Número total de visualizações de página

domingo, 4 de agosto de 2013

"Para o jornalista tudo o que é provável, é verdade"

"Trata-se dum axioma estupendo, como tudo o que Balzac inventa. Reflectindo nele, nós percebemos quantas falsidades se explicam e quantas arranhadelas na sensibilidade se resumem a fanfarronices e não a conhecimento dos factos. Em geral, o pequeno jornalista é um profeta da Imprensa no que toca a banalidades, e um imprudente no que se refere a coisas sérias. Quando Balzac refere que a crítica só serve para fazer viver o crítico, isto estende-se a muitas outras tendências do jornalista: o folhetinista, que é o que Camilo fazia nas gazetas do Porto (...). Eu própria não estou isenta duma soma de articulismos, de recursos à blague, de graças adaptáveis, de frequentação do lado mau da imaginação, de ridículos, de fastidiosos conselhos, de discursos convencionais, de condenações fáceis, de birras imbecis, de poesia de barbeiro, de elegâncias chatas, de canibalismo vulgar, de panfletismo «bom cidadão». Quando não sou nada disso, sou assunto para jornais, mas não sou jornalista". 

Agustina Bessa-Luís, in 'Dicionário Imperfeito'

1 comentário:

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

José Mário
É verdade, mas não é apenas o provável, o improvável também. Qualquer corrente de ar é um pretexto para uma pneumonia. E depois, é só uma questão de pegar, de seguida embalam todos na mesma "narrativa" e aí está um facto político criado. Desmenti-lo ou contrariá-lo é difícil, faz parte do processo, ajuda a consolidar como verdade o que não era.