Número total de visualizações de página

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

A "complexidade" das falhas de gestão...

A notícia refere que a complexidade foi a justificação oficial apresentada para a contratação externa do serviço de elaboração do inventário dos bens móveis e imóveis da Administração Regional de Saúde de Lisboa. Uma contratação que vai custar 400 mil euros. É muito? É pouco? Não sei. As outras ARS estão a fazer o trabalho com os seus próprios recursos e meios. Esta diferença de tratamento não deixa de ser estranha. 
Mas o que, a meu ver, é muito mais estranho é que durante anos e anos estas entidades não tenham feito e actualizado os inventários do património da sua responsabilidade. Como é possível? Fazer o inventário do património é uma tarefa de gestão fundamental em qualquer organização que desenvolve uma actividade económica, insere-se nas preocupações normais da gestão. 
A ARS de Lisboa regista desde 1994, de acordo com a notícia,  um valor patrimonial negativo superior a 5 milhões de euros. É extraordinário que a realização dos inventários tenha sido determinada pela Inspecção Geral das Actividades em Saúde. A decisão só peca por tardia.
Nada disto é normal. Não admira que haja custos desnecessários, que a falta de dados rigorosos afecte negativamente a capacidade de decisão política e de gestão. Não quero generalizar, é perigoso fazê-lo, mas apetece-me perguntar quando é que vamos ser capazes de incluir na rotina da administração dos serviços públicos um normal nível de gestão? 

5 comentários:

Luis Moreira disse...

Enquanto não houver uma avaliação por mérito, nunca! Estas pessoas não são nomeadas pela experiência e pelo saber.

Bartolomeu disse...

Nunca; nos nossos dias!
A administração pública, cara Drª Margarida, tem sido ao longo de décadas, herdeira de uma decadência que a tem corrompido e degradado ao ponto de me parecer irrecuperável, ao nível de funcional. Durante os consecutivos governos, a administração pública tem servido diferentes fins, poucos desses fins relacionados com a sua principal e única função; a de administrar funcionalmente os serviços públicos do Estado.

Luis Moreira disse...

http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/742735.html
É dificil perceber que uma consultora faça a inventariação de uma unidade de saúde

Rui Fonseca disse...


É difícil ler esta notícia e não pensar que por detrás do assunto há uma cadeia de interesses e compadrios que, querendo fazer de nós tolos, invoca o argumento da "complexidade" do trabalho passando um certificado de incompetência à função pública.

Não sou, nunca fui, funcionário público. Mas discordo completamente de quem atribua a estas frequentes decisões do governo (deste e dos outros) a incapacidade dos que trabalham na administração pública.

É revoltante.
E ainda mais quando a ARS está a adiar a integração de profissionais médicos altamente qualificados invocando a falta de cabimento no OE.

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Caro Luís Moreira
Li o seu post, concordo em geral com as considerações que faz.
A questão não é apenas de mérito, é também uma questão de modelo de organização que influência a cultura de gestão. Não podemos esquecer que há legislação para tudo e mais alguma coisa, incluindo para estabelecer procedimentos e técnicas de gestão. Quando as coisas não correm bem, nunca se sabe para onde pendem as responsabilidades, se para o nível político se para o nível de gestão/técnico.
Caro Bartolomeu
As disfuncionalidades são muitas. Mas por causa delas aponta-se o dedo aos funcionários públicos, acusando-os de incompetência, falta de profissionalismo, etc. Não é justo, os funcionários públicos são tão capazes como os outros, há um problema de politização da gestão.
Caro Rui Fonseca
Concordo com as suas observações que também li no Aliás. O título do seu post é bem mais sugestivo: PARA AMIGOS, ORÇAMENTO ROTO! Não há dinheiro para o essencial, mas há dinheiro para o acessório. Agradeço o link.