quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2006

Casamentos entre homosexuais

Image hosting by Photobucket

Em cerca de 30 anos o número de casamentos celebrados em Portugal foi reduzido a metade.
Se os heterosexuais portugueses recorrem cada vez menos ao casamento e cada vez mais à união de facto, o que é que levará os homosexuais a reivindicarem precisamente o contrário?
Espírito de contradição? Ou oportunismo mediático?

10 comentários:

bota disse...

deixa lá ...
cada um faz o que quer.
o casamento só traz redução de devoluções no irs...

Marga disse...

Em minha opinião não se trata de espirito de contradição nem de oportunismo mediático.
Penso que, o que esssas pessoas procuram é terem os mesmos direitos e obrigações, a coberto da lei, que os casais de caris heterosexual, quer estes estejam casados de papel passado ou em união de facto.
Eu não tenho a certeza, mas julgo que a instituição "união de facto", criada precisamente para garantir alguns direitos aos casais heterosexuais que não se tenham casado, exclui os casais homossexuais.
Ora a lei não deve ser discriminatória com base na opção sexual.
Se a lei permite o casamento entre duas pessoas de sexo diferente porque é que há-de vedar o acesso a esse instrumento, a duas ou eventualmente a mais pessoas do mesmo sexo ou de sexos diferentes?
Se o problema é o vocábulo, "casamento" invente-se outro, o que não se pode limitar é o direito à expressão, perante a sociedade e a lei, da situação familiar que escolheram e a usufruírem das mesmas regalias que os considerados "normais".
É a liberdade de escolha que está vedada a esses cidadãos. Liberdade que a lei não limita aos heterosexuais.

Paulo Pisco disse...

Caro Prof. David Justino

Quando o direito à diferença passa a ser uma obcessiva procura igualitária dá nisto.

Ver post http://memoriasdeadriano.blogspot.com/2005/09/o-direito-diferena.html#comments

Tonibler disse...

Acho que aquilo que os leva a revindicarem o contrário é problema deles, não é? E cabe-nos a nós, cidadãos, garantir que só dependa deles e não de nós, certo?

Adriano Volframista disse...

Caro Prof D Justino

Por favor, mas este tema é uma completa imbecilidade e, como não temos mais nada para comentar ou tratar, dedicamo-nos a estas cretinices, pena é que tantos se sujeitem a tão pouco.
Vão lá perguntar a um habitante de Chelas sobre esta trampa que ele responde à letra

Cumprimentos e por favor ignore

Adriano Volframista

Antonio Almeida Felizes disse...

Reflexão - a poligamia é bem mais nociva à noção tradicional de casamento do que a homossexualidade.

Suzana Toscano disse...

Essa reflexão é interessante em altura de confrontar noções e as tornarmos em convenções. Se o casamento heterosexual é uma convenção sem sentido, também a monogamia poderá ser. Onde está o limite?

Tonibler disse...

Cara Suzana,

O limite já é conhecido por todos nós há muito tempo. O limite dos meus direitos são os seus. Enquanto não pisar os direitos de ninguém não há limites para os meus.

Suzana Toscano disse...

Caro Tonibler,
essa sua tese agrada-me muito e gostaria que fosse possível. Mas não é realista...

Rivera disse...

Não percebo o porquê de tanta confusão, na minha opinião os homosexuais deviam ter tanto direito ao casamento como qualquer cidadão que gosta de se chamar de "normal".
Já agora, concordo plenamente com o comentário do antónio almeida felizes.

http://blasfemias.net/