Número total de visualizações de página

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Uma tartaruga em cima de um poste...


Recebi hoje uma pequena "fábula" que circula na Internet. E como acontece com as fábulas, o seu desenlace reflecte normalmente uma lição moral... Achei muita piada à fábula que vou contar, porque encerra justamente uma grande verdade...
O seu autor - desconhecido - sabia bem o que estava a escrever. É afinal uma "fábula" com muito de real no mundo da (real) política... E não só!

Enquanto suturava um ferimento na mão de um velhinho, cortada por um caco de vidro, o médico e o paciente começaram a conversar sobre o país, sobre o governo e sobre a oposição.
O velhinho disse:
- Bom, o senhor doutor sabe, os governantes são como as tartarugas em cima de um poste...
Sem saber o que o velhinho quis dizer, o médico perguntou o que significava uma tartaruga em cima de um poste.
E o velhinho respondeu:
- É quando o senhor doutor vai por uma estrada, vê um poste e lá em cima tem uma tartaruga a tentar equilibrar-se. Isso é uma tartaruga em cima de um poste.
Diante da cara de interrogação do médico, o velhinho acrescentou:
- Você não entende como ela lá chegou;
Você não acredita que ela esteja lá;
Você sabe que ela não subiu para cima do poste sozinha;
Você sabe que ela não deveria, nem poderia lá estar;
Você sabe que ela não vai fazer absolutamente nada enquanto lá estiver;
Você não entende porque a colocaram lá.
Então, disse o velhinho, tudo o que temos a fazer é ajudá-la a descer de lá e providenciar para que nunca mais suba, pois lá em cima definitivamente não é o seu lugar!

Depois desta pequena história, cada um fará o exercício de pensar quantos velhinhos sabem o que é uma tartaruga em cima de um poste, quantos médicos ainda não descobriram essas tartarugas e quantas tartarugas estarão, neste momento, em cima de um poste!

7 comentários:

antoniodasiscas disse...

Cara Margarida
Pessoalmente aprecio imenso este género de exposição figurativa, através da qual se proporciona,com apreciável pertinência, a tomada de uma imaginação sempre bem vinda, relativamente a factos, esses bem reais. Repare-se também,a quantidade de perspectivas, desde a social à política, - é daí que o texto seja de uma felicidade a toda a prova - que podem ser chamadas à colação neste contexto, particularidade esta que de resto diverte certamente quem, com um certo espírito de humor, ensaiar o encontro de figuras políticas,ou públicas, portuguesas que queiramos ou não, são nas condições expressas na "fábula", perfeitas tartarugas, diria até que,algumas sem sequer terem um poste para praticar o seu " exercício". E assim vai a governação do país, sempre aos bordos, atacada, dir-se-ia, de "síndrome vertiginoso".

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Caro antoniodasiscas
É bem verdade que algumas tartarugas não têm sem sequer um poste para praticar o seu " exercício". E outras são verdadeiras profissionais do malabarismo. São muito espertas e a experiência de muitos anos ensinou-as a estarem em permanente equilíbrio em cima do poste!
E muito bem vista essa da governação do país, sempre aos bordos, atacada de "síndrome vertiginoso"!

Suzana Toscano disse...

Tartarugas em cima do poste ou elefantes a voar, o que é que não vimos já? A verdade é que a política não se pode esgotar nesse síndrome vertiginoso, se elas conseguiram subir é porque alguém as ajudou mas depois ficam cá em baixo a abanar o poste com toda a força para ver se elas caem como tordos, e não se passa disto...É cansativo.

Tonibler disse...

...e temos o caso do Menezes em que um médico é uma tartaruga em cima dum poste à espera da oportunidade de cair em cima do velhinho.

Bartolomeu disse...

Derrepentinha até presumi que a fábula se aplicaria ao sô inginheiro (picareta arrogante? como o definiu P.P), e que haveria um erro de nomenclatura, absolutamente desculpável e que não se tratasse de uma tartaruga, mas sim de um cágado. Mas, pensando melhor... se ele lá está foi lá colocado, guindado a votos, esses que estranhamente as sondagens (?) continuam a indicar como da maioria. Isto sim, isto é que eu considero um verdadeiro fenómeno. Tambem ha uma outra espécie de cágados, os paraquedistas, alguns até se lançam mesmo sem para-quedas.
Que país este, que gente esta...

Salvador Massano Cardoso disse...

Não sei se as tartarugas sofrem de vertigens. Mas se sofrerem resolvem facilmente o problema. Metem-se dentro da casinha! No entanto, apelo a que os meninos “Zéquinhas” não se lembrem de abanar o poste, porque as tartarugas obedecem, ainda, à lei da gravidade e podem ferir-se na queda. O melhor é utilizar umas escadinhas e, com muito jeitinho, ajudá-las a descer, colocando-as no seu verdadeiro meio ambiente. Afinal têm direito à vida...

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Suzana
É mesmo cansativo mas ao mesmo tempo absurdo colocar uma tartaruga em cima de um poste e depois ficar cá em baixo a abanar o poste para fazer cair a tartaruga! Não parece fazer muito sentido!? Algo de irracional move este tipo de comportamento.

Caro Tonibler
Ele há médicos, engenheiros, arquitectos e outros cidadãos "qualificados" que não se importam de ser tartarugas ou então não têm consciência de que são verdadeiras tartarugas. Triste desconhecimento de si próprios!

Caro Bartolomeu
Há tartarugas em cima de um poste que são verdadeiros fenómenos. Algumas são mesmo paraquedistas!
Estou a lembrar-me de algumas...

Caro Professor Massano Cardoso
Se as escadas ajudarem à descida, sem ser necessário abanar o poste, porque não ajudar as tartarugas a retomarem o seu habitat sem uma cabeça partida!? Concordo...