Mas julgo que não entenderá como gesto de inimizade, o aviso de que, extremando muito a posição, poder vir a ser forçado a operações de marcha à ré...de frente, com certeza, depois de dar 1/2 volta!

Caro Luís Moreira,

O tempo nunca será suficiente para que estas cabeças superiormente pensantes cheguem a alguma conclusão útil...e muito menos que essa conclusão possa passar por cortes na despesa...
A arte deste discussão interminável - embora muito profunda e esclarecedora segundo os próprios - está exactamente em tentar empatar o assunto até ao infinito, se possível (se houvesse recursos para tal, claro está)...

murphy V. disse...

Reformar o Estado?! Desculpem, mas enquanto andarem por aí à solta, figuras sinistras como Franquelim, Isabel Jonet, Ulrich, Soares dos Santos, Santana Lopes, etc., reformar é absolutamente secundário!

Felizmente os portugueses podem contar com uma comunicação social vigilante – reforçada com a monitorização dos justiceiros do BE - para controlar os danos infligidos ao país, por estes, e outros crápulas... essa é a luta a travar!

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/02/uma-polemica-quais-os-ingredientes.html

Tavares Moreira disse...

murphy v,

O senhor é mesmo um chapa legal...então para integrar a "crook parade" do País, vai seleccionar nem mais nem menos que a Isabel Jonet, Santana Lopes ou Alexandre Soares dos Santos...
Mas que talento de seleccionador!
Sorte eu não estar no lugar de Paulo Bento, iria sentir o lugar gravemente ameaçado!