Número total de visualizações de página

segunda-feira, 28 de março de 2011

Europa: sinais de mudança

Fraqueja o eixo franco-alemão com os sinais de impopularidade dos líderes nos respectivos Estados. Alemanha e França parecem cansados dos seus dirigentes, o que equivale a prazo a uma mudança na liderança efectiva da Europa.
Na Alemanha, os Verdes impõem à chanceler Merkel um derrota no poderoso Lander de Baden - Württemberg, impensável há não muito tempo  A somar às derrotas na Renânia do Norte - Vestefália e Hamburgo.
Em França e nas eleições regionais o partido de Sarkozi obtém metade dos votos do PSF, com a extrema-direita a atingir cotações eleitorais que chegaram a 40% nalgumas circunscrições.

É cedo para perceber se estes sinais se refletirão nas políticas europeias pensadas para consolidar a zona euro. Mas não me espantaria que em próximos actos eleitoriais nestes Estados nucleares na actual UE, os partidos no poder venham a trilhar o caminho, eleitoralmente mais seguro, do abandono do sul da Europa à sua sorte.

8 comentários:

Anthrax disse...

Caro Dr. JMFA,

Estarei a vislumbrar aí um lencinho para limpar uma lagrimazita?

Afinal quem é que aqui tem de "arranhar"? Somos nós ou são eles? É verdade que o eixo franco-alemão é - historicamente - pouco sustentável (até porque os alemães só ficam contentes quando passam por baixo do arco do triunfo com um exército ou dois), mas nós somos - seguramente - uma catástrofe.

Nós não podemos estar sempre à espera que nos venham socorrer. Os tipos dos Pirinéus para cima, organizam-se e têm politicas concertadas(então os norte da europa são impressionantes). Dos Pirinéus para baixo é a aldeia dos macacos. Políticas concertadas, nem se sabe o que é e organização é um mito.

Rui Fonseca disse...

"os partidos no poder venham a trilhar o caminho, eleitoralmente mais seguro, do abandono do sul da Europa à sua sorte."

Parece-me uma predição excessiva, por um lado, mas benevolente, por outro.

Excessivo, porque o Sul não está condenado a uma sorte madrasta por capricho dos deuses.
O Sul também tem vantagens por estar a sul. Se a complacência do crédito dos vizinhos de Norte parece estar a esgotar-se, o Sul pode e deve responder ao desafio, trabalhando mais. A posição geográfica não é um handicap insuperável. Afinal de contas, não foi também o excesso de crédito concedido pelo Norte que exacerbou as preferências mais hedonistas do Sul e o induziu para a situação de falência financeira e económica?
Benevolente, porque o avanço da extrema-direita na Europa pode ter consequências dramáticas para a paz na Europa.
Tendo a sua origem no pós-guerra com o objectivo de evitar um novo conflito generalizado na Europa, a União Europeia é uma construção gravemente ameaçada com o avanço da extrema-direita pelo racismo e pela xenofobia.
O mais grave não é que o Norte suspenda o crédito ao Sul (pode até ser uma oportunidade para o Sul) mas que no Norte comecem por expulsar os do Sul e depois passem a eliminá-los.
Exageros de uma tarde cinzenta?
Nunca se sabe onde param as consequências da estupidez humana colectiva. Sabe-se como começam.
É assim.

Bartolomeu disse...

Nós, uma catástrofe, querida Anthrax???
Desculpe lá, mas não está a ver bem a "coisa".
Desde os tempos de Deu-La-Deu Martins e do cerco à vila de Monção, que não paramos de enganar os sitiantes, fingindo-nos catastróficamente arruinados, mas afinal, abundantemente recheados.
Ainda hoje, recebemos o principe Charles e a duquesa da Corno-qualquer-coisa que não me recordo agora o quê, e já lhe vamos oferecer um banquete logo à noite. A seguir, virá a sô dona Dilma, e lá vai barão... quero dizer... mais um banquete.
Ora diga lá querida Anthrax se afinal de contas, não jorramos abundância por todos os poros?!

Anónimo disse...

Não, meus caros Amigos. Procurei que este apontamento fosse neutro. Por isso nem lágrimas, nem benevolência, admitindo embora que o futuro venha a ter esta despretensiosa nota como excessiva.
Lágrimas não, até porque não tenho particular simpatia por Sarkozi e pelos dirigentes que lhe copiam o estilo. Em especial, entre nós.
Benevolência também não, porque ciente do risco de termos uma extrema direita com acesso ao poder, certo é que esse risco é fruto da incapacidade e mesmo da incompetência das lideranças actuais, sobretudo dos governos em quem a classe média do centro europeu confiou.
Mas como não acredito nem no determinismo histórico nem em genes colectivos, estou com ambos quando defendem que a sul há que procurar o caminho sem tutelas. Receio é que não seja este o momento para reclamar a carta de alforria. Mas essas são contas de outros rosários...

Anónimo disse...

Caríssimo Bartolomeu, princesa corno-qualquer-coisa é de antologia!

Adriano Volframista disse...

Caro JMFAlmeida
Sobre o eixo franco alemão e sobre o devir eleitoral alemão, não tenho, ainda elementos que me permitam comentar o seu post.
Já sobre França a questão fia um pouco mais fino.
M. Le Pen é incomparávelmente mais esperta e politicamente mais "sage" que o seu pai (e olhe que o "velho" Le Pen é um fino. político), como têm demonstram as sondagens e recente vitória.
Com um pouco de sorte "empurra" Sarkozy para fora da corrida eleitoral e "coloca" Martine Aubry na calha, "fechando" o caminho a DSK (D.Strauss-Khan). À direita françesa pode só restar apoiar FFilou e, desse modo, evitar
um descalabro que pode implicar a implõsão da UMP.
Curiosamente, M. Le Pen sugeriu que os países do Sul, em conjunto com a França saíssem do euro......curioso não? Seria, para nós, uma estreia, em 150 anos de história sempre alinhámos economica e financeiramente com os anglo saxões
Cumprimentos
joão

Bartolomeu disse...

Foi erro de escrita, caro Dr. José Mário. Deveria ter escrito Cornu...

Bartolomeu disse...

Ainda não compreendi muito bem, porque motivo andamos tão preocupados com a economia e o défice e o pib e o Sócrates e o Passos e o eixo e o... (agora esqueci-me do que ia escrever).
Nós temos é de estar felizes porque o Dias ferreira não ganhou as eleições para presidente do Sporting.
E porquê?
Porque assim, o grande General de Balneário (balneário, é um ramo das forças armadas criado este mês) estará disponível para concorrer às próximas eleições legislativas e, depois de eleito, colocar em prática o seu projecto de trazer para Portugal o maior jogador Chinês da actualidade e com ele, voos charter consecutivos, carregados de chinocas, carregados eles próprios de dolars euros e outras fortunas que irão esbanjar nos nossos hoteis, restaurantes e museus.
Ora vejam por favor, e digam lá se não gente neste país com uma capacidade empresarial caté deixa uma pessoa cos olhos em biko...
http://www.youtube.com/watch?v=HbfViOb7Mgs