Número total de visualizações de página

domingo, 9 de junho de 2013

A escola "inclusiva"

São indisciplinados na escola e nada lhes acontece.
Depois, sobem a parada e interrompem e desrespeitam o professor. Mas a escola é inclusiva e compreende a rebeldia.
Passam ao bullying sobre os colegas mais fracos, que não se queixam, com medo de levar mais. E, se se queixam, ainda apanham por cima. A escola continua inclusiva.
Como não há sanção ou ela é de brincar, que a sanção também deve ser tipo lúdica, segundo a moderna pedagogia, passam à agressividade verbal e até  física sobre os  professores. Mas o “ensino” é obrigatório e a escola tem que os manter.Tornam-se os donos do estabelecimento e assim tudo lhes é permitido.
A violação das e dos colegas, na própria escola, é apenas uma etapa técnica. Como agora na Amadora. Ouvi uma professora dizer que não é caso único. Pois não é. Como mero exemplo, aqui vai outro caso. Claro que continuarão com local garantido e seguro para tais proezas. Até ao fim da escolaridade obrigatória.
Ao saírem, trazem a escola toda cá para fora. E bem preparados para os mais altos voos de grande inclusão social. Certamente ao abrigo das melhores interpretações do Estatuto do Aluno e dos seus inalienáveis direitos.
Entretanto, os Sindicatos vão promovendo greves. De facto, os alunos são um aborrecimento. Os que querem aprender e exigem a presença dos professores. Os outros dispensam-nos bem.

1 comentário:

Tavares Moreira disse...

O indispensável rigor na gestão das escolas está hoje fortemente condicionado pela acção deletéria da comunicação social: um acto de exigência, por mais simples que seja, é imediatamente promovido a acto de violência ou de abuso do poder e os interessados nessa promoção sabem que podem sempre contar com a presença prestimosa de um canal de TV para acudir às "vítimas"...
Nestas condições, resta como prémio de consolação essa bela teoria da inclusividade que, como se vê, vai dando um resultadão...