Número total de visualizações de página

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Estado do tempo influencia ou não a actividade económica?...

1. Nos meus já longínquos tempos de estudante de Economia (FEUP), aprendi que o estado do tempo constituía um factor com influência no nível de actividade económica, actuando por exemplo sobre a parcela do rendimento afecta ao consumo (numa altura em que essa parcela, por estranho que pareça, era ainda inferior a 100%:..) mas podendo também influenciar a produção em alguns sectores de actividade mais expostos ao tempo...
2. Entretanto, confesso que passei a dar menos atenção a esta componente meteorológica entre os factores da actividade económica – talvez por influência das teses ultra-liberais e monetaristas, não excluo – pelo que a relevância desse tema, pelo menos na minha percepção, passou para 3º plano.
3. Mas eis que uma declaração do Ministro Vitor Gaspar, na semana passada, em pleno Parlamento, reconhecendo ter havido influência das condições do tempo na contracção da actividade económica, superior à esperada (em termos homólogos), no 1º trimestre de 2013, teve o condão de puxar este tema para a ribalta...
4. ...logo muitos comentadores e analistas, para além dos habituais políticos profissionais, criticaram em tom jocoso as declarações do Ministro, procurando ridiculariza-las e acusa-lo de procurar desculpa para um mau desempenho da actividade que, nas suas refinadas análises, se deve exclusivamente ao fanatismo neo-liberal do Ministro...
5. Mas entretanto, para surpresa minha, encontrei ontem num relatório de conceituada empresa britânica de informação económica, a propósito dos sinais de forte retoma da actividade industrial na Alemanha e noutros países da Europa (França incluída atenção), esta explicação para o menos bom desempenho de alguns sectores no 1º trimestre: exactamente o factor meteorológico, de inverno mais rigoroso do que o habitual, que teria afectado especialmente a construção civil...
6. E maior é a surpresa quando hoje, no DE on-line, encontrei a notícia de que as vendas da conhecida cadeia de vestuário espanhola Zara teriam sido prejudicadas, nos últimos meses, pelas condições do tempo, que terão atrasado, por exemplo, as compras de roupa de Verão...
7. Aqui chegados, cumpre perguntar: mas, afinal, as condições do tempo têm ou não influência na actividade económica? E foi ou não uma desculpa, a invocação desse factor pelo Ministro V. Gaspar? Se foi uma desculpa, porque não concluir o mesmo em relação aos demais casos aqui citados? Se não foi, como avaliar a ridicularização de que foi alvo?

22 comentários:

Carlos Sério disse...

Pois é, os assessores do ministro também leram "o relatório de conceituada empresa britânica" e vai daí logo alertaram o dito para a oportunidade de escapatório que o tal relatório lhe oferecia. Dito e feito. O ministro não hesita e culpa o tempo pelo agravamento da recessão no país. O que é ridículo na mensagem do ministro não é a tanto menor ou menor influencia que o tempo possa ter na economia, é a tentativa de responsabilizar o tempo por inteiro no acentuar da recessão deste início do ano.

Suzana Toscano disse...

Na minha interpretação, caro Tavares Moreira, é que o relevo que se deu ao factor metereológico choca, por contraste, com a desconsideração de outros factores muito mais previsíveis que influenciam o mau desempenho económico. E terá sido essa desproporção que causou o alarido de que fala.

Pedro disse...

Caro Tavares Moreira...

a questão é tanto o Ministro, como agora o caro Tavares Moreira, pretenderem tratar tudo e todos como "ingenuos" ou mesmo "estupidos".

É tão somente isto. Julgo que é obvio para toda a gente que o tempo tem impactos nos habitos de consumo e subsequentemente nas Economias.

Pena é que quando fez Sol, nem o Ministro, nem o Tavares Moreira vieram afirmar que : "O PIb cresceu porque o Inverno foi suave!"

..nem no tempo do Socrates, me recordo do Passos Coelho e/ou do Tavares Moreira terem avançado em defesa do Teixeira, com argumentos do tipo: "vamos ser tolerantes com os numeros do Governo do Socras e do Teixeira...porque afinal até nevou em Lisboa...e sendo assim temos de ser tolerantes!"


A questão passa essencialmente por isto! É que pessoas que se dizem tão crediveis e competentes...até já a chuva serve para "tapar o Sol com a peneira".

Até seguindo as sua argumentação, e atendendo ao que se tem passado por essa Europa fora...se cá o tempo "inviabilizou" o crescimento do Gaspar...que se irá passar na Alemanha, ou na Hungria, ou em basicamente toda a Europa Central...com as cheias e enxurradas que agora lá estão a ocorrer ?


Sabe, caro Tavares Moreira, eu (e julgo que as pessoas, regra geral) quando andava na pré-primaria gostava de colinho, e que me tratassem como uma criança, bem infantil.

Mas hoje em dia, com quase 50 anos, não gosto nada que me tratem com paternalismos sabujos,como se eu fosse uma criancinha que não percebe que a chuva tem influencia...!

bem que pode ir buscar as referencias que quizer ao relatorios internacionais. Não é de todo isso que está em causa, mas antes a "esperteza saloia" de nos querer tratar a todos como "estupidos".

E isto, faça chuva ou faça sol...é inaceitavel, e tecnicamente uma verdadeira Estupidez.

JM Ferreira de Almeida disse...

Eis como de repente ganha uma nova significância o velho e sábio brocardo "Tempo é dinheiro"...

Sinto que daqui por diante, para além das inúmeras variáveis com as quais se constroem as previsões económicas, não poderá faltar o comportamento do tempo meteorológico. Quase que adivinho que nas futuras discussões do OE vai seguramente existir, na oposição, quem pergunte ao ministro se o cenário macroeconómico considerado teve em conta as previsões da NASA para o ano meteorológico.
O que não será mal avisado, sobretudo se se der crédito ou entender que existem evidências de que nos esperam fenómenos extremos por via das alterações climáticas.

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

O MF poderia ter apenas dito que parte da queda do investimento se deveu à meteorologia e parte à redução da procura por bens de investimento.

Assim toda a gente ficava bem .

Mas ele não disse isto por alguma razão.

Eu presumo que isso seria admitir o nexo de causalidade entre consumo e investimento e isso seria uma "heresia" para as crenças e dogmas do MF.

Pedro disse...

(...já agora, a talho de foice, e seguindo a praxis ministrial, aqui fica "um sorriso")

Caro Tavares Moreira,

embora reconheça a credibilidade dos relatorios que cita neste post...

..deixo-lhe desde já a sguestão de uma leitura indispensavel, para toda e qualquer projecção ou analise sobre evoluir da nossa Economia - tanto para o imediato, como para o pós-Troika - qui sá, a nossa salvação colectiva :


Borda de Agua - 2013 !

http://obordadeagua.no.sapo.pt/


,o)

Agitador disse...

Caro Tavares Moreira


Como a maioria dos comentadores, eu também estou de acordo que justificar a queda do investimento com factores meteorológicos é pouco sensato ou até inconveniente. O investimento está de rastos porque não há dinheiro disponível nem vontade/confiança para investir o pouco que existe e ponto final.

Agora o ponto da notícia e respectivos comentários não é esse. O ponto é a forma jocosa, de desdém e até desagradável com que as pessoas reagem a quaisquer palavras do Ministro VG. Ele terá uma forma peculiar de se pronunciar e de tentar ser exaustivamente objectivo em matérias algo incertas, mas considero merecedor de respeito como qualquer outro.

O Ministro será assim tão incompetente? faz-me confusão esta passagem repentina de bestial a besta

Todos os dias ouço e leio que o VG se enganou nas previsões - mas se nem eu sei o que se vai passar na minha vida profissional daqui a 1 mês como poderá saber o pobre Ministro o que se vai passar daqui a 6 meses no País.

Henrique Pereira dos Santos disse...

Caro Tavares Moreira, antes de Gaspar, já a Fepicop tinha escrito no seu relatório de conjuntura de Maio: "As opiniões expressas pelos empresários da Construção apontaram em abril, e face aos primeiros três meses do ano, para uma queda menos intensa do indicador de confiança na Construção (-0,3% em abril, após variações homólogas de -39%, -31% e -19% em janeiro, fevereiro e março, respetivamente), o que poderá, em parte, ser explicado pelo facto de o primeiro trimestre do ano ter sido particularmente desfavorável, em termos meteorológicos, para a atividade da Construção.". Ora tendo o INE dito que o PIB foi negativamente afectado pela procura interna e que a procura interna foi especialmente afectada pela baixa do investimento e que a baixa do investimento se deve essencialmente à redução da actividade da construção civil, só sde pode concluir que dois e dois são quatro: Gaspar está carregado de razão e o ruído que provocou é essencialmente um problema de ignorância generalizada sobre o assunto.
henrique pereira dos santos

JM Ferreira de Almeida disse...

Meu caro HPS,
Vamos estar atentos ao novo período para ver como se comporta o investimento no setor da construção. Talvez nessa altura percebamos melhor se existe essa causalidade. Não deixo no entanto de notar o lamento pela quebra da atividade num domínio da atividade económica que tantos diabolizaram, não escapando o governo a fazer coro com os que afirmaram ser das especulativos o mais especulativo dos sectores.
Caro Agitador,
Sou dos que entende que VG é dos poucos que está muito bem preparado e sabe o que quer. Respeito-o, e é exactamente por isso que me espanto com a leveza do argumento que usou.

Tonibler disse...

Caro Tavares Moreira,

Claramente quem tirou a mordaça ao ministro fé-lo em má hora, porque se há actividades que sao prejudicadas pela chuva, outras sao muito beneficiadas, como a energia. Deixem lá o sujeito com os seus exceis e calado que é capaz de resultar melhor. Ele não é gestor de nada é apenas o caixa. Fique assim.

Suzana Toscano disse...

Creio que beneficia a importaçāo de energía, que será menor, caro tonibler, porque param as centrais a gás e entram as hídricas e as eólicas se houver vento, mas o preço não desce, antes pelo contrário.

Henrique Pereira dos Santos disse...

Caro Ferreira de Almeida, Gaspar não lamentou coisa nenhuma, limitou-se a usar a informação disponível para interpretar os dados do PIB.
Caro Tonibler, ainda não percebi esse argumento da energia, porque o que estava em questão era o decrescimento do PIB em 0.4% no primeiro trimestre de 2013 (nem acho um mau resultado, embora o significado de um trimestre seja muito limitado). Se me explicar em que medida produzir electricidade (15% da energia que o país consome, convém não esquecer) a partir de barragens e eólicas em vez de a importar ou produzir a partir de centrais térmicas (cuja paragem está protegida pelos contratos de fornecimento) influencia o PIB do trimestre eu teria muito gosto em aprender. Sozinho não tenho conseguido lá chegar.
henrique pereira dos santos

Henrique Pereira dos Santos disse...

Caro Ferreira de Almeida, sobre o segundo trimestre de 2013 no sector da construção talvez seja útil delimitarmos bem o que está em discussão: que o sector está em perda por razões gerais, não há qualquer dúvida. E provavelmente vai continuar no segundo trimestre de 2013. A questão é saber se a dimensão dessa perda é da magnitude da que aconteceu no primeiro trimestre (e é só essa magnitude que terá sido influenciada pelo tempo). Para já, o que sabemos de Abril é o seguinte: "Os dados quantitativos disponíveis apontam, igualmente, para uma quebra do nível de atividade menos acentuada em abril, relativamente aos três meses anteriores. Este é o caso do consumo de cimento, que, após sofrer uma quebra de 39% até março, registou em abril um aumento do consumo mensal para as 216 mil toneladas (média mensal de 199 mil toneladas ao longo do primeiro trimestre) e reduziu para 21% a queda face a igual período de 2012."
henrique pereira dos santos

Agitador disse...

Caro Ferreira de Almeida

Concordo consigo e reafirmo a necessidade de, pelo menos nesta fase mais delicada, protegermos os nossos lideres. É o VG que tem a mão na massa, é ele o negociador com a troika, temos de lhe dar crédito e esperar pelos resultados a prazo. Temos a oposição a pedir a demissão todos s dias, a esquerda a organizar greves com o saber de 30 anos, e a televisão a repetir até à exaustão que o VG errou as contas!!
Chega de andarmos uns contra os outros. O País não aguenta.
É óbvio que o seu post era pertinente e pelos vistos as notícias recentes confirmam-lo . Mas vejo o 4R como um forum que tem uma visão mais critica, sempre para além da espuma dos media e faço questão de participar nela enquanto me for permitido.

Tonibler disse...

Caro Pereira dos Santos,

O PIB mede o fluxo de dinheiro no país, as saídas contam negativamente. Como neste trimestre Portugal bateu o record do mundo(acho eu) de cobertura por renováveis e renováveis sao as ùnicas que não implicam saídas....

Tonibler disse...

Cara Suzana, claro que o preço não desce. Ninguém disse era barato. Mas ser caro beneficia a conta do PIB...

JM Ferreira de Almeida disse...

Meu caro HPS,
Não quis dizer que VG lamentou algo. Quis tão somente anotar este bruá de gente que até há bem pouco se escandalizava com um modelo de crescimento económico baseado no betão e que agora se insurge com a diminuição da produção de betão. Só isso.
Quanto ao mais, sei bem que VG se referia à quebra do investimento. Mas como bem assinalam outros comentadores, a questão foi suscitada no contexto de as previsões do governo quanto ao quadro macroeconómico apresentarem uma tendência para não se verificarem. Ora, neste contexto, se o mau tempo pode ter tido influência (embora a quebra do investimento na construção seja estrutural e não fruto de contingências) não pode deixar de se considerar que o balanço energético melhorou nestes meses por força das renováveis e que a constituição de uma reserva de água para o resto do período tem um valor económico nada desprezível como o meu Amigo bem sabe.

Meu caro Agitador,
O 4R ainda existe pela dinâmica que lhe imprimem também os nossos comentadores. Quando deixarmos de ter o seu estimulo, concordando ou discordando do que os autores vão opinando em clima de inteira liberdade, então será hora de pensar na sua continuidade. É pois o meu Amigo muito bem vindo e esperamos que contribua com os seus comentários, concordantes ou discordantes, por muito mais tempo. Enquanto aqui se sentir bem, nós nos sentiremos mais acompanhados.

Tavares Moreira disse...

Caríssimos Comentadores,

Uma noitada de Sto António como há muito não acontecia (até me envergonho de mencionar a hora a que terminou...) impediu-me de entrar mais cedo neste debate tão interessante.
Começo aliás por um comentário inspirado na participação nos folguedos do Sto António, na Lisboa profunda: sobre os muitos milhares de pessoas com que me cruzei na noite finda, surpreendeu-me não encontrar nos seus rostos e nos seus comportamentos nada de parecido com o estado absolutamente traumático e de desespero que el Comandante Soares e seus apaniguados dos Blocos se vêm insistentemente referindo como estado de alma generalizado dos portugueses.
E muito menos me apercebi da existência de um estado pré-insurrecional que suas Excelências também insistentemente vêm anunciando ou ameaçando consoante os dias.
Feita esta observação preliminar, Sto Antonina, quanto à matéria deste Post o que posso reiterar é que, não tendo assistido ao debate parlamentar em causa, limitei-me a recolher o eco predominante do mesmo junto dos nossos admiráveis media e num ou noutro comentador encartado: a chacota generalizada por causa de uma declaração que, noutras circunstâncias ou feita por outro agente económico que não o Ministro V Gaspar seria considerada absolutamente banal.
Registo o útil contributo trazido para este debate pelo H. P. Santos, quanto ao desempenho do sector da construção
Mas não posso deixar de dar alguma razão ao Tonibler quanto à questão do PIB: como este é um somatório de valores acrescentados nacionais, o recurso a uma fonte de energia importada em vez de uma fonte de energia doméstica tem, ceteris paribus (esta condição é muito importante), efeito mais favorável no PIB.
E quase termino fazendo minhas as palavras sábias do Ferreira de Almeida, no seu último comentário: "o 4R ainda existe pela dinâmica que lhe imprimem também os nossos comentadores". Não podia ser mais certeiro.
Uma última palavra para o Pedro, em cujos comentários tenho encontrado um certo azedume, que francamente me desconforta. Podemos discordar, discutir acaloradamente sempre que justificado, mas sempre dentro de regras de uma sã dialética: o uso de expressões quase ofensivas, além de inútil, é pouco propício a um debate esclarecedor.
Comigo não conta, certamente, para alimentar esse tipo de polémica.

manuel.m disse...

O estado do tempo influencía a actividade económica ?
Claro que sim, mas e não só!
Veja-se como o colega austérico de TM, o Chanceler George Osborne, justificou em Julho de 2011, os maus resultados da economia britânica :
Tudo foi devido às celebrações da boda real entre o principe William e Kate Middleton !!
Já em Janeiro desse ano Osborne tinha culpado a queda de neve pelos dados desanimadores do ultimo trimester de 2010.
Como em Portugal infelizmente não há realeza nem neve que se veja, Gaspar, coitado, deitou mão ao que graças a Deus não falta : Chuva,muita chuvinha.
(o que também não falta são pacóvios que acreditam nestas tretas).
manuel.m

Tavares Moreira disse...

Caro manuel.m

Não posso deixar de registar o excelente contributo para o esclarecimento deste tema!
Ficamos todos muito enriquecidos com a clarividência da sua análise.

Pedro disse...

Caro Tavares Moreira,

desculpe se lhe pareci "azedo" ou se as palavras que escolhi foram tomadas por ofensivas. Não é de todo essa minha intenção.

Reconheço que por vezes a intensidade ou escolha de palavras do meu discurso pode ser demasiado forte ou afiado, mas sabe bem até pelo meu já "longo comentar" aqui, que não é minha caracteristica ofendar ou ultrapassar os limites do respeito que todas as pessoas me merecem, aqui ou em qualquer lado.
(julgo que nem precisaria de frizar isto.)

No entanto, independentemente da minha escolha de adjectivos, tambem percebo que as "contradições" e "paradoxos" que por vezes lhe aponto, talvez lhe saibam a "azedume"...mas quanto a isso nada posso fazer: elas, as contradições e paradoxos, não são meus!

(a titulo exemplo, na era Sócras, nevou por 2 vezes em Lisboa...e não me recordo de ninguem usar a metereologia para avaliar o desempenho de Teixeira dos Santos! Ou seja, aparentemente e sem azedume ou ofensa, deteto aqui duas bitólas!)

É obvio tambem que a ironia frequentemente aqui utilizada, por varios autores: seja para os "Crescimentistas", seja para o Soares, seja para o Krugman que até de bebado foi referenciado (via citação de opinião de terceiros, mas ainda assim não deixou de ser referenciado)...

...é uma ironia que me parece natural, entre pessoas adultas e bem formadas, que a usam para firmar pontos de vista ou sublinhar opiniões!

Não creio que a postura, o apontar daquilo que me parecem contradições, o apresentar pontos de vista diferentes (certo e/ou errados como os de todos), o acrescentar outra referencias...não creio que isto que por vezes faço seja tão diferente ou tão mais ofensivo que o discurso e retórica aqui utilizada.

Ainda assim, tentarei ser mais comedido nas escolha de palavras...estando ainda assim mais que certo que o "azedume" que saboreia não se prende com a forma...mas antes do conteudo dos meus comentários, e aqui caro Tavares Moreira, posso polir e florir as palavras, mas o que me parecer uma contradição ou incoerencia, a bem da rectidão e da nobreza do debate, irei certamente continuar a apontar ...


(mesmo sendo mais que possivel que por vezes esteja enganado, como qualquer um de nós!)

Tavares Moreira disse...

Caro Pedro,

Registo, com satisfação, a sua abertura a um diálogo construtivo e positivo, que como é evidente tem de admitir as naturais e saudáveis diferenças de opinião, mas que temos ambos de ter a preocupação de pautar por regras de "fair-play" sem as quais o diálogo se torna impossível.
Aproveito, para exemplificar o que aqui quero dizer, que achei particular graça ao episódio de 4ª Feira passada (salvo erro), na AR, durante uma audição ao Ministro da Economia, em que um deputado do PCP brandiu um exemplar do Borda d'Agua, antiquíssima publicação popular que em Portugal continua a resistir ás novas tecnologias da informação e que informa sobre centenas de assuntos nomeademnte as previsões do tempo (neste caso muito voltadas para os interesses dos agricultores).
Esse gesto do dito deputado, pretendendo parodiar a questão da ligação entre as condições atmosféricas e a actividade económica, não ofendeu ninguém e teve mesmo graça, na minha opinião, parece que até causou um justificado momento de muito bom humor nos trabalhos da Comissão...
E nem precisa de "polir ou de florir as palavras", como sugere, essa preocupação eu também não tenho...basta procurar não ser ofensivo ou, talvez melhor, despropositadamente ofensivo.
Está á vontade para discordar, vivamente se quiser, abertamente se quiser, totalmente ou mesmo visceralmente se quiser, não tem obrigação nenhuma de concordar com as despretensiosas opiniões que por aqui vou deixando.
E, já agora, espero que concorde com a próxima, que já aí está...