quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2006

Os exames do 12.º ano e o regresso do facilitismo

Terá passado ao lado da maioria dos interessados algumas das alterações ao regime de exames dos cursos de nível secundário. A polémica centrou-se muito sobre a eliminação dos exames a Português e Filosofia o que deu para distrair de outras alterações aparentemente menos polémicas.
Uma delas cria uma situação muito simples de descrever: enquanto um aluno dos cursos científico-humanísticos (antigos cursos gerais) terá de efectuar quatro exames para concluir o ensino secundário e assim poder candidatar-se ao ensino superior, a um qualquer aluno dos restantes cursos (tecnológicos, profissionais, artísticos especializados, ensino recorrente) bastará realizar um (no máximo dois) exames para concorrer a um mesmo curso superior.
Já estou a imaginar as transferências aos magotes para cursos do ensino recorrente e outros de forma a elevar as classificações de acesso e a reduzir o número de provas a realizar.
O Ministério da Educação parece não ter aprendido nada com o passado escândalo do ensino recorrente. Dá mesmo para pensar que é de propósito e o que se deseja é descredibilizar as avaliações com base em exames.

5 comentários:

Tonibler disse...

Desculpe lá, djustino, que não sei de também se passou no seu tempo ou não, mas isto é a história da função social do estado português. Onde era preciso mais atenção, tira-se exigência. Sempre foi assim, em todas as áreas e não me lembro de um único caso ao contrário.

Marco disse...

O facilitismo começa logo no 1ºciclo, algum dia tinha de chegar ao Secundário. Quando os alunos abrangidos pela escolaridade obrigatória até ao 12ºano começarem a chegar ao secundário é que vai ser bonito...

yazalde disse...

Facilitismo? Alguem acha que um aluno que estude eletronica ou mecanica tem de continuar a ser avaliado em competencias como o portugues ou a filisofia, quando passa o tempo a estudar matematica, fisica ou sistemas digitais?

adkalendas disse...

Caro Dr. Justino
concordo plenamente consigo. É lamentável que mais uma vez se tomem decisões políticas sem antever as suas implicações.
COmo professor com larga experiência no ensino recorrente nocturno, já antevejo a transferência de alunos do dia para o recorente nocturno, para fugirem a exames.
Nós, os professores, já estamos habituados a decisões deste tipo, infelizmente.

albertopdesousa disse...

Aproveito para agradeçer-lhe pessoalmente, com todo o respeito, pela corajosa decisão de repor a verdade nos concursos de acesso ao ensino superior do ano léctivo de 2001/02. Frequento neste momento o 3º ano de Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, onde, aliás, já tive o prazer de assistir às aulas do Professor Massano Cardoso que também saúdo, e devo-o a si.
Disse que o faria, acreditei nas suas palavras e hoje, perdoe-me o cliché, persigo o meu sonho diariamente graças a si.
O que fêz mudou a minha vida.

http://blasfemias.net/