Número total de visualizações de página

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Da série ´Insustentável leveza´

Uma horta comunitária que existiu para os lados da Graça, em terrenos do Município de Lisboa. Uma ordem de despejo que a polícia cumpriu não sem alguma violência, a crer nalguns relatos.
Adivinham de que lado estaria o vereador que assinou a ordem de despejo se não fosse vereador? E imaginam qual o advogado a que os despejados recorreriam se o advogado não fosse vereador?
Para perpetuar a insustentável leveza do nosso coletivo político, nada como garantir a continuidade destes Zés que fazem falta.

5 comentários:

Bartolomeu disse...

Penso que o motivo da ordem de despejo, não teve a ver com a horta, propriamente dita, mas sim com o cartaz... aquela cor de fundo...
hmmm, hmmm...

Bartolomeu disse...

Ah!!! Esqueci-me de referir: os comunitários agricultores da Graça vão ter a oportunidade de negociar com o dito Zé, a autorização para exploração agrária do solo. Caso não o façam, correm o risco de o Tony Costa voltar a ser eleito e então, voltam a ter o mesmo do mesmo, nos pelouros do Ambiente, Espaço Público, Espaços Verdes, Limpeza Urbana e Abastecimentos.
É certinho e direitinho!

Pinho Cardão disse...

Acontece que o Zé só se realiza na luta; se não lutam contra ele, arranja ele contra quem lutar. Pois, se não luta, desaparece.

Suzana Toscano disse...

Estaria do lado das comunidades que tinham lá as hortas, agora está ao lado das hortas que vão ter lá comunidades.

Suzana Toscano disse...

Estaria do lado das comunidades que tinham lá as hortas, agora está ao lado das hortas que vão ter lá comunidades.