Número total de visualizações de página

segunda-feira, 16 de julho de 2007

A sustentável serenidade do povo de Lisboa

Na barafunda das eleições de Lisboa, das doze listas apresentadas, dos extravagantes candidatos e das pitorescas propostas, foi o povo que deu uma lição.
Absteve-se, porque pensou que as eleições foram mal convocadas.
Penalizou os partidos políticos, porque deu uma votação forte às Listas Independentes.
Deu a maioria relativa ao Partido Socialista, para castigar o PSD que provocou as eleições.
Não deu a maioria absoluta ao Partido Socialista, porque o quis punir pela instabilidade que gerou no período pré-eleitoral.
Desculpabilizou Carmona, a quem não atribuiu responsabilidades no sucedido.
Varreu o CDS, lembrado do vedetismo egoísta de Maria José Nogueira Pinto.
Manteve os restantes dois adereços, por habituação e para não incomodarem noutro sítio.
E, no fim, o povo social-democrata, através da votação em Negrão e Carmona, continua a ser maioritário em Lisboa.
Maioritário e lúcido!...

11 comentários:

Virus disse...

Tem piada que também é essa a leitura que fiz das eleições no que diz respeito à votação.

O que só vem demonstrar que há muitas pessoas do PSD que não estão nada contentes da forma que o partido está a ser dirigido e com as opções que são tomadas.

Dependendo do ponto de vista isto pode ser bom ou mau porque:

BOM - O partido e os seus apoiantes têm uma boa capacidade de apresentar alternativas coerentes e realistas no panorama politico nacional, e com este resultado deram um claro aviso à Direcção do partido que deve mudar de direcção;

MAU - O partido encontra-se num claro processo de fragmentação entre os "suspeitos do costume", que são os seguidores habituais do baronato (à espera de mais um lugar no poleiro-ou seja, em nada diferente do PS), e os "desalinhados" que são as forças que se mexem nas sombras e querem um PSD renovado e uma lufada de ar fresco no panorama político nacional (um pouco como um Bloco de Esquerda na direita mas sem ideias radicais nem extremismos- ou seja, ideias novas, frescas e aceitação da critica interna não como uma ameaça mas como uma oportunidade de crescimento).

A ver vamos o que o futuro reserva, sendo que a continuar neste caminho as legislativas 2009 nem sequer vale a pena pensar nelas.

Bom... é claro que também posso estar completamente errado! :)

Anthrax disse...

É... por acaso também vi as coisas assim.

Já no que respeita ao PSD, em si, quando deixarem de andar a brincar à política e começarem a trabalhar, da mesma maneira que trabalharam quando o Prof. Cavaco foi eleito para PM, eu volto a pagar as quotas.

Portanto, organizem-se como já o fizeram no tempo em que não estavam demasiado pesados para levantarem o «Real traseiro» da cadeira. Se estão obesos, façam dieta e ginástica, para verem o que custa ao comum dos mortais.

Até lá, se quiserem, tomem a iniciativa de me tirar do partido porque não vou, sequer, gastar dinheiro no selo.

Pinho Cardão disse...

Caro Vírus:
Creio que está certo e, para aclarar as coisas, falaria em baronatos, em vez de baronato...

caro Anthrax.
Vá lá, pague as quotas, é só 1 euro por mês...

Arnaldo Madureira disse...

Mesmo enquanto Cavaco fazia pela vida, alguns pseudo-social democratas faziam figas para ele não ganhar. Como fizeram figas ou mais do que isso para o Negrão ficar atrás do Carmona e como desejaram ardentemente que o Fereira do Amaral perdesse há 6 anos.

cmonteiro disse...

Eu não tiraria tantas conclusões, caríssimo Pinho Cardão. Eu creio mesmo é que já se está tudo "nas tintas" para a política.

Não me parece que o povo lisboeta tenha racionalizado tanto antes de decidir votar ou não votar.

Anthrax disse...

Dr. PC...

Na-na-na-na-na! Não me apanham mais nessa.

1º começam a fazer o trabalho como deve ser. Depois, eu pago.

Pinho Cardão disse...

Caro CMonteiro:
Não terá racionalizado tanto?
Talvez não. Então foi intuição!... Não foi António Damásio ensinou que a emoção até conta mais na decisão que a razão?

Rui Fonseca disse...

Caro Pinho Cardão:

"E, no fim, o povo social-democrata, através da votação em Negrão e Carmona, continua a ser maioritário em Lisboa."

Há, deves concordar, algum exagero da tua parte. Porque se esta adição que fazes é legítima com quem somas os votos na Roseta?

A mim, que não sou partidário (mas também não me orgulho disso, sou porque não sou, só isso)causa-me sempre algum espanto o desplante dos discursos e dos comentários na ressaca das eleições.

A constatação socialista (mas também do Júdice) de que a vitória de Costa é retumbante porque há 31 anos que os socialistas não ganhavam Lisboa sózinhos, é um insulto a qualquer inteligência mediana.

Em Agosto do ano passado, o Washington Post publicou um artigo interessante (do meu ponto de vista, claro) acerca destas leituras e reacções partidárias.

Podes vê-lo, transcrito, em
http://aliastu.blogspot.com/2006/08/antolhos.html

Deixo um excerto aqui:

Psychological experiments in recent years have shown that people are not even-handed when they process information, even though they believe they are.
(When people are asked whether they are biased, they say no. But when asked whether they think other people are biased, they say yes.) Partisans who watch presidential debates invariably think their guy won. When talking heads provide opinions after the debate, partisans regularly feel the people with whom they agree are making careful, reasoned arguments, whereas the people they disagree with sound like they have cloth for brains.

Unvaryingly, partisans also believe that partisans on the other side are far more ideologically extreme than they actually are, said Stanford University psychologist Mark Lepper, who has studied how people watch presidential debates.

Although it is satisfying to think that your side is right and the other side consists of morons, the systematic errors that can be documented in partisan perception suggest something deeper than deliberate tunnel vision.

Pinho Cardão disse...

Caro Arnaldo Madureira:
Pois tem toda a razão!... Eventuais erros de MMendes não justificam a alegria dos seus opositores!...

Caro Rui Fonseca:
Apesar de as coisas não serem bem iguais, tem sentido a tua observação.
Essa foi a minha interpretação, mas outras são possíveis...

Suzana Toscano disse...

Racionalmente, também acho que o Pinho Cardão faz uma boa leitura, embora me custe bastante alinhar o Carmona com o Negrão, nem percebo com que cara é que Carmona se apresenta na Câmara, como se não tivesse tido mesmo nada a ver com tudo o que se passou. Um lamentável Calimero, como já vimos um com a mesma mania, quando é que esta gente sai da frente? Note-se que não estou a referir-me à moda dos arguidos, não era esse o motivo que o teria feito cair se não houvesse muitos outros, sobejamente relatados por quem o conheceu no terreno.
Mas, por muito que me custe, acabo por concordar com cmonteiro, se calhar as pessoas já nem perdem tempo com raciocínios e viram mas é as costas a tanta trapalhada que não entendem nem é possível alguém entender...Muito triste, sem dúvida, não só para o PSD.

cmonteiro disse...

Honestamente, é o que eu acho cara Suzana. É claro que o coração tem razões que só o António Damásio conhece. Mas...