segunda-feira, 7 de julho de 2008

…Sexo é do bom; Amor é do bem...

O Velho Testamento é rico em histórias eróticas e apresenta Deus meio obcecado com o sexo! Lá devia ter as suas razões. A este propósito, o livro “Contos Eróticos do Velho Testamento", de Deana Barroqueiro, descreve algumas passagens da Bíblia, interessantemente romanceadas, de modo a por a descoberto algumas malandrices e explicações para tão curiosas iniciativas. Aquela de Abrãao ser pai aos oitenta e muitos anos de Ismael e aos cem de Isaac tem muito que se lhe diga. O que é certo é que há passagens em que são referenciados afrodisíacos como as mandrágoras. Caso de Raquel ao dirigir-se a Léia: “Dá-me, peço, das mandrágoras de teu filho. Ao que lhe respondeu Léia: É já pouco que me hajas tirado meu marido? queres tirar também as mandrágoras de meu filho? Prosseguiu Raquel: Por isso ele se deitará contigo esta noite pelas mandrágoras de teu filho” (Génesis 30:15). Às tantas Abraão deverá ter tomado o equivalente do Viagra na altura! E mesmo assim...
Afrodisíacos foram e são comuns desde a noite dos tempos. É muito provável que as primeiras formas de organização social, que estiveram na base da criação das primeiras cidades, tivessem dedicado particular atenção à procura de substâncias vegetais das mais diversas. Não há cultura que não use vários tipos de substâncias com o objectivo de estimular a atracção sexual, porque isto de fazer sexo é mesmo bom e com consequências muito positivas na saúde dos indivíduos. Uma análise mais detalhada deixa-nos de boca aberta, não porque duvidamos dos seus efeitos, mas pela variedade e amplitude dos mesmos. Sexo queima calorias, logo é óptimo para reduzir o peso e combater a diabetes e a hipertensão. Sexo estimula o sistema imunológico ao ponto de ajudar no combate às constipações e outras infecções. Sexo reduz o risco de cancro, devido à estimulação imunológica e através de mecanismos ainda não totalmente esclarecidos. Veja-se o caso do cancro da próstata cuja prevalência é de um terço nos homens com ejaculações frequentes. Mas o sexo também reduz a ansiedade, as doenças psiquiátricas, a depressão e o suicídio, além de melhorar a imagem corporal e estimular a auto-estima. As situações stressantes são cada vez mais comuns, mas no caso de prática sexual com frequência, então, é muito mais fácil lidar com as mesmas. Mas também ajuda a combater situações dolorosas desde lombalgias, enxaquecas e síndromas pré-menstruais. Estudos realizados durante mais de 10 anos permitiram concluir por uma redução da mortalidade em 50% e da incidência da doença isquémica e acidentes vasculares cerebrais. Esta síntese, fruto de vários trabalhos, pressupõe algo que, intuitivamente, todos já deveríamos “saber”. Que sexo é bom!
Lembram-se da canção de Rita Lee, “Amor e Sexo” de Arnaldo Jabor?
... Amor é para sempre
Sexo também
Sexo é do bom
Amor é do bem...
Pois bem, face ao descrito, e atendendo às queixas de muitos doentes, que aumentam de dia para dia, devido ao facto dos fármacos para a disfunção eréctil serem caros e não comparticipados, pergunto por que é que o Governo não comparticipa este tipo de terapêuticas? Por que é que os partidos com assento na Assembleia da República ainda não se lembraram de legislar ou propor um projecto de resolução nesse sentido? Com tantos efeitos positivos, em termos de saúde, e até na auto-estima, o Governo pouparia "toneladas" de euros, evitaria muitas patologias e contribuiria para a felicidade dos portugueses.
Se fosse convidado para ajudar a elaborar um programa de governo daria esta sugestão. Imaginem uma divulgação neste sentido. Centenas de milhar de votos potenciais! Se não houver grande interesse pela saúde e bem-estar de muitos compatriotas, pelo menos existe um potencial político nada desprezível, mesmo para aqueles que, neste momento, se “excitam” com o afrodisíaco do poder...

6 comentários:

Tonibler disse...

Hum...Deixe cá pensar...Um político que arrisque falar em sexo sem ser para condenar...Talvez um que não entre pelo moralismo da carneirada...Um que não tenha medo dos bispos...


Não, não estou a ver. Não existe!

Pinho Cardão disse...

Caro Professor:
O meu amigo tem vindo a escrever e a prescrever no 4R o melhor Plano de Governo de sempre para a área da saúde.
Tem abrangido todos os segmentos, desde a medicina preventiva à curativa e vem abrangendo todas as patologias. E com a vantagem de não custarem muito ao SNS!...
O meu amigo citou a Bíblia; pois os seus posts deveriam, por dogma da Assembleia da República, ser a Bíblia de qualquer Ministro da Saúde!...

Caro Tonibler:
Não creio que seja assim. Mas, se assim for, só significa que os nossos políticos e os nossos bispos conhecem pouco a Bíblia e conhecem demasiado as disposições regulamentares restritivas que se foram acumulando ao longo dos séculos e formaram determinada maneira de pensar e agir. Alguns textos bíblicos, portanto "sagrados",cantam o amor livre de preconceitos e encerram das mais belas poesias eróticas de toda a literatura.
A pregação da Igreja está nos antípodas desses textos.
Pelo que, como em tudo, no meio é que está a virtude!...
Como tal, a máscula proposta do Professor faz todo o sentido.
Nomeadamente se tivesse como introdução, por exemplo, o Cântico dos Cânticos", atribuído a Salomão.

"...O teu umbigo é uma taça arredondada, que nunca está desprovida de vinho. O teu ventre é como um monte de trigo cercado de lírios.
A tua figura é semelhante a uma palmeira. Subirei à palmeira, e colherei os seus frutos.Os teus seios serão, para mim, como cachos de uvas, e o perfume da tua boca como o das maçãs.
O teu paladar é como o bom vinho, escorrendo directamente para o meu amante, até abrir lábios adormecidos.
Eu sou do meu amado e o seu desejo está em mim
Anda, meu amado, saiamos para os campos
Dormiremos nas aldeias, madrugaremos nos vinhedos
Veremos se a vinha lançou rebentos, se abrem as suas flores
Se despontam as romanzeiras
Lá darei o meu amor para ti!…"

Que mais seria preciso para ganhar eleições?

cmonteiro disse...

Isto vai descambar...

Paulo disse...

Caro Pinho Cardão,

Bem vejo que o casamento do seu filho teve efeitos. Não conhecia o seu "amor" pela poesia. Só tenho pena que não cite algo mais nacional como uns sonetos do Bocage ;) Acho o antigo testamento pouco patriótico!

Eu pessoalmente não concordo com o tom geral. Já atentaram nas consequências de distribuir viagra a todos os reformados e velhinhos de Portugal? Iam derreter a reforma alimentando a industria do sexo, mais clientes no banco alimentar, casamentos por água abaixo, sida, pedofilia...

Uns amigos meus conhecem um caso de um "velhote tarado sexual". Estranhamente só lhe deu para isso depois da reforma...

Atenção às caixas de Pandora... já agora por falar em Pandora, caro Massana Cardoso, o seu post não refere as descendentes de Pandora. O que sugere para elas?

Cumprimentos,
Paulo

jotaC disse...

Este Rei Salomão sabia da poda...e sabia beber vinho numa taça de qualidade!
:)

Usuale disse...

Soneto do Amor

Este infinito amor de um ano faz
Que é maior do que o tempo e do que tudo
Este amor que é real e que contudo
Eu já não cria que existisse mais.

Este amor que surgiu insuspeitado
E que dentro do drama fez-se em paz
Este amor que é túmulo onde jaz
Meu corpo para sempre sepultado.

Este amor meu é como um rio; um rio
Noturno, interminável e tardio
A deslizar macio pelo ermo...

E que em seu curso sideral me leva
Iluminado de paixão na treva
Para o espaço sem fim de um mar sem termo.


Autor: (Vinícius de Moraes)

Foi retirado pelo site:

http://www.ziipi.com/result?pesquisa=poesia+de+amor

http://blasfemias.net/