Número total de visualizações de páginas

quinta-feira, 13 de julho de 2006

O estado da Nação, no dia 12 de Julho de 2006

Não pude ouvir o debate de ontem.
Quem pode estar mais de 5h. a ouvir todo um debate? Só mesmo os parlamentares, porque é sua tarefa.
Mas confesso que tive pena ter de trabalhar, não puder vir para casa e, no fresco, dedicar-me a ouvir tudo... levantar-me da sala (para ir beber por.ex. um chá bem gelado) quando algumas intervenções aí vinham anunciadas...enfim "simular", em casa , no contraste daquele tórrido ambiente inaceitável do hemiciclo, aquilo que fazem os "ocupantes" de todas as bancadas, de todos os quadrantes!
Não pude, paciência!
Mas, por sorte e porque fiz algum esforço para tal, ouvi uma parte do discurso do 1º Ministro, exactamente aquela parte onde ele fez a "revisão da matéria dada" destes 16 meses de governo ( como o tempo passa!!! ).
E claro que ouvi atenta a "revisão da matéria dada" na área da saúde. onde o 1º Ministro disse com garbo: "nesta área revolucionámos o sector farmacêutico, com o que este governo fez os cidadãos passaram a ficar mais próximos e acessíveis do medicamento".
Fiquei à espera do resto, até porque um jornal de grande tiragem trazia ontem, em primeira página, "Um Milhão de Portugueses sem Médico de Família".
Fiquei à espera da apresentação de alguns resultados comparados sobre gestão de hospitais, aquilo a k os economistas chamam benchmarking, ou sobre as vantagens da transformação de hospitais SA em EPE's.
Fiquei à espera de saber há quanto tempo estão em espera os cidadãos que estão em espera nas listas cirurgicas. O número, de facto, não interessa, é politiquice, sempre estive de acordo com isso, mas o tempo de espera interessa e muito....
Fiquei à espera de saber se a dita "revolução no sector farmacêutico" engloba alguma medida que atente à preocupante crescente despesa com medicamentos que, no sector hospitalar, já vai para lá dos 12% ( mto.longe dos 4% que o ministro negociou com a indústria).
Enfim, na área da saúde, pelo menos, fiquei sem saber o estado da Nação.
Oxalá nas outras áreas se tenha ficado a saber.

3 comentários:

JardimdasMargaridas disse...

Dra. Clara Carneiro

As minhas sinceras desculpas pela troca de nomes, ainda por cima em duplicado.
As tecnologias às vezes dão mesmo choque. Fui para corrigir e eis que o resultado foi nome inalterado e multiplicado por dois.

JardimdasMargaridas disse...

Dra. Clara Carneiro

Os dois posts acabaram mesmo por ser apagados.
Mas vou agora ao que interessa:

Não ouvi o debate na sua totalidade.
Estive a ler a intervenção do Primeiro Ministro que fui buscar ao site do Governo.
É uma solução de recurso, só que não é a mesma coisa. Sem directo, perdem-se aquelas manifestações comportamentais que fazem vibrar os ânimos e arrancar as almas...
É como ver um jogo de futebol depois de conhecido o resultado!
Fiquei realmente impressionada com tanta obra anunciada e feita. Mas ainda que andasse distraída, que não é o caso, sempre diria "que o pobre desconfia quando a esmola é grande".

Clara Carneiro disse...

JardimdasMargaridas, sabe o que eu, mto. sinceramente desejo?
É que, desta vez,"a esmola seja grande"...e "o pobre não desconfie"!!!
A bem do País e dos seus nativos, mas, de facto, na área comentei assim se não vislumbra que esmola!Só ainda medidas de reestruturação por recurso a encerramentos, foram as maternidades e, lá bem nas férias de verão, virão os encerramentos dos SAP's (serviços de atendimento permanente).Em teoria até nem estou em desacordo, pelo contrário, vamos é ver como e quais!