Número total de visualizações de páginas

domingo, 2 de julho de 2006

Pedido de proibição!...


Há pessoas viciadas no jogo que escrevem cartas aos Casinos, pedindo que sejam proibidos de lá entrar.
Eu não sou viciado em críticas ao Ricardo, mas que o criticava frequentemente, colocando-o em contraponto com outros guarda-redes, nomeadamente o Vítor Baía, lá isso é verdade!...
A partir de agora de agora, e a exemplo do que outros têm feito, também peço publicamente a todos os meus amigos que me proibam terminantemente de censurar o Ricardo...mal levante a voz para tal!...

16 comentários:

Tonibler disse...

Eu, que certamente não serei suspeito de ser tripeiro, acho o Baía é 10x melhor guarda-redes que o Ricardo e, provavelmente, com ele não teríamos que sofrer nos penalties, nem a defesa portuguesa teria que jogar tão atrás.

Lamento, mas não é por causa de uns penalties que vou deixar de achar que o Ricardo é tão bom como o Bossio...Não peço tal proibição para mim!

Anónimo disse...

“Os avançados equivalem-se!...
Guarda -Redes: Ricardo e Robinson não são muito diferentes.”
Pinho Cardão

A realidade, felizmente, encarregou-se de demonstrar o contrário.
O nosso Ricardo, tal como o homónimo Rei anglo-saxão, tem coração de leão. E não é, seguramente, por jogar no Sporting! Digo eu, que não sei o que lha vai na alma.

O EURO 2004 e o MUNDIAL 2006 deveriam constituir momentos de profunda reflexão para todos nós, em especial para os “militantes” do FCP. A força volitiva de um conjunto de jovens atletas portugueses, enquadra por um excelente líder, com uma grande inteligência emocional, com uma boa organização, propicia resultados absolutamente fantásticos. Mas que “banho” de realismo a nossa equipa nos tem dado.
Será possível extrapolar este exemplo para outros sectores da sociedade portuguesa?
Sinceramente, penso que sim.
Qual é, então, o “cocktail” de ingredientes fundamentais:
- Uma boa liderança e organização;
- Espírito de equipa e autoconfiança;
- Vontade de vencer (superarmos a nossa parvidade e falta de ousadia endógena);
- Capacidade de trabalho e de sacrifício (suar a camisola);
- Orgulho e prazer naquilo que se faz;
- Encararmos a concorrência como uma oportunidade e não como uma ameaça.
É simples?! Não, é muito complexo e exige treino intensivo e orientado para a obtenção de resultados.

Apartes:
- Gosto da sua humildade, caro Pinho Cardão. Ainda bem que concluiu que o grupo é mais importante que as individualidades, incluindo as do FCP (actuais ou pretéritas: Vítor Baia, Ricardo Quaresma, Deco, e não sei se mais). Penso que são bons jogadores, todos eles, úteis mas não imprescindíveis. O Sr. Nuno Pinto da Costa sempre esteve mais preocupado com a valorização dos activos (ou jogadores) no mercado internacional do que com os êxitos da Selecção Nacional. Todos os interesses são legítimos, desde que legais, porém nem todos favorecem o bem comum. Não quero desprezar a sua tese do “inimigo” exterior, com a qual concordo em parte, mas, atenção, o mérito não é dos actores da guerrilha mas sim do líder, Scolari, que soube identificar o que era essencial. Melhor fora que o “inimigo” exterior não coabitasse no mesmo território, mas enfim, é a vida!
- Caro Tonibler,
O meu correligionário lampião às vezes preocupa-me. Então o “... Baia é 10x melhor guarda-redes que o Ricardo...”. A falta de objectividade, mesmo perante as evidências, às vezes tolda-nos a razão. Parece que nunca houve um guarda-redes que num campeonato do mundo tenha defendido três “penalties”. O Baía é um bom guarda-redes, sim senhor. Agora 10x melhor do que o nosso Ricardo. É preciso topete. Ainda bem que o meu amigo Tonibler não é seleccionador nacional, suspeito que não passaríamos da cepa torta. Ele há opiniões que, caramba...

Tonibler disse...

Caro Felisménio,

O meu caro, como benfiquista que é, não esquecerá o Bossio. O Bossio foi sem dúvida o melhor guarda-redes entre-postes que já vi e, simultaneamente, o maior frangueiro que há memória de águia ao peito. O Ricardo é um excelente guarda-redes entre-postes, mas é um guarda-redes vulgar. O Baía é um dos melhores guarda-redes do mundo porque sendo bom entre-postes posiciona-se melhor que o R. Carvalho fora de postes.
O segredo da defesa do FCP sempre foi Baía, porque os defesas centrais podem jogar muito avançados à conta dele.

Defendeu 3 penálties ontem? E ontem mandou uma bola para zona de penálti por não a agarrar e contra o México foi cortar uma bola com as costas. Mas disto não vai rezar a história. Até perdermos, claro...

Anónimo disse...

Caro Tonibler

Não, não concordo.
Já percebi o problema da sua, respeitável, análise. Está a comparar o Vítor Baía com o Ricardo Carvalho que, sinceramente, nem sei se é bom a defender entre postes (passe a piada), apesar de achar que é um excelente defesa central. Agora, que o Vítor Baía é um bom guarda-redes concordo, mas não o considero um deus das balizas portuguesas. A análise que faz do recuo da defesa da Selecção Nacional também me parece errada. Nada tem a ver com o mérito do nosso Ricardo Pereira. É uma forma de jogar... sempre me lembro de ver Portugal jogar um pouco recuado. Mas estou longe, muito longe de ser um especialista em futebol. Apenas me divirto com os bons jogos.
Questiono-me, porém, porque é que o Baía, tendo os encantos excepcionais que nele vislumbra (na minha opinião em exagero!), não se aguentou a jogar no Barcelona. E, já agora, porque é que jaz sentado no banco dos suplentes do FCP. Também já vi o Baía “papar” uns bons frangos, sem cacarejar. Mais pergunto? Será que o Baía se integra bem, sem vedetismos, em equipas de trabalho? Talvez tenha sido esta a causa da sua não convocação para a Selecção Nacional?! Talvez. Desconheço as razões de facto. Mas não tenho sentido muito a falta do seu génio.
Todos sabemos que glória é efémera, mas isso não reduz o mérito do nosso enorme Ricardo.
Há momentos na vida em que vale a pena saborear a realidade!

Pinho Cardão disse...

Meus caros Tonibler e Félix Esménio:

Quero esclarecer cabalmente o meu "pensamento" sobre a magna questão do guarda-redes.
Reparem que eu não comparei o Vítor Baía com o Ricardo ou qualquer outro.
O que eu disse é que passava a não criticar o Ricardo, o que é diferente!...
O que não impede que continue a considerar o V. Baía melhor guarda-redes que o Ricardo.
O que não tem nada de desprimoroso para este!...
E uma pequena provocação ao Félix Esménio: não está provado que o Baía não defendesse as três grandes penalidades!...

RuiVasco disse...

Não há dúvida alguma que Baía é mais completo como guarda redes que Ricardo; que Ricardo, ontem, foi excepcional, defendeu três penalties e mais duas boas defesas durante o jogo. Mas não dúvida que um GR nunca se avalia por um jogo ou por um trio de penalties defedidos num jogo. Tem razão Tonibler, ao afirmar que a postura de Baía na baliza dá outra confiança à defesa, aos trincos e por via disso ao meio campo. Não há duvida que Baía é um excepcional GR considerado, não por portistas, mas por desportistas, por várias vezes, o melhor do Mundo e da Europa. Que não perdeuas qualidades que tinha. Amadureceu. Não carece de defesas para a fotografia. Ele antevê a jogada e o percurso da bola está lá. Confundimos espectáculo com eficácia. Qual o GR do Mundo que não "papou" uns frangos? Mas nada na vida se julga por um caso entre milhares de situações. Isso é manipular! Não há dúvidas que o Baía não foi à selecção por razões estranhas à qualidade do profissional. Há quem tenha dúvidas porque não sabe. Quem não sabe não fala. Ou nem sequer faz "perguntas conclusivas" anti-Baía, seguidas de um "talvez", como li por aí, assumindo logo após que desconhece os factos e as razões. Mas insinua!
Mas, como escreve Pinho Cardão, Ricardo merece o nosso respeito e todo o nosso apoio. Ele não tem culpa dos erros, das guerras ou das artimanhas do sr Scolari.

Abraços de Rui Vasco ainda cansado das viagens, das madrugadas e do nervosismo vivido, ontem, na estufa quente de Gelsenkirchen, aonde fui dar o meu apoio à selecção.
Que pena não ter visto em campo o Deco,(que falta fez,apesar de não estar no seu melhor momento!), um Figo em pleno. Gostei de ver um excelente Miguel, um magnifico Ricardo Carvalho, um bom e sacrificado jogo de Nuno Valente. E só quem não quer ver, que falta fez ontem Ricardo Quaresma. Até Scolari, tenho a certeza o desejou! Ouvi isto há poucas horas de um benfiquista de há mais de 5o anos.
Ganhamos, porque jogou uma equipa de 11. Não apenas pelo GR Ricardo. Porque como alguem disse, podiamos, com outra equipa mais forte, não necessitar dos penalties, ou com uma mais fraca que aquela que vimos, perder o jogo antes do penalties. Tambem aqui adoramos confundir a arvore com a floresta.
E quarta feira lá irei, de novo, a caminho de Munique.
La France va jouer, mas Portugal va gagner!!!!...

Pinho Cardão disse...

Caro RuiVasco:
Um abraço pela sua excelente análise!...
E os votos de uma feliz viagem...com muita festa no fim...e uma nova ida para a final!...

Anónimo disse...

At 8:16 AM, Félix Esménio said...
Caros Portistas, Pinho Cardão e Rui Vasco

A vossa acrimónia contra Scolari já deveria ter sido superada com os excelentes resultados que a Selecção Nacional tem obtido. Se não conseguem ultrapassar essa dificuldade, então é porque se trata de défice de tolerância. Enfim, cada um sabe de si...
Não compreendo a irritação quanto ao Vítor Baía. Até disse que ele era um bom guarda-redes. Os meus amigos é que se têm entretido a “cascar” na opção de Scolari por Ricardo Pereira no confronto com Vítor Baía. Penso, sinceramente, que a vossa opinião não é isenta mas sim clubista. Admira-me, porém, que nada tenham a dizer quanto à saída de Vítor Baía do Barcelona e, pior ainda, quanto a facto deste ter passado uma boa temporada no banco dos suplentes do FCP. Pelos vistos, o que é bom para a Selecção Nacional não é bom para o FCP. Eu, cá por mim, penso que o Scolari lá teve as suas razões. E conhecê-las nem é importante, face ao desempenho do Ricardo Pereira. Confio no livre arbítrio de Scolari, enquanto os resultados comprovarem que as suas opções são as mais acertadas.

Quanto à provocação de Pinho Cardão: Tem razão, nunca saberemos se Vítor Baía defenderia as três grandes penalidades. Não sei porquê mas, pelo seu carácter inédito, penso que era altamente improvável. Felizmente o tempo não volta atrás, para tirarmos a desforra. Por isso já estamos nas meias-finais. Vamos em frente!

Com um abraço de um benfiquista que cultiva a isenção, tanto quanto pode.

João Melo disse...

isenção?isso não existe quando se fala de futebol..nem de politica já agora...caro pinho cardão, falhou nas suas previsões.teria muito gosto em partilhar os lucros..mas fica para a próxima!

Pinho Cardão disse...

Caro Félix Esménio:
Não tenho qualquer acrimónia para com Scolari, mas o homem, se apresenta uma situação líquida largamente positiva, não é só activo, também tem algum passivo...
E um dos passivos, na minha opinião, é a sua "casmurrice". Que ele cultiva com uma inteligência emocional muito própria e da qual tira excelentes resultados, em termos de motivação dos jogadores.
Então, a "casmurrice" de Scolari acaba por constitur um óptimo instrumento de gestão e muito bem utilizado.
O modo como selecciona faz com que muitos jogadores lhe fiquem a dever alguma coisa, que têm que lhe pagar, com garra e determinação no campo. E o modo como reage às críticas fortifica o espírito de grupo face às "agressões" exteriores.
Tem tido o êxito que está à vista e ainda bem. Porque também é capaz de verificar os erros, através da sua própria experiência.
No Europeu, só depois do 1º desaire com a Grécia, decidiu mudar a equipe, pondo a jogar aquela que o mínimo bom senso aconselhava.
Portanto, acrimónia para com Scolari?
Nem pensar, independentemente de algumas críticas merecer!...

Pinho Cardão disse...

Caro Menino Mau:
De facto, se a isenção abrangesse todos, todos seriam do F.C.P. e do PSD!...
Muito democrático!...

Anónimo disse...

Não resisto a uma última picardia.

A isenção é uma qualidade de acesso restrito.
Exige previamente um banho de “Luz”.
Não está ao alcance de dragões lendários ou de gatinhos disfarçados de leões.
A estes resta-lhes, naturalmente, a perplexidade perante um fenómeno que nunca conseguem assimilar e muito menos praticar.
Compreendo, pois, a dificuldade que sentem. :))

RuiVasco disse...

Caro Esménio Felix:
Não sei porque e onde concluiu que sou ou seria portista! Porque critiquei Scolari? Porque reflecti sobre as suas opções?
Scolari é propriedade do benfica? Digo isto porque se assumiu como benfiquita. Talvez esteja aí o problema: algo que pareça defesa de algo que tenha a ver com o FCporto, para certos benfiquistas, é sempre sinal de facciosismo, clubismo, bairrismo. Se fôr ataque é isenção, e iluminada razão! Nesse aspecto seja o que VExa desejar! Os benfiquistas são sempre lúcidos, isentos, imparciais! Parabéns!
Já elogiei Scolari, pela estrategia usada. Está a ganhar com ela, é facto! Mas sou dos que pensam que o atingir certos fins, não justitica todo e qualquer meio! E aí discordo de Scolari. Como treinador consegue êxitos. Falo do Homem, num mundo já de si tão conspurcado. Tenho dois vizinhos. Um do 5º Esquerdo outro no 5º direito. Ambos atingiram os seus objectivos de vida: SER RICOS! Um, trabalhou,transpirou, e teve engenho! Outro teve engenho, para provocando este e aquele, jogando interesses, ludibriando mais um e outro, ser tão rico quanto o vizinho. Porque ambos atingiram os objectivos tenho de concordar que ambos estiveram certos e são vencedores? Ou permite-me que embora chegasse ao objectivo discorde dos processos de um?
Scolari é um bom comandante de grupo. Conseguiu uma unidade indiscutivel. Por via disso tem uma equipa que ganha. Já o disse aqui neste blog em comentario que, não leu, e fez muito bem para não se exaltar! Mas tenho de concordar com tudo o que fez, disse, perante os portugueses em geral, a Comunicação Social, os profissionais e dirigentes do futebol? Tenho de aceitar que venha chantagear dizendo que como ganhou, agora todo o mundo cala a boca! Não tenho os conceitos de liberdade de opinião, nem comportamentais do dito sr. Torço pela Selecção. Estive em Gelsenkirchen gritando pela selecção. Estarei em Munique e espero que ganhem, para domingo estar em Berlim ver Portugal ser campeão.
Não confunda caro amigo. É um defeito benfiquista, ou de alguns pelo menos, que alguns dirigentes do dito têm alimentado. Em conversa com Luis Filipe Vieira no regresso da Alemanha na madrugada de domingo disse-lhe isto mesmo. Claro que há partes onde não pode concordar pela função que ocupa. Noutros, que não divulgo, por razões evidentes, concorda em absoluto.
Não sejam mais papistas que o Papa. Defendam e apoiem a selecção. Mas não percam a vossa liberdade. Nem venham com insinuações vulgares, de portismo ou de qq outro cube. Os banhos de luz, não são necessáriamente, no Alto dos Moinhos. E nem esses os torna iluminados como se tem visto!E há luz solar, tão bela,em todos os cantos do Mundo. Que bom ser-se livre e descomprometido.

Anónimo disse...

Caro Riu Vasco

“... Quanto ao chá, à cultura e aos comportamentos, Sr Dr Pinho Cardão, cuidado com as comparações (ou semelhanças, salvo seja!) que li há dias, por aí, num texto seu, entre o sr Scolari e o Presidente do F.C.Porto, Senhor Jorge Nuno Pinto da Costa. Só quem não o conhece, ou os que invejam não o ter como presidente dos seus clubes, podem fazer tal comparação. Espero que não seja esse o seu caso. Admito: despistou-se! ...”

O texto supra pareceu-me ser de um adepto do FCP.
Se o ofendi, lamento.
O fenómeno desportivo apenas me diverte.
Por isso brinquei com o post de Pinho Cardão. E fiz eco das habituais picardias, sem que isso represente nenhum estado de espírito especial. Não gosto de confundir as pessoas com o colectivo das agremiações desportivas, políticas ou outras. Cada pessoa tem uma identidade própria e única que não se dilui em nenhuma pluralidade ideológica.
O seu tom cáustico parece-me inapropriado à questão em apreço. Penso que exagera um pouco no tom e na substância.
Mas, critique à vontade... convém, porém, não cair no logro de praticar o estilo daqueles que critica.
Quanto a Scolari, não o conheço mas, ao contrário de si, simpatizo com o homem.
Quanto ao essencial, parece-me que todos desejamos o mesmo, ou seja, que a Selecção Nacional chegue o mais longe possível.
E pronto, fico-mo por aqui.

Pinho Cardão disse...

Caros Rui Vasco e Félix Esménio:
Bom debate!...
Mas, cá por mim, nesta matéria quem me parece que está mais perto da razão é o Rui Vasco...

RuiVasco disse...

Caro Félix Esménio (espero não me enganar desta vez!) - mas tenjo amigos, um é Jorge Felix, outro Francisco Felix, outro José Feliz etc..por isso o raio das trocas! Não leve a mal!
Pois foi o Vasco Riu. Riu porque você não me ofendeu. Quer me achasse portista, sportinguista, Beleneneses, ou FreixodeEspadaàCintense.
Só que eu não disse que era, ao contrário de si! Você, assume que eu não disse pois assume que "pareceu-me"!...Falar com base em "parecenças" dá nisto!. Que raio de hábito...nunca acerta uma! Não, perdão, acertou numa, que subscrevo e apoio! Tal como você, caro Félix, sempre desejei que a Selecção fosse o mais longe possível! Começamos a aproximar posições. Um dia destes ainda concordo consigo, em pleno, num tema qualquer! Por mim será bem vindo esse momento. Não sendo pela unicidade, com dúvidas sob os consensos, sou pela concordâncias!