Número total de visualizações de página

terça-feira, 29 de março de 2011

Sobrinho Simões: notável entrevista

Jornalista: Pensa que esta crise vai ser pior do que as outras?

- Penso, infelizmente sim. E quando ouço os economistas falarem ainda fico espantado. Como é que eles não se aperceberam de que aumentando progressivamente o défice tínhamos uma receita para o desastre?

Jornalista: Afirmou várias vezes que o que de melhor nos aconteceu foi a entrada no euro. Foi uma oportunidade perdida?

- Foi uma oportunidade muito mal aproveitada, mas teria sido muito pior para o país e para os portugueses se não tivéssemos entrado...Prefiro ficar sob o domínio da Europa do que ficar apenas entregue aos jogos políticos portugueses.

Jornalista: Os portugueses são condescendentes?

- Pior, nós admiramos o sucesso do aldrabão. Em Portugal não há censura social para a esperteza saloia nem para a corrupção a que passámos a chamar informalidade. Pelo contrário, admiramos os esquemas, os expedientes. Vivemos deles.

Sobrinho Simões, Prof. Catedrático de Medicina, Prémio Pessoa.

Apenas um comentário a tão notável entrevista. Admira-se Sobrinho Simões que os economistas não tenham percebido que, aumentando o défice, tínhamos uma receita para o desastre. Nada de admirar. Quem suportou a receita do governo foram os "grandes economistas" deste país. Os que a rejeitaram e criticaram eram logo acusados do crime de serem neoliberais.

4 comentários:

Eduardo F. disse...

Ele há os economistas e há os cainesianos. De notar que a variante tuga destes últimos é das mais gravosas.

skeptikos disse...

«o governo pretende retirar cerca de 5000 milhões de euros à economia»
Beliscando as 639 Fundações 639 fundações (que ninguém sabe ao certo para que servem), os 349 Institutos, as inúmeras Direcções Regionais/Gerais, Governos Civis, Reguladores, Inspecções, Fundos, Missões, Conselhos, PPP… enfim, um cem número de órgãos parasitários que nos sufoca em despesa supérflua, impostos e taxas?

Anthrax disse...

Nota: E o PEC 4 não pretendia "abolir" nenhum organismo, muito pelo contrário, ainda se propunham a criar - pelo menos - mais um.

Caboclo disse...

OT
Seria muito bom este blog dar a sua opinião sobre :
-
A prudência da realização imediata de uma auditoria independente às contas do Estado

A incerteza da preferência do eleitorado português, manifestada nas sondagens (como a última da Intercampus, na TVI, de 27-3-2011), recomenda a realização imediata de uma auditoria independente às contas do Estado, por uma equipa da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (do Parlamento), pelo Banco de Portugal e Tribunal de Contas, a publicar antes do início da campanha eleitoral. Para que as eleições sejam livres e justas o povo tem de ser informado, com verdade, sobre a situação efectiva das contas do Estado, que o Governo esconde. Se o PSD propuser essa auditoria imediata, o CDS, o Bloco de Esquerda e o PC apoiarão essa proposta.

A auditoria pré-eleitoral não piora a situação financeira do Estado e resolverá a questão política.

http://doportugalprofundo.blogspot.com/