Número total de visualizações de página

domingo, 18 de agosto de 2013

Os não dotes comunicacionais do PM

Um dos maiores problemas que este Governo tem de enfrentar, como aliás qualquer outro, é o modo como comunica com os media, sabendo-se que não há forma eficaz de transmitir diretamente aos cidadãos o que se pretende fazer, o que realmente se faz e a interpretação dos resultados das políticas empreendidas. Vivemos na sociedade da mediatização, da qual dependem, em primeira linha, os dirigentes políticos, a grande maioria deles criaturas nascidas e regadas pela comunicação social.
Há umas semanas, neste post, anotei a infelicidade do modelo (importado) que o Governo escolheu para dar conta das medidas e explicá-las, lastimando que uma boa aquisição para a equipa governamental, como é Pedro Lomba, ficasse refém de uma imagem que não faz jus à sua inteligência. Pouco tempo se passou e o núcleo de coordenação política do Governo chegou à mesma conclusão, anunciando o fim dos briefings.
É facto público e notório que existe uma comunicação social - a grande maioria dos seus órgãos - francamente hostil ao Governo. Também não se esconde a cambada de analistas e comentadores que não temem passar pelo ridículo da contradição desde que convenha ao malhanço no Governo ao menor pretexto, designadamente os que se anunciam da "área" da coligação, valorizando-se assim pela imagem de independência que fazem passar. Mas também é facto indesmentível que existem deficites e erros comunicacionais que não são da responsabilidade se não do próprio Governo. A começar pela responsabilidade do senhor Primeiro Ministro. Percebeu-se isso, uma vez mais, na última tradicional festança do Pontal.
Estes mais de dois anos confirmaram que Pedro Passos Coelho não é alguém que saiba utilizar a palavra como instrumento poderoso que ela pode ser para um político. Não tem a habilidade discursiva de Paulo Portas, por exemplo; nem o simplismo verbal atrativo de um Mário Soares, para só apontar dois casos de políticos que se afirmam com facilidade pela palavra, sobretudo quando é difícil explicar o racional das medidas ou das omissões ou, em geral, quando as coisas não correm de feição. O Primeiro Ministro não tem esse dom, nem parece que o venha a adquirir com a experiência (ao contrário do que aconteceu com muitos). E ao seu lado também não tem quem o aconselhe a escrutinar previamente o sentido das palavras e expressões que frequentemente utiliza que, por equívocas, fazem com que do seu múltiplo sentido se aproveitem aqueles que apontam para a pior intenção. Ou se tem a seu lado quem o aconselhe a não apostar no improviso, desdenha desse conselho. E faz mal.
Aproveitando a ideia dos briefings, talvez não seja mal pensado convolá-los em sessões prévias a intervenções públicas de grande impacto, em que os membros do núcleo político do governo "briefem" o Primeiro Ministro sobre o que deve ser dito mas sobretudo como deve ser dito.

Quem aqui anota o que antecede considera que Pedro Passos Coelho fez no Pontal uma dos mais honestos discursos que ouviu da boca de um político de topo. Mas a sua opinião não é filtrada nem mediada...

3 comentários:

Tonibler disse...

Nunca ninguém tinha tirado o dinheiro estatal que faz a vida de boa parte dos interesses ligados aos media. A Sic ou a TSF, não tinham rubrica que não fosse feita com o apoio do ministério, do instituto, da sec de estado. Isto para dizer que não é líquido que haja solução para essa 'incapacidade'.
Por outro lado, não sei se concordo que esses media de que fala são a comunicação com o eleitor quando as audiências reais devem estar nuns 2 ou 3%.

Suzana Toscano disse...

A meu ver, uma coisa é articular bem as palavras, falar com fluidez, fazer frases direitinhas e fáceis de ouvir, usar um tom coloquial que inspira confiança em quem assim fala. Outra coisa, muito diferente, é articular bem as ideias, tê-las bem organizadas e encadeadas, ter pensado bem no que pode e deve ser dito ou no que pode ser dito mas mal entendido. São duas coisas substancialmente diferentes, daí talvez algumas das perplexidades que aqui expressa. Corrige-se não confundindo oratória - uma arte bem interessante, a meu ver, -com comunicação.

O Reformista disse...

O problema é que existe um tremendo desfasamento entre a geografia eleitoral e os média.
tudo o que se diga ou faça é "mediado" negativamente.
ver texto com demonstrações no
http://www.oreformista.blogspot.pt/
sobre o tema

António Alvim