Número total de visualizações de página

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Desespero

Noto uma onda de desespero, vejo nuvens aterradoras, negras, pesadas, sinto a força de um vento destruidor, cruzo-me com almas sem alento e sem esperança e toco em corpos febris tremendo de frio e nem sei se de fome também. O mundo que me cerca está diferente, vazio de alegria e esfomeado de justiça e de dignidade. A natureza humana, a selvagem, a destruidora, consegue vencer os defensores da igualdade e da liberdade, que, humilhados, olham silenciosos uns para os outros sem compreender muito bem o que está a acontecer. O mundo regrediu, os valores e princípios filhos de revoluções libertadoras foram apagados. O mundo rege-se por uma velha ordem que pensavam ter sido destruída. Não, não foi, apenas hibernou e, agora, regressa com força, com violência, com raiva impondo os seus desejos e ignorando os direitos e valores daquilo que se poderia esperar da dignidade humana. O mundo vai ter que mudar em breve. Como? Da maneira habitual, à força, à bruta, com a violência libertadora, com a única arma que lhe resta para fazer afronta ao comportamento ameaçador e destruidor de forças primitivas. Esperar por soluções "civilizadas"? Impossível. Essas soluções constituem o garante da sobrevivência do "ancien régime", que regressou das profundezas do Hades com uma força que nunca teve nos seus velhos tempos. Solução drástica? Talvez. Comportamento pessimista? Talvez. Exagero de apreciação? Talvez. Pode ser tudo isso, mas o mundo "civilizado" em que vivemos tem de ser morto, digo morto e não apagado, e mesmo assim tenho receio da sua capacidade para ressuscitar novamente no eterno retorno de vida e morte. Por mim, não me importo de regressar às véspera de um qualquer "1789". Se for preciso, porque não? Mesmo que isso custe sofrimento ou mesmo a vida é sempre preferível do que viver neste teatro de faz-de-conta, onde a honra, a lealdade, o respeito e a dignidade humana deixaram de ter significado ou valor.
Viver assim cansa, e é fonte de desespero.

Santa Comba Dão, sábado.
14.12.2013

2 comentários:

Diogo disse...

Absolutamente de acordo, Dr. Massano.

Suzana Toscano disse...

Damos cada vez mais valor às coisas boas e às pessoas que mantêm os seus valores e os seus princípios, o mundo sempre mudou e no entanto sobrevivem sempre o bem e o mal, o bom, o belo e o horrível. Acho que é assim, temos que saber encontrar felicidade no que soubermos encontrar de bom à nossa volta. O meu amigo Massano até tem esse dom! Mas o seu "radar" também capta as energias negativas e depois desanima, isso não vale! Um abraço.