Número total de visualizações de página

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O Estado Corporativo


O Ministro das Finanças anunciou um agravar da recessão em 2013.
Outra consequência não poderia advir do brutal aumento da carga fiscal, transferindo fundos dos agentes privados (particulares e empresas) para o Estado, impedindo investimento e geração de emprego.
O que mais uma vez prova e comprova que, a partir de certo nível, a despesa pública não só não é reprodutiva, como significa pura perda. Pois não gera nem riqueza, nem emprego.  Como se vê.  
A diminuição da despesa pública é uma verdadeira e incontornável exigência de salvação da economia portuguesa. Sem essa diminuição, esqueça-se investimento reprodutivo e criação de emprego.
E não se venha com o argumento terrorista do desaparecimento do Estado Social. Há muita despesa que o pode sustentar a um nível adequado. Desde que outra, inútil, e por aí abundantemente espalhada,  desapareça.
Desmantelando o Estado Corporativo a que chegámos (lamentavelmente também presente em órgãos da soberania),  e que se opõe a toda e qualquer transformação . 

19 comentários:

Carlos Monteiro disse...

Não me diga que voltamos à conversa de cortar umas "gorduras", caro Pinho Cardão!!!!

Bartolomeu disse...

É evidente, caro Dr. Pinho Cardão. Ao ponto a que chegámos será difícil desmantelar o Estado Corporativo, tão naturalmente coeso e tão naturalmente protegido pelas instâncias governativas e de justiça.
Este estado corporativista que nos suga e a quem pagamos todas as fraudes económicas e financeiras, só será(ia) desmantelado se as forças armadas decidissem levar a cabo outra revolução.
Mas se por acaso isso viesse a suceder, em pouco tempo voltariamos à "cêpa-pêca" que é como quem diz a cair nos mesmos logoros.
Por isso insisto na fórmula da objecção. Se objectarmos, tudo e mais alguma coisa, mesmo que exageremos e não objectivarmos a objecção, iremos empurrar o Estado Corporativo para um gueto onde, para exitir, terá de se alimentar das entranhas.

Bartolomeu disse...

PS:
Para reflexão:
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Nas vossas orações, não sejais como os gentios, que usam de vãs repetições, porque pensam que, por muito falarem, serão atendidos. Não façais como eles, porque o vosso Pai celeste sabe do que necessitais antes de vós lho pedirdes.» «Rezai, pois, assim: 'Pai nosso, que estás no Céu, santificado seja o teu nome, venha o teu Reino; faça-se a tua vontade, como no Céu, assim também na terra. Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia; perdoa as nossas ofensas, como nós perdoámos a quem nos tem ofendido; e não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do Mal.’ Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai celeste vos perdoará a vós. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também o vosso Pai vos não perdoará as vossas.»

a esfera dos livros disse...

Já conhece o "Diário Secreto de Vítor Gaspar" o novo livro de António Ribeiro, autor dos bestsellers O"O Cão de Sócrates" "D. Maria, A Empregada de Cavaco".

Hoje nas nas livrarias.

https://www.facebook.com/aEsferadosLivros?ref=hl#!/pages/O-Di%C3%A1rio-Secreto-de-V%C3%ADtor-Gaspar/495976383779669?fref=ts

Luis Moreira disse...

Onde se acoitaram os vencidos do 25 de Novembro? Na alta administração pública,na Justiça...continuam a perder nas eleições mas controlam o estado mastodonte.

murphy V. disse...

Isto:
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/02/portugal-lisboa-e-o-resto-do-pais-1.html

Também se relaciona com o seu post, caro Pinho Cardão.

Floribundus disse...

anda muita gordura do estado ladrão com medo de emagrecer

os gajos que vejo nas manifs têm 2 carros e casas de férias.

eu trabalhei 50 anos em sectores produtivos e já lá vão 10% da reforma (dinheiro que o dito estado me retirou sem o meu consentimento)

Bmonteiro disse...

Lá chegaremos, lá chegaremos.
Talvez a ter um dia um Estado Cooperativo, em vez do Estado Corporativo que sabemos.
Razão porque me parece que o lema do jantar de hoje, de almirantes & generais, em vez de Condição Militar e FA, devesse ser a "Condição do País", ou "Portugal e o futuro".
Principal óbice corporativo:
Os partidos políticos da 3ª República.
A nova classe, criada e desenvolvida à sua sombra.
A que trouxe o país ao desastre de 2010.

Bmonteiro disse...

Quanto aos vencidos do 25Nov, já vai sendo tempo de mudarmos de agulha.
Quem foram os PM, Ministros & Ajudantes dos XIX Governos ditos Constitucionais?
O que andaram lá a fazer?
Tinham medo dos vencidos de Nov?
Ou andaram a servir o Estado, servindo-se?

Floribundus disse...

1 oficial para 2 sargentos e 2 soldados
239 generais

tropa fandanga

arre porra, que é demais

Bmonteiro disse...

Fluribundus,
cuidado com as montagens na Net.
E quanto ao estado do Estado nas FA, pergunte-se aos ministros da Defesa, desde 1982.
Que andaram lá a fazer?
A marcar passo, só pode ser.
Poderia o País, ter umas FA que não fossem um espelho do Regime?
Dia 19 no DN, com "Um crepúsculo militar" meu, poderia ser "O crepúsculo de um país"
Louvemos o bloco central, com a assistência das oposições.

Luis Moreira disse...

E estas companhias de bandeira,com milhões de prejuízo acumulados e dívidas gigantescas :http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/191914.html
Quem paga ?

Oscar Maximo disse...

Como a Constituição não permite mandar alguns borda fora, e não permite fazer moeda falsa em caso de necessidade, terá de ir tudo ao fundo.

Bartolomeu disse...

A Constituição, foi também corporativizada; temos o exemplo "de" e "da".
Se não houvesse corporativismo e se todos soubessemos ler e escrever em português, no corpo da lei teria sido escrito que um presidente de câmara ou de junta de freguesia, após cumprir 3 mandatos consecutivos, não poderia concorrer ao 4º, nem para a câmara ou junta onde cumprira os anterirores, nem para nemhuma outra. Ou então diria que o presidente de câmara ou de junta, após cumprir 3 mandatos consecutivos na mesma câmara ou junta, só poderia candidatar-se a uma câmara ou junta diferente.
E pronto, assim, só um analfabeto não perceberia a diferença entre uma e outra situação.

murphy V. disse...

A austeridade é o que é, também, porque vivemos num país socialista enfiado num verdadeiro colete de forças que é esta Constituição. Ainda não vi ninguém explicar ao português comum, o impacto recessivo da decisão do TC em 2012. Este, ao impedir o corte previsto na função pública (que é uma redução de despesa) obrigou a uma subida generalizada de impostos sobre publico e privado. Todos perderam: os funcionários públicos vão ter o mm rendimento aproximadamente, os privados sofreram um rombo no rendimento disponível e o Estado arrecadará menos impostos com a quebra de consumo. Mas algumas consciências andarão, constitucionalmente, tranquilas!
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/02/portugal-lisboa-e-o-resto-do-pais-1.html

Bartolomeu disse...

Caro murphy V., discordo em parte da sua opinião. Não acho nada que seja a Constituição da República, seja um colete de forças que impede os portugueses de qualquer movimento. Pelo contrário, o uso que dela é feito, de acordo com a interpretação que cada um lhe dá, é que tornam a vida dos portugueses num sufoco.
Do mesmo modo que no catecismo se ensina a não evocar o Santo nome de Deus em vão; também deveria existir um articulado na constituição que condenasse de imediato todo aquele que lhe viola ou corrompe os artigos.
Podemos achar que a sociedade em geral tomou rumos que se desadequam ao espírito da Constituição e por isso, agora, muitas vozes se levantam, exigindo a sua alteração. Mas, se pensarmos que o conjunto de artigos se fundamentou no respeito e na defesa dos direitos humanos, facilmente perceberemos que se alterarmos uma alínea de um artigo, automáticamente estaremos a renegar direitos a alguns.
Quanto ao facto a que se refere, relativamente à decisão do TC no que respeita à inconstitucionalidade do corte dos subsídios na função pública, em minha opinião, ela é inconstitucional, na medida em que retira aos funcionários um direito. E essa falta não fica sanada, retirando a funcionários de outros sectores, os mesmos direitos.
Mais honesto e respeitoso seria, a meu ver, e com base na situação económica difícil que o país atravessa, seja ela da responsabilidade de quem for, mas porque urge equilibra-la, reduzir simultâneamente, as múltiplas despesas supérfluas nos diferentes órgãos do Governo.
Uma medida assim, reduziria a despesa do Estado, e porque era equilibrada, não feria os princípios da constituição.

murphy V. disse...

Caro Bartolomeu,

Olhe que as nossa posições são mto mais próximas do que aparentam. A minha crítica à Constituição decorre do facto de ela ser completamente ineficaz na prevenção das políticas e medidas de governação que, especialmente, nos últmos 20 anos, levaram o país a esta crise profunda e, simultâneamente, dificulta as mudanças que Portugal precisa.

Em relação às "múltiplas despesas supérfluas" que refere - e em que estamos inteiramente de acordo. Acha mesmo que é possível atacar a sua despesa - sem colocar em causa as estruturas de pessoal de ministérios, secretarias de estado, direcção geral, um institutos ou empresas públicas, fundações, observatórios, etc.,...
É que todos acham anti-constitucionais qualquer corte...

Cumprimentos.

Bartolomeu disse...

Pois, caro murphy V.; a Constituição não cria organismos públicos, ou semi-públicos, ou que existem a expensas do erário público. Tão pouco obriga aqueles que dela se servem a mantê-la intacta no espírito e nos propósitos.
Terá de ser sempre o sentido ético e o carácter dos homens a enobrecer o teor do texto que a compõe.
De qualquer modo, com constituição, ou sem ela, levanta-se uma questão incontornável: como livrar-nos de uma crise cujos efeitos estão a conduzir rápidamente os portugueses à miséria, mantendo o dispêndio de verbas com organismos que não prestam serviços válidos ao país, mas que lhe custam uma fortuna?!

murphy V. disse...

Caíssimo,

Esse é o debate que tem de er feito... e não pode olhar a "direitos adquiridos".

Já agora, adianto que a minha convicção sobre as mudanças que Portugal precisa não são tanto de esquerda Vs direita (ou PS Vs PSD), mas antes de centralismo e o tomar Lisboa pelo resto do país, como decorre do link anterior…

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/02/portugal-lisboa-e-o-resto-do-pais-1.html

Cumprimentos.