Número total de visualizações de página

segunda-feira, 18 de março de 2013

Os cipriotas... duplamente gregos!

As autoridades europeias, normalmente emergentes da pior burocracia instalada nos diversos países da União, já perderam qualquer tino e só lhes resta o autoritarismo institucional.  Sem ele, seriam escriturários de segunda em qualquer empresa da terceira divisão.
Apesar do peculiar sistema financeiro grego, dificilmente se pode conceber medida mais absurda do que taxar os depósitos nos bancos, como acaba de ser decidido. Claro que taxar rendimentos é taxar depósitos futuros, mas taxar depósitos actuais é taxar retroactivamente. E é discriminar entre as diversas formas de aplicação da poupança. Acontece que em quase todo o lado o Estado não é pessoa de bem, por isso não há que admirar. Mas taxar depósitos, ignorando olimpicamente as consequências do feito, é perfeita sabotagem económica, incentivo à fuga de capitais, desvio do investimento, atentado económico, mas também ético.
Têm culpa as autoridades cipriotas e têm-na duplamente, pelo estado a que deixaram chegar os desequilíbrios e por terem aceite as condições impostas para os corrigir. Mas o Eurogrupo é co-responsável, se não o primeiro responsável, pela quebra de confiança dos aforradores europeus, cada vez mais empurrados para aplicar poupanças nas praças alternativas. Que são as próprias autoridades a fomentar.
Depois da discriminação fiscal sobre os reformados em Portugal e dos seus efeitos económicos e sociais, poderia pensar-se que a tonteria mais rasteira tinha chegado ao fundo. Acontece que há sempre um fundo mais fundo. Que o pessoal de Bruxelas vão cavando com inesgotável pertinácia.
Resgate por resgate, o que os Europeus devem pensar é resgatar-se desses burocratas sem dimensão e sem a mais pálida ideia do que seja pensar.  

14 comentários:

Roberto Rensenbrink disse...

Tocou à banca, não tocou? E isso muda tudo, mesmo que o sacrificado imediato seja sempre o mesmo.

Tonibler disse...

Caro Pinho Cardão,

Isto é tão estúpido que tem truta. Ou estão a forçar um default para ver o que dá ou outra coisa qualquer. Sei que isto não vai acontecer e faz-me muita confusão que o FMI tenha concordado com isto.

pinho cardão disse...

Caro Robert Rensenbrink.
Tocou à banca, como, se os depositantes é que saem prejudicados?
E tudo muda, como, se é só o dinheiro que vai mudar de um Banco de Chipre para outro de outro país ou off-shore?

Caro Tonibler:
Para mim, as explicações são mais primárias. E estão no post.

Tonibler disse...

Caro Pinho Cardão, mas as decisões não vieram de Bruxelas vieram dos ministros das finanças. Se calhar isto não melhora muito mas, bolas, o meu filho mais novo não fazia uma destas. E, em tanto ministro das finanças haveria um a perguntar 'isto não é estúpido demais?'

Bem, eu hoje já reforcei os fundos luxemburgueses não vá o Gaspr ter achado a coisa boa ideia.

Zuricher disse...

No meio disto tudo há algo que me faz imensa confusão. Como é que ainda alguém tem as suas poupanças na zona Euro hoje em dia. E quem diz hoje em dia diz nos últimos 2-3 anos.

JM Ferreira de Almeida disse...

Ensandeceram...

Catarina disse...

Medidas desesperadas!

Tonibler disse...

A bloomberg levantou um detalhe há pouco. Hoje foi feriado em Espanha , quando os bancos abrirem amanhã está montado o granel na zona euro. Seá que era isto que andavam à procura?....

skeptikos disse...

http://www.lobidocha.com/580775.html

Roberto Rensenbrink disse...

Exatamente, Pinho Cardão: tocou à banca.

Preciso de lhe explicar porquê? Então digo-lhe: ontem à noite, a minha mãe, de idade bem avançada e com um par de tostões na CGD, telefonou-me aflita a perguntar se devia ir levantar essas migalhas.

Neste momento, quanto dinheiro é que já está a fugir aqui do Sul europeu em direção a outras áreas?

Roberto Rensenbrink disse...

Já agora, para mim há duas razões centrais para esta imbecilidade: (1) as troikas e demais desta vida querem sacar o seu dinheiro dê por onde der; (2) a sr.ª Merkel sabe muito bem que o Chipre é um paraíso fiscal e quem é que lá tem dinheiro depositado.

P.S. Patético o que os ministros das finanças europeus acabam de dizer a Chipre.

P.S.1. Estou em pulgas para saber o que disse o competentíssimo Vítor Gaspar sobre isto, qual a sua posição.

P.S.2. Um destes dias, quando a sr.ª Merkel e demais bastardos acordarem, a Grécia e Chipre estarão nos braços da Rússia. Mortinha por isso está ela. E depois... adeus, Europa!

Zuricher disse...

A Europa não me parece que precise da ajuda da Russia seja para o que for. Desde o inicio que esta integração Europeia contra-natura e ainda por cima a marchas forçadas teve prazo de validade.

Claro que a Russia aproveitará os despojos e dará um empurrãozinho sempre que puder.

Pinho Cardão disse...

Caro Robert Rosenbrink:
A preocupação da sua mãe (e de milhares de portugueses perante uma eventual medida similar em Portugal) só denota sentido claro das coisas. Pese o facto de Chipre ter, no que respeita à banca, uma situação peculiar, como referi e o meu amigo de alguma forma confirmou.
E só prova que o assunto não toca à Banca, mas a quem nela tem depósitos. E se alguns bancos podem ser afectados, outros irão ganhar. No cômputo geral, a banca fica igual. Mas perdem também as economias onde a asneira se pratica.

Paulo Pereira disse...

caros,

Um bail-in dos bancos é a solução mais correcta do que o bailout pelos contribuintes.

Deveriam é ser todos os credores a converterem na proporção do tipo de crédito que detêm e não apenas os depositantes.