Número total de visualizações de página

domingo, 10 de março de 2013

Uma informação de baba

O genro de Chavez, Jorge Areaza, foi nomeado Vice-Presidente da Venezuela pelo Presidente Interino, Nicolás Maduro.
A Procuradora Geral da República, Cilia Flores, é a mulher do Presidente Interino. 
O Presidente Interino jurou "cumprir e fazer cumprir a Constituição, com a mão dura de um povo disposto a ser livre...em nome... da lealdade mais absoluta ao Comandante Hugo Chavez".  
 A Constituição da Venezuela não prevê o cargo de Presidente Interino.
Eis aí a democrática herança do Comandante, herói e revolucionário, por quem a comunicação social portuguesa se baba.  

7 comentários:

Luis Moreira disse...

É isso. Antes de tudo há a democracia. Na Venezuela não prima pela transparência.

Suzana Toscano disse...

Mais vale cair em graça que ser engraçado, o que quer?

Manuel Silva disse...

O senhor padre José Tolentino Mendonça escreveu um texto de reflexão séria e muito interessante na revista do Expresso, com o título: «Temos de Pensar o Fim dos Partidos Políticos?»
Por um lado, em jeito de provocação, ou de convite à reflexão, como se quiser, elabora sobre as formas de organização política das democracias ocidentais assentes em partidos; por outro, o texto é uma boa «chave de leitura» crítica do comportamento das pessoas individualmente (através dos partidos), comportamento que critica sem apelo nem agravo.
À luz dessa «chave de leitura» devemos ler, quer os críticos do Chavismo, quer os amantes do Chavismo.
Tal como devemos ler, quer os críticos do Crescimentismo (defensores do Austeritarismo), quer os críticos do Austeritarismo (defensores do Crescimentismo).
Etc., etc., etc.
Isto é, a tendência de natureza «quase totalitária» de, a partir da parte a generalizarmos e estendermos ao todo, ignorando as razões do Outro, das outras partes.
E com essas generalizações vamos alimentando as formas de nos desentendermos.

Bmonteiro disse...

"Democracia, partido & família".
Fiz um curto apanhado sobre a forma lusitana de trabalhar num governo português:
Imagine-se, se multiplicado por dez ministérios.
Lista de assessores num determinado ministério:
8 altos (?) funcionários*
7 x 3.183,xx + 1 x 3.356,yy = 25.637e/mês = 307.644e/An (12 meses) + Secretárias & Cia. 1.230.576e/legislatura 4 anos.
*Sem qq intuito de defesa corporativa,
não há dúvida de uma coisa:
por isto e para isto, estão as FA a pagar a 8 oficiais superiores (2 a 3 mil euros) ainda que sub-ocupados na estrutura existente, no activo, ou na reserva.
Uma das boas razões para cortar efectivos (militares)**
**Corte que até serei capaz de admitir. Se.

O Liberal disse...

Querem um blog liberal a sério - http://www.retiroliberal.blogspot.pt/

Tavares Moreira disse...

Caro Pinho Cardão,

Como V. Exa. bem sabe, nestes países de cultura social à espanhola, não se usa o último nome de família. Assim, o meu amigo, em Espanha ou na Venezuela, será sempre D. António Pinho...Cardão é omitido.
Assim também, o falecido Presidente Chavez tinha como nome completo Hugo Chavez Frías (o apelido Frías jamais foi citado em público).
Pois bemn, parece que o novo Presdiente, interino por enquanto, se chamará Nicolas Maduro...Tinto!

José Gonçalves Cravinho disse...

Eu,um simples operário emigrante na Holanda desde 1964 e já velhote (quase 89 anos),verifico que os comentadores aqui nêste Blog,que mordem no falecido Chavez,alinham com a ideia do Tio Sam mafioso e fibusteiro que pretende o domínio do Mundo inteiro e é apoiante de Ditaduras fascistas e considera a América Latina,o seus Quintal das traseiras.