Número total de visualizações de páginas

segunda-feira, 31 de julho de 2006

Ovos cozidos "auto-cronometrados"!


Há dias, no Tonibler, cmonteiro equacionava a hipótese de o sal poder ser vendido com a pimenta já misturada, e foi até mais longe ao propor misturas com outros sabores. Esta “brilhante” ideia surgiu no decurso de uma importante tarefa: estava a comer um ovo cozido. Não disse o resto, mas adivinha-se! Nos comentários perguntei-lhe se dava muito trabalho a fazer a mistura. Respondeu-me “que hoje, o que vende é aquilo que não dá trabalho nenhum a cozinhar”. E, avançou que estaria perante um negócio de milhões. Mas precisa de um sócio capitalista!
Agora, uma empresa britânica inventou ovo cozido “auto-cronometrado”! Para não maçar os nossos leitores, o melhor é transcrever a notícia (em português do Brasil!):

“Uma empresa britânica promete tornar ainda mais fácil a tarefa de cozinhar ovos.
A B&H Colour Change, de Londres, está desenvolvendo uma tecnologia que diz quando os ovos estão no ponto certo de cozimento.
O "ovo auto-cronometrado" tem um selo termocrômico impresso na sua casca. Quando o ovo está cru, o selo é invisível, mas quando ele é cozido, a logomarca aparece em cor preta.
A tecnologia deve chegar aos supermercados britânicos nos próximos meses, informa reportagem desta segunda-feira do jornal The Daily Telegraph.
O selo foi criado a pedido do programa de controle de qualidade Lion Quality Eggs, que diz receber milhares de perguntas de consumidores sobre a melhor forma de cozinhar ovos.
Os consumidores terão três opções de ovos: mole, médio e duro, que equivalem, respectivamente, a cozimentos de três, quatro e sete minutos.
"Ainda estamos aperfeiçoando a tecnologia, mas estamos muito empolgados com a perspectiva de resolver um problema que afeta as pessoas no café da manhã há décadas", informa Gilly Beaumont da B&H Colour Change, no site da Lion Quality Eggs.
A reportagem do Daily Telegraph consultou cinco chefs para saber a melhor forma de cozinhar ovos. Não houve consenso entre os especialistas."

Bom, pelo andar da carruagem, começo a acreditar nas capacidades empresariais do cmonteiro…

6 comentários:

just-in-time disse...

Caro Prof. Massano Cardoso

Afinal, quem hoje se esquece de olhar para o relógio vai passar a esquecer-se de olhar para o selo termocrómico.

O problema é que, quando se passam os 8m e a parte externa da gema fica verde, o magnífico ovo fica indisgesto.

Fica aqui um problema químico para o P. Cardão.

Massano Cardoso disse...

Diga-me uma coisa just-in-time: alguma vez essa questão foi colocada num exame nacional de química?

O melhor é usar um selo termocrómico sonorizado tipo cacarejar de galinha...Sempre reforça as coisas!

JardimdasMargaridas disse...

Professor Massano Cardoso,

Mais uma inovação fantástica! Não é fácil estarmos actualizados...
Sobre os OVOS, despendemos habitualmente muito pouco tempo e atenção com a sua confecção, porque são normalmente uma solução de recurso, ultra-rápida, económica e muito nutritiva (apesar de alguns inconvenientes para a saúde, como em tudo é preciso moderação).
A nova tecnologia do ovo "AUTO-CRONOMETRADO" vai tornar realmente mais fácil a tarefa de cozer ovos. Mas pode melhorar muito a qualidade da sua confecção, pois vamos saber quando é que os ovos estão no ponto certo de cozimento. É um progresso assinalável!
Espero que a nova tecnologia se estenda aos ovos estrelados.
É que "estrelar" um ovo não é tarefa fácil: é preciso observar atentamente a coagulação lenta e progressiva da clara que, estando pronta, deverá apresentar-se com pequenas regularidades estaladiças. E quanto à gema deverá manter a sua cor e brilho primitivos. E resvalar os ovos da frigideira para o prato tem o seu quê de dificuldade, por forma a não se desmancharem. E depois é só acompanhar com buchinhas de pão.
Uma odisseia, mas é de comer e chorar por mais!

Carlos Monteiro disse...

MILHÕES, Professor! Isto cheira-me a milhões!!

Meus caros,

O mercado de ovos cozidos é da dimensão de todos os países anglo-saxónicos, ou seja: milhões de pessoas em países industrializados, com poder de compra e com a tradição do ovinho cozido pela manhã, mas cheias de pressa para ir para o trabalho e sem tempo para o ovo que demora minutos infindos a cozer (alguém já viu este furo pelos vistos. Passou-me ao lado. Grrrr...).

E sem tempo também para procurar o saleiro ou pimenteiro (acham o saleiro, mas o pimenteiro está atrás do frasco do açucar e não o vêem). Ora se houver um só frasco, bonitinho, pequenino e carinho (ou carote se preferirem) a novidade, o poder de compra e a utilidade prática deste novo condimento farão a minha fortuna!

E a do sócio-capitalista que tarda em aparecer...


Lembrem-se: Há quem venda cubos de gelo de água mineral!

just-in-time disse...

Caro Prof.

Creio que não, se não teríamos tido repetição de exames e estaríamos lembrados...

Quanto aos ovos, não imaginam a quantidade de calcário no lixo do Mont-de St.Michel, onde toda a gente vai comer a omelette de Mme Poulard. A ilha, antes granítica, corre o risco de se tornar predominantemente calcária...

Pinho Cardão disse...

Caros amigos.
Com isto tudo, lá se vai mais uma das manifestações artísticas mais relevantes da humanidade, o domínio dos saberes e dos sabores da confecção culinária!...
Considero perfeitamente abjecto trocar essa verdadeira ciência por um termocrómico perfeitamente desqualificado!...
Creio mesmo que o ovo e esse miserável objecto passarão a ter o mesmo sabor !...
Inacreditável!...