Número total de visualizações de página

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Questão de preferência


Informam-me que a senhora Ministra da Justiça disse hoje - no seio dessa "natureza morta" em que se transformou a cerimónia da abertura do ano judicial -, que é proibido deixar de acreditar na justiça. Ótimo soundbite  condenado a fazer manchetes. Pela minha parte preferiría que a Ministra proibisse a justiça de se desacreditar a si mesma.

4 comentários:

Tonibler disse...

Estou lixado... isto quer dizer que vou ser obrigado a descobrir o que quer dizer "destranhado"??

JM Ferreira de Almeida disse...

"Destranhado" não, dessa está livre. Mas está proíbido de desistir de saber o que é "desentranhado"...

Tonibler disse...

Nop, era mesmo destranhado...Qualquer coisa que ia ser destranhada do processo...

Sim, eu meti num corrector automático,mas voa parte do texto dava erro por as palavras escritas pelo juiz não constarem do dicionário. Certamente por ser um dicionário para gente chunga como eu e não um dicionário para doutores de direito.

Só fiquei com essa na cabeça, mas como não entendi uma única linha da carta que me mandaram pensei "que se lixe, não devo ir preso por causa deste estúpido". Agora, se passar a ser obrigatório levar a sério essas coisas começo a ficar preocupado. Como é que este país se vai habituar a ter justiça? É que já estamos acostumados, eles fazem que trabalham e nós fingimos que eles existem.

Suzana Toscano disse...

se calhar quem não tinha o corretor era o juíz, caro Tonibler :)