Número total de visualizações de página

sábado, 14 de julho de 2012

O direito ao sabor da informação

O Tribunal condenou Paco Bandeira por violência doméstica.
A RTP logo se apressou a promover a absolvição, entrevistando o réu condenado, que logo fez a contestação mediática da sentença.
Uma particularidade do nosso "estado de direito" é o estado a que o direito chegou. O supremo juízo e a última palavra nos julgamentos são sempre a dos directores das televisões. A última, e tantas vezes também, a primeira!...

6 comentários:

Tonibler disse...

... e com toda a razão. Quando o juízo não abunda...

Bartolomeu disse...

Peço desculpa, caro Dr. Pinho Cardão mas, provávelmente, o meu estimado Amigo, não dedicou inteira atenção à notícia.
É que, o t...Tribunal não condenou o Sr. Paco Bandeira; uma pena suspensa e um responso, são dados habitualmente a um puto reguila que anda a fanar ténis numa loja da Decatlon, agora, a um gajo que arreia na mulher e lhe aponta uma fusca à carola, leva-me a concluir que os condenados, somos todos nós, a pagar através dos nossos impostos, a luz, água, telefones, manutenção de edifícios, honorários etc. de uma quantidade de gente, para representar uma comédia.
Isto faz-me lembrar aquela paródia do "Pintinho Piu".
http://www.youtube.com/watch?v=N4-UMfLjXlA

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

... e o estado, também, a que chegaram as televisões...

Pedro disse...

De facto concordo plenamente que a mediatização da justiça e suas sentenças, com as opiniões avulsas de populares a serem recorrentemente mais destacadas e valorizadas que os resultados efectivos dos julgamentos...só pode resultar num cada vez maior descredito das instituições! (no caso a Justiça)

Se a isto juntarmos a "comercialização dos media", com o voraz enfoque nas audiencias que garantem financiamento publicitário, facilmente concluimos que os principios e coerencia de conteudos se subjugam ás necessidades de facturação.

É de facto um caminho a passos largos para o nivelamento por baixo, e um esquecer de principios, eticas e deontologias.

No entanto, isto é cada vez mais o reflexo de um descredito que o comum dos mortais, tem para com as Instuições e os seus Representantes...

...que outrora "carregavam" com sigo capitais de confiança e legitimação publica e universalmente aceites, suportados por carreiras e percursos determinados, conhecidos e de exigencia a toda a prova.

Ora, hoje em dia, vivemos uma epoca onde os comuns mortais confiam cada vez menos nas Instituições, e duvidam cada vez mais da sua legitimação (não a formal, mas a intrinseca!).

E é aqui que entra a necessidade de voltar a dar legitimidade e credibilidade ás Instituições, que julgo só se irá obter, quando os seus representantes forem dignas dessa mesma credinbilidade e honradez, a toda a prova...

algo que pelos exemplos recentes, desta e das anteriores legislaturas, está cada vez mais longincuo!



P.S - espero ter acertado no tema ,o) !

Pinho Cardão disse...

Caríssimo Pedro:
Oh, caro Pedro! Eu não disse que o meu amigo ainda iria deixar o campo ao lado, entar no jogo, e chutar à baliza?
Pois foi mais depressa do que eu pensava! E logo na primeira jogada a meter golo. Graaaaande golo!
E excelente contribuição para o 4R.

Conservador disse...

O problema é que os jornalistas e a populaça reinante não quer perceber uma sentença: não as lêem. Abunda o bitaite.