Número total de visualizações de página

terça-feira, 12 de março de 2013

Batalha da Redinha



Batalha da Redinha, 12 de março de 1811

Já não sei as vezes que passei junto da vila da Redinha. Sempre quis dar uma volta pela localidade e conhecer a famosa ponte românica sobre o rio Anços. Durante as invasões francesas travou-se um combate aquando da retirada do Exército de Portugal. O marechal Ney, incumbido de cobrir a retirada, conseguiu travar durante algumas horas, vinte e quatro, o avanço das tropas anglo-lusas. Houve luta, houve baixas e a ponte permitiu a fuga às divisões francesas. Hoje, sem perceber como, num dia triste, inóspito para passear, frio, com nuvens carregadas, que de vez em quando faziam descargas violentas, estive na ponte. Olhei para o rio, tumultuoso, bravio, espumando raiva e dor ao mesmo tempo recordando-me que, precisamente há 202 anos, no dia 12 de março se travou um combate de fogo, de sangue e de ódio, num dia talvez igual ao de hoje, frio, inóspito, triste a relembrar velhas batalhas. A memória da natureza nunca se apaga, a dos homens, sim. Hoje, senti que fui “empurrado” para aquele espaço, e estremeci, ao recordar a fúria de homens em armas. Uma fúria incontrolável que os elementos da natureza não conseguem esconder, pelo contrário,  as águas do rio Anços berravam e espumavam de dor e de raiva, tal como há 202 anos.

1 comentário:

Catarina disse...

Fiquei mais rica... de conhecimentos.