Número total de visualizações de página

quarta-feira, 5 de junho de 2013

A liberdade fascista

Bandos de indignados profissionais especializaram-se em seguir Ministros ou Secretário de Estado, utilizando o berro, o riso alarve ou a injúria torpe para interromper o membro do governo.
Claro que o governante acaba por não falar, mas o cabecilha do bando tem largo tempo de antena nos telejornais, na rádio e nos jornais. E promoção assegurada.
Não fala o governante, mas fala o cabecilha. Tomasse alguma vez o poder, e haveria uma voz única, a dele. E, como até em Portugal já vimos, a indignação seria reacionária e fascista. Proibida constitucionalmente de existir.
Por isso, estranho que, em vez da condenação, só ouça a tolerância dos governantes perante tais actos, que estamos num país livre, etc, etc. País livre em que qualquer membro de um governo democrático já não é livre de se fazer ouvir em público sem ser interrompido ou insultado?
É esta a liberdade que se quer para os portugueses? A liberdade de um governante não se poder expressar em público?

7 comentários:

António Barreto disse...

Trata-se, tão-sòmente, da Liberdade que o medo consente!..., mas e a democracia?

Luis Moreira disse...

A democracia está aqui. Realmente, as vozes dos sábios mais não querem que colocar os "seus" no poder :55,3% dos portugueses querem que este governo chega a 2015: http://bandalargablogue.blogs.sapo.pt/411109.html

Pedro disse...

Pois,

é verdade o pessoal tem curvar-se, talvez mesmo ajoelhar-se antes de esticar a mão em concha...

nem que seja perante isto, não é?

(http://online.wsj.com/article/SB10001424127887324299104578527202781667088.html?mod=WSJEurope_hpp_LEFTTopStories )

"The IMF also said its own analysis of the future development of debt was wrong "by a large margin." The fund's debt-sustainability analysis—a critical piece of forecasting—"included stress tests but these turned out to be mild compared with actual outcomes."

Conclusões do proprio FMI...enfim, esses os perigosos crescimentistas que frequentemente refere.

Francisco disse...

É o social-fascismo a mostrar as suas garras. A democracia tem que ser defendida. Está nas nossas mãos.

Tonibler disse...

Mas isto é normal num país que dá é importância à forma e não ao conteúdo. Chamar palhaço ao presidente é um crime, impedi-lo de falar é normal. No fundo, são 10 milhões de louras...

Bartolomeu disse...

Não, Dr. Pinho Cardão. Não é este género de liberdade que os Portugueses querem, e o Senhor sabe-o muitíssimo bem.
Aquilo que os Portugueses realmente querem, é que os ministros e os secretários de estado, não os "forniquem" e ainda esperem que lhes agradeçam.
É por isso que as reacções aos membros do governo têm sido de apupos, fazendo uso abusivo de uma liberdade de expressão e de manifestação das suas opiniões.
Os Portugueses estão fartíssimos de um grupo de governantes andar sistemáticamente a fingir que governa e impôr medidas que para além de não resolverem problema nenhum, ainda agravam os que existem e favorecem a criação de novos.
Ainda ontem ouvimos o Sr. PM dizer num tom rude e até ofensivo que "não tem medo dos resultados das eleições autárquicas, nem dos Portugueses.
Faltou-lhe somente, usar o jeito inconfundível do maj. Valentim Loureiro e adoptando um ar de pistoleiro, colocando as mãos nos coldres perguntar franzindo o sobrolho: quantos são, quantos são?
Se de um lado chove, do outro vaz um mau tempo do caraças e assim... hmmm, hmmm; não vamos a lado nenhum, de certezinha absoluta.
Pelo contrário, meu estimado Amigo, escava-se um fosso, a cada dia mais profundo e inultrapassável entre governo e sociedade.

ZEUS8441 disse...

Gosto de ler o que dizem os indignados.

Protestam,protestam,mas fazer sacrificios é que não.

Querem continuar a gastar,a consumir e a adquirir tudo e mais alguma coisa a crédito.

Apresentar medidas também não apresentam.As suas medidas são o protesto e a crença que o socialismo vai resolver e retomar o periodo socrático.

Fora com a troika.Não pagamos.

No dia seguinte andariamos à "batatada" uns aos outros.

Talvez os "protestantes" fossem as primeiras vitimas da guerra civil.

Mudem de mentalidade e de conservadorismo.

Abril enganou Portugal!!

Aplaudiram!!

Agora paguem!!