Número total de visualizações de página

terça-feira, 5 de março de 2013

Mercados mais confiantes e até complacentes: será para durar?

1. Não restam dúvidas de que o “estado de alma” dos mercados financeiros, especialmente no que respeita à dívida pública dos países periféricos do Euro, mudou radicalmente desde que o Presidente do BCE prometeu, no final de Julho de 2012, fazer tudo o que fosse necessário para preservar a integridade da Zona Euro e, no início de Setembro, o BCE anunciou o novo programa OMT's, de compras (condicional, é certo) de dívida pública desse mesmos países, em mercado secundário.
2. Não esquecemos, “por ser de elementar justiça”, o contributo que a política monetária ultra-acomodatícia da Reserva Federal dos EUA também tem dado, ao funcionar como “rolo compressor” das taxas de juro do mercado de capitais americano, incentivando os grandes investidores institucionais americanos a aplicar uma parte das suas disponibilidades em dívida de países europeus de yields mais elevadas...
3. Assim, com algumas breves oscilações, nomeadamente nos primeiros dias que se seguiram à divulgação dos resultados das eleições italianas de 24/25 de Fevereiro, temos vindo a testemunhar, desde há vários meses, uma atitude muito mais tolerante e confiante por parte dos mercados...
4. ...atitude que, por exemplo, tornou aparentemente possível aquilo que a esmagadora maioria dos nossos bem informados comentadores políticos e económicos negava a pés juntos até há bem pouco tempo: o regresso da República Portuguesa aos mercados da dívida de médio/longo prazo antes mesmo da época inicialmente prevista (Set/2013)...
5. Aqui chegados, começa a perceber-se, por diversos sinais que os incansáveis “media” vão divulgando diariamente - nomeadamente como resultado de uma inevitável fadiga social e política que os programas de austeridade vão causando e que aqui nos temos referido com alguma frequência – que podemos ter entrado em período de “menopausa” do processo de ajustamento orçamental e estrutural...
6. ...traduzido, “inter alia”, na extensão dos prazos de cumprimento dos objectivos orçamentais, na menor pressão para a adopção das medidas de natureza estrutural necessárias à melhoria da competitividade das empresas, agilizando o funcionamento dos mercados de factores e de produtos e reduzindo os chamados custos de contexto...
7. ...e até vão surgindo alguns indicadores quase surpreendentes: (i) o aumento em 8,6% do número de veículos ligeiros vendidos em Fevereiro em Portugal (comparativamente a Fev/2012) e (ii) o facto de as vendas a retalho em Portugal, no mês de Janeiro, terem apresentado o maior crescimento (+4,2%) no conjunto da União Europeia em relação a Dezembro de 2012 - que devem soar como “música celestial” para os nossos estimados Crescimentistas...
8. É de facto muito agradável esta nova postura dos mercados, mais aberta, confiante e até complacente. O problema está em saber se a mesma complacência, que a pouco e pouco vai adoçando a política económica dos países abrangidos por programas de ajustamento - também da Espanha e da Itália – não acabará, no final do dia, por fazer com que os mercados regressem à postura agressiva do período até Julho 2012...esperemos bem que não!

17 comentários:

Floribundus disse...

os comentadores e as tvs começaram por ter postura anti-governamental e hoje são anti-contribuintes enquanto suportes do estado.

a Itália beneficiará sempre do facto de ser a 3ª economia do euro

as tvs, ao serviço da esquerda festiva,
continuarão a evidenciar os benefícios das manifs e das greves

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

"As vendas a retalho no país registaram um crescimento de 4,2% no primeiro mês do ano, comparativamente com Dezembro de 2012. No entanto, quando o índice de vendas é comparado em termos homólogos, Portugal é o terceiro país da União Europeia onde a quebra das vendas foi maior, 3,9%."

Luis Moreira disse...

O ambiente está mais amigo...

Pedro disse...



Assim sendo temos que:

- Portugal é o bom aluno.
- Portugal até foi aos mercados mais cedo que o previsto.
- Portugal até beneficia de "Mercados mais confiantes e até complacentes".
- Portugal até teve um ajuste nas metas, e mais um ano para atingir o deficit exigido.

... e ainda assim ...

- Portugal, segundo as noticias de á pouco, terá pela boca de Victor Gaspar, pedido mais tempo (15 anos) para pagar a divida.


Ou sou eu que estou a ficar "exquizofrenico", ou então encontro aqui muita contradição e malabarismo com os numeros.

Então se fomos muito bem, e se até o mercado é complacente, afinal precisamos de mais tempo ?

Então não era isso que se dizia, em variadissimos quadrantes, há mais de um ano...e o Governo sempre renegou ?

Então isto é tudo verdade, e até tamos muito bem, mas agora o Governo contrariamente ao que afirmou...afinal pede mais tempo ?


E pede mais tempo, quando em simultaneo continua a afirmar que é "um sucesso" ?

Tavares Moreira disse...

Caro Floribundus,

O seu 1º parágrafo merece uma moldura!

Caro Paulo Pereira,

Do que foi o meu Amigo lembrar-se! Eu tb sabia disso mas evitei mencionar para não desencorajar os nossos estimados Crescimentistas, com esse comentário estragou tudo!
Não lhe levo a mal, evidentemente (nem tenho esse direito) mas não posso deixar de me lamentar por eles!

Caro Pedro,

Vejo que vai por aí uma certa confusão, com o devido respeito...
Não reparou ainda que o próprio conceito de bom aluno é mutável, ser bom aluno neste ambiente mais complacente não é a mesma coisa que num ambiente de mercados agressivos e exigentes?
Pedir mais tempo (para amortizar a dívida e ou para cumprir as metas orçamentais, neste último caso sem prejuízo da trajectória descendente) não implica perda do estatuto de bom aluno...desde que o pedido seja feita de forma devidamente concertada e disciplinada...

Pedro disse...

Pois é caro Tavares, se calhar é mesmo isso...

...mas para ver se entendi bem a sua explicação, digamos que por exemplo:

- Numa conjuntura onde a Banca (Nacional ou Externa) impinge por todos os meios o Credito, poderiamos dizer que uma politica expansionista, sei lá, que anuncia-se TGV's e Aeroportos...seria por analogia a politica de um Bom Aluno ?

Ou seja a sua argumentação global, a do "conceito dinamico de bom aluno mediante as conjunturas", não é mais que a melhor defesa do Socratismo.

e é de facto engraçadissimo constatar que o seu Sofisma, serve mesmo á medida para defender quem tanto criticou.

...mas deixe lá, deve ser só confusão minha.


(sem qqr malicia ou ofensa)

Tavares Moreira disse...

Caro Pedro,

É manifestamente confusão sua, nem por sombras tive a intenção de indulgenciar o deplorável exercício de péssima governação (para dizer o mínimo) que caracterizou o que apelida de socretismo...
Quando refiro que o conceito de bom aluno é variável segundo as c ondições de mercado, isso deve ser entendido dentro de limites razoáveis, nos quais não cabe, obviamente, um episódio governativo tenebroso como o atrás referido...
O que pretendo significar, em suma, é que, nas presentes circunstâncias, para se ser bom aluno não é necessário ser tão aplicado como há 1 ou 2 anos, basta um grau de aplicação médio...
Espero que agora me tenha entendido melhor...não existe o menor sofisma nesta análise.

António Barreto disse...

Oxalá que a contrapartida complacência não venha a ser a displicência!

Tonibler disse...

Os demais comentadores vão-me desculpar a entrada à central do FCP, mas podemos discutir se os números reflectem a realidade que se pretende estudar ou não. Mas as causas?

Aquilo que os "variadíssimos quadrantes" diziam também diziam os governantes gregos com mais razão ainda porque, no caso deles, a força negocial ainda ser maior. É ver como a coisa correu tão bem... Pode-se não perceber nada disto, mas com a realidade a rebentar na cara, isso não vos diz nada?

Os "variadíssimos quadrantes" estão à vontade para pedir mais tempo e mais défice porque os "variadíssimos quadrantes" não fazem um pénis na vida! Não pagam nada disto, só recebem! Não estão a cair no desemprego, porque nem sabem o que é emprego!

Aquilo que interessa no fim do dia é o que acham os eleitores alemães, holandeses, dinamarqueses, etc. E o que eles acham agora é que os portugueses fizeram de tudo, os irlandeses fizeram de tudo e os gregos são uns pretos que estão melhor em África, os italianos uns calaceiros apalhaçados e os espanhóis gastam tudo em futebol e carros e agora querem dinheiro. A Merkel e homólogos vão fazer aquilo que vai dar votos e, hoje, Portugal dá votos.

Mais que tudo, mais importante que os mercados porque nunca mais Portugal vai ser encarado como um estado de facto, é o que acham os eleitores do centro da europa. É desses que esta municipalidade da europa depende para recuperar parte da independência, porque "toda" já deitou fora em 1999.

Tavares Moreira disse...

Caro António Barreto,

Como saberá, a displicência é a estação que se segue à complacência, numa perfeita linha de continuidade...
Basta a complacência durar o suficiente sem que os mercados alterem esta postura mais favorável para entrarmos na área da displicência...e então aí sim, os mercados voltarão a acordar e toda a gente voltará a indignar-se...
Espero não voltar a ver esse filme, admito que tenhamos aprendido alguma coisa nestes últimos 2 anos...

Caro Tonibler,

No seu estilo bravio mas eloquente, o meu Amigo lá vai dizendo as verdades...
Provavelmente as suas rábulas deixarão os Crescimentistas muito desolados, mas paciência, não se pode agradar a toda a gente...

Paulo Pereira disse...

Caros,

Continuo a achar surpreendente esta revisão da história económica em curso, num leninismo de aparente sentido inverso ao original, e digo aparente, porque senti muitas semelhanças entre os revolucionários ou radicais de ambos os quadrantes politicos.

A historia da economia moderna, com bancos centrais, não se resume nem ao periodo do euro de 2000-2013, nem ao periodo "neoliberal" a partir de 1980, mas começa no inicio do sec. XIX, mas dada a grande extensão temporal, seria bom estudar pelo menos o periodo entre 1929 e o presente.

A ideia neoliberal do presente, de que os mercados financeiros é que devem mandar na economia e na politica é absolutamente desmentida pelo estudo desse periodo de tempo.

Aliás, nem nunca poderiam ter esse poder, porque os mercados financeiros só têm o poder que lhe quiserem dar, como se viu nos meses de Setembro de 2008 a Março de 2009, 6 meses que demonstram que os mercados financeiros nada mandam.


Tavares Moreira disse...

Caro Paulo Pereira,

Ninguém aqui pensa ou tem a opinião de que os mercados financeiros devem mandar na economia...eu não penso e não tenho, seguramente!
Acontece que, independentemente desse pensamento ou opinião, a acumulação de sucessivos e graves erros em sede de política económica, têm vindo a criar as condições propícias para que os mercados financeiros, aproveitando-se das fragilidades dos Estados, acabem por ter uma fortíssima influência na condução da política.
Mas isso acaba por ser uma consequência directa e lamentável da incompetência, ás vezes quase insanidade, dos políticos, e não tem a ver com qq suposta/fantasiada opção neo-liberal.
E, confesso-lhe, não é preciso fazer nenhuma digressão histórica para se chegar a esta conclusão, basta atentar na realidade dos nossos dias...
Mas, se quisermos recuar alguns anos, basta recordar a autêntica oferta que o governo inglês proporcionou ao Snr. Soros, no início dos anos 90, quando ao insistir na defesa de uma taxa de câmbio insustentável para a libra esterlina, alimentou uma enorme especulação contra essa moeda, que acabou por ser forçada a abandonar o mecanismo de taxa de câmbio do SME, "oferecendo" a Soros um lucro de mais de USD 2 mil milhões!

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

Fico bastante satisfeito pelas suas afirmações, dado que do que me lembrava de si dos anos 80 e 90 sempre me pareceu um moderado.

No entanto o que alguns chamam de "feitiço neoliberal" parece que existe mesmo.

Nos ultimos dias tivemos uma prova imensa com as disparatadissimas afirmações do comissário Rehn, que insiste na disparatada receita de austeridade excessiva, apesar das esmagadoras provas do enorme disparate que é essa receita.

Os argumentos do tal comisário parecem tirados de um blog "hayekiano".

O preço que o RU pagou ao Soros foram trocos comparado com o beneficio de ter deixado a Libra desvalorizar.

O mesmo aconteceu na Suécia a seguir e na Espanha e no México e na Russia, e na Tailandia e em Taiwan, etc,.

Só Portugal se manteve firme e hirto desde 1992 !

Pedro disse...


...entretanto, por mais complacentes que sejam os mercados...e por mais displicentes que sejam as analises...os numeros estão ai:

http://expresso.sapo.pt/portugal-regista-maior-quebra-do-pib-em-toda-a-zona-euro=f791466

Sendo que friamente, a conclusão é de que continuamos a caminho do buraco sem fundo, e cada vez mais dependentes da tal "benevolencia dos tais mercadinhos".

Não querendo desculpar os possiveis erros anteriores (sejam do recente Socrates, sejam dos idos 90's)...não consigo entender como se pode continuar a considerar que vamos no bom caminho e somos um bom aluno!

(basicamente, o melhor aluno de uma colegio pago ...é aquele que chumba sempre: continuará eternamente a pagar mensalidade!)

Carlos Sério disse...

“É de facto muito agradável esta nova postura dos mercados, mais aberta, confiante e até complacente. O problema está em saber se a mesma complacência, que a pouco e pouco vai adoçando a política económica dos países abrangidos por programas de ajustamento …”
Os mercados, esses seres instáveis, distantes e obscuros que muitos tratam como deuses, a quem veneram e se sujeitam submissos à sua vontade.
Um estudo que sobressai, de autoria do Instituto Federal Suíço de Pesquisa Tecnológica (ETH na sigla alemã), constatou que 147 corporações, das quais 75% são grupos financeiros, controlam 40% do sistema corporativo mundial. No círculo um pouco mais aberto, 737 grupos controlam 80%. Nunca houve, na história da humanidade, nada de parecido com este nível de controlo planetário através de mecanismos económicos e financeiros.
A apropriação ou no mínimo a fragilização das instituições políticas, frente a estes gigantes, torna-se hoje um facto comprovado.

Tonibler disse...

Essa distribuição, se consultar outras obras de alguns investigadores do ETH chama-se " economia" . É assim, sempre será. Resulta da sua definição e dos seus mecanismos fundamentais.

Tavares Moreira disse...

Caro Tonibler,

O problema é que para esta rapaziada, qualquer que seja a estrutura "corporativa" da economia mundial, em especial nas economias mais desenvolvidas, estará sempre errada e viciada, prenhe de fantasmas e de subversões capitalistas...
Purinhas, purinhas, do ponto de vista da organizaçao produtiva, só mesmo as economias da Coreia do Norte e, a uma certa distância, a República dos Habanos...até o infeliz Zimbawe já deixou de ser um paradigma de boa educação económica...