Número total de visualizações de página

domingo, 9 de junho de 2013

Economia: mais uma importante (NÃO) notícia...

1. Foram divulgados (INE, AICEP) na última 6ª Feira os resultados do comércio externo português para o período Janeiro-Abril, revelando uma forte recuperação das exportações (de bens) em Abril, com um crescimento de 17,3% em relação a Abril de 2012.
2. Por efeito dessa forte recuperação em Abril, o crescimento das exportações nos primeiros 4 meses, em relação a igual período de 2012 foi de 3,9% quando no 1º trimestre era apenas de 0,5%; e tendo as importações diminuído 3,4%, isso permitiu que a taxa de cobertura das importações pelas exportações tivesse aumentado para 85,8% (79,8% em igual período de 2012).
3. Numa análise por países/clientes, adquire especial significado a aceleração das vendas de bens para Espanha, cifrando-se em 5,6%, reforçando a tendência de recuperação já registada no 1º trimestre (+2%) depois das quedas verificadas em 2011 e 2012.
4. Esta evolução do comércio com Espanha  tem enorme relevância uma vez que (i) a Espanha é de longe o maior mercado para as exportações portuguesas de bens (quase o dobro da Alemanha, que é 2º), e (ii) dá crédito à hipótese que aqui lancei em Post recente de a economia de Espanha poder ter batido no fundo no 1º trimestre de 2013 e ter entretanto entrado numa fase de retoma ( a redução do desemprego nos últimos 3 meses assim sugere).
5. Creio não ser necessário realçar a importância de uma eventual retoma da economia espanhola tendo em conta o impacto que isso teria na economia portuguesa, ajudando-nos a sair da recessão para  que o delirium socrático e o inevitável programa de ajustamento que se lhe seguiu nos seduziram e que se arrasta há mais de 2 anos...
6. Trata-se, pois, de um tema da maior relevância para a nossa vida colectiva que, como tal, foi totalmente ignorado pelos media e pelos comentadores encartados: na sua imensa clarividência, eles estão exclusivamente focados na greve geral do próximo dia 27, nas greves dos professores, nas manifestações em Atenas (vide Post do Pinho Cardão), etc, etc...estes, sim, são temas que têm primazia sobre quaisquer outros, são estes os "projectos" que asseguram o nosso futuro colectivo...
7. O triste estado a que chegamos...

18 comentários:

Tonibler disse...

Se calhar porque não existe "futuro colectivo"' , caro Tavares Moreira. Esse faliu. Existe um futuro, para as pessoas, mas o colectivo... esse está a fazer manifestações em Atenas à espera de morrer de vez.

Floribundus disse...

a D. Cunha é a mais antiga e venerada instituição nacional
do país em que 'se lixe o vizinho do lado, esquerdo ou direito'

além disso vivemos há 2 anos em prec socialista,
o das 3 bancarrotas,
com a prestimosa colaboração de certo capitalismo voraz

se passar junto a piscina dos Olivais verá uma rua de casas de tijolo com 8-9 antenas individuais por prédio

os profs fazem greves contra os alunos
os médicos contra os doentes
os estivadores contra a economia das pequenas e médias emprezas

o espectáculo das tvs mostra um país de sovietes e goulags

Pinho Cardão disse...

Caro Tavares Moreira:
Se há sector desviado do essencial e refém do meramente fortuito e acidental é a comunicação social.
Para além de ideologicamente programada, é profundamente ignorante. Não distingue a causa do efeito, a essência do acessório, tudo baralha e confunde.
Claro que para agentes destes uma manifestação em Atenas é que é importante, ao ponto de mandar enviados especiais. Mais grave é que pagamos a conta e ficam a rir-se por cima.

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Dr. Tavares Moreira
Uma notícia que tem relevância política, uma notícia positiva para quebrar o gelo das más notícias. Não se percebe porque não foi assinalada pelo governo.

Manuel Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tavares Moreira disse...

Caro Tonibler,

É capaz de ter razão...obviamente o futuro existirá, o colectivo é que não passará da "cepa" torta do que é hoje, pelo menos ao nível do País da cigarra (comunicação social, classe política em geral).
O País das formigas - empresas privadas de uma forma geral - vai fazendo o seu trabalho, para sobreviver e para aguentar as diversões do País da cigarra!

Caro Floribundus,

Não me tinha ocorrido essa história das antenas de TV, confesso...deveria ser considerado património cultural da Humanidade, esse bairro que refere...

Caro Pinho Cardão,

Resta-nos continuar a tentar remar contra a maré, nem que seja para não sair do sítio...

Cara Margarida,

Tenho a percepção de que caso o governo pretendesse chamar a atenção para este dado, seria rapidamente acusado de estar a desviar a atenção dos grandes problemas nacionais: a greve geral incluindo os admiráveis TSD, as greves dos professores e das professoras, as manifestações em Atenas abrilhantadas pelos ilustres bloquistas, bem como de tentar tapar o sol (a recessão) com a peneira das exportações...

Manuel Silva disse...

Sr Dr. Tavares Moreira:
O execrável acto de censura que o senhor acabou de fazer com o meu comentário é bem revelador dos tempos que vivemos.
Tanto mais que é perfeitamente injustificado, na medida em que, quer os termos formais do comentário, quer o conteúdo não o justificam.
Trata-se, portanto, de um acto da mais pura e dura censura.
Motivada apenas pelo facto de o senhor não suportar o contraditório, um contraditório que, de forma eloquente, põe a nu as historietas dos juros amigáveis que os mercados nos cobram.
O Dr, Moreira Rato já tinha ficado embatucado com as perguntas de José Gomes Ferreira, mas, ou por impossibilidade real ou por uma razão de ética, aguentou o incómodo.
O senhor não, não o suportou: logo, censurou.
Se o que prefere é tem um público fiel que se limita a aplaudir o que diz, que fique com esse público e que seja muito feliz.
Mas não me venha com a treta da social-democracia, clamando-se daquilo que não é.
Passe muito bem.
Conseguiu o que queria.
Continue a contar historietas à vontade.

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

Já no ano passado tivemos meses de crescimento excepcional das exportações e outros menos bons.

O valor médio de 3,9% é um valor bom, mas como se vê insuficiente para colmatar o aumento do desemprego.

As boas noticias de espanha confirmam a justeza do governo espanhol em não ter alinhado num Austerismo desenfreado como aqui se fez.

Tavares Moreira disse...

Caro Manuel Silva,

Acto de censura? Mas como é isso possível, onde é que vai buscar essa censura, c'os diabos?
Até admito que o Senhor esteja muito incomodado com qualquer coisa, até pode ter motivo para isso, mas por favor não me enrede nessa conspiração, na verdade sou completamente alheio a esse estado de alma, valha-nos Deus!

Caro Paulo Pereira,

No ano passado as coisas passaram-se ao invés, se bem se recorda: primeiros meses do ano muito fortes (basicamente o 1º trimestre), abrandamento a partir de Abril...
E, mais importante, as exportações para Espanha tiveram sempre sinal negativo. O comportamento das vendas para Espanha é a grande diferença. como procurei assinalar!
Quanto ao seu querido Austerismo, não se esqueça que o desemprego em Espanha chegou a ultrapassar a fasquia dos 27% - chama a isso Crescimentismo, porventura?
E não se esqueça: a crise na Europa acabou, como ontem o seu "ídolo" F. Hollande proclamou, em Tóquio, em tom que não permite dúvidas...
Mas o mais curioso é que desta vez o Senhor Hollande é capaz de ter mesmo razão...
Cordiais cumprimentos!

Manuel Silva disse...

Sr. Dr. Tavares Moreira:
No meu último comentário, que distribui por um número considerável de posts deste blogue, para evitar que o senhor me cortasse o pio como fez duas vezes há pouco tempo, disse-lhe que não voltaria cá mais.
Faço-o apenas esta vez, EXCEPCIONALMENTE, porque o senhor me interpelou directamente, e pior, numa atitude de ingénuo, qual virgem ofendida que não sabe porque o foi.
Há dias, no seu post «Juros da dívida pública voltam a subir...muita ATENÇÃO...» deixei-lhe esta pergunta: «Sr. Dr. Tavares Moreira: Quer fazer o favor de comentar este pequeno (3,58 minutos) vídeo? http://youtu.be/RFEf9_swh3s E a seguir desmascarar estas «ideias tolas» de José Gomes Ferreira.»
Ao que o senhor respondeu: «Caro Manuel Silva, Irei tentar, irei tentar...»
Percebi logo o seu incómodo pela pergunta, pelo que não respondeu.
Mais tarde, no post «Economia: mais uma importante (NÃO) notícia...» voltei a lançar-lhe o repto e fiz algumas considerações sobre o facto de o senhor andar a vender-nos a ilusão da condescendência dos mercados para connosco, quando os juros continuam usurários, 5,63%, havendo maneiras ao nosso alcance de os fazer baixar.
É essa a questão que José Gomes Ferreira põe ao Dr. Moreira Rato, com a qual ele fica verdadeiramente embasbacado, respondendo NIN, ao passo que o senhor nem me respondeu.
E pior, censurou-me, apagando o meu comentário e indo à raiz da pergunta, o 1.º comentário, apagando-o também.
Perante o meu protesto de ontem repôs o meu 1.º comentário mas sonegou o 2.º.
Ora, tanto o 1.º como o 2.º foram feitos de forma educada, cordata, como faço sempre, pois costumo respeitar os outros para que me respeitam também a mim.
Pelos vistos o senhor nem suporta sequer uma ideia que o contradiga. Lamento.
Esta minha decisão é definitiva, pode crer, com muita pena minha de perder a leitura dos posts de pessoas como Susana Toscano, Margarida Corrêa de Aguiar, Massano Cardoso, José Mário Ferreira de Almeida.
Mas não se pode ter tudo na vida, só para não me cruzar com os seus posts, e encarar o seu nome, não voltarei mais ao 4R.
E poderia fazê-lo, não sob o meu verdadeiro nome – Manuel Silva – mas sob um «nick» qualquer. Mas nem assim.
Será definitiva a decisão.
Agradeço os posteiros referidos aquilo que me deram, embora eu pouco lhes tenha dado com os meus comentários.

Tavares Moreira disse...

Caro Manuel Silva,

O Senhor reage como quiser, está no seu direito de reagir como quiser ao que considerou - inacreditavelmente mas considerou - uma acção de censura da minha parte em relação a um comentário seu.
Ora não existiu censura absolutamente nehuma, quando muito teria havido uma omissão da minha parte mas nunca mais do que isso.
Já agora lhe digo que as taxas de juro da dívida pública que refere até estão nesta altura mais elevadas, acima de 6%.
Se são usurárias como diz, não me parece pois quando o prório Estado português cobra taxas de juro mais elevadas a quem esteja em dívida para com ele, e por prazos bem mais curtos, o Estado não pode queixar-se por esse nível de taxas.
De resto, não existindo ninguém disponível para nos emprestar a juros mais baixos, vamos queixar-nos de ususra a que propósito?
Quanto aos empréstimos da chamada Troika, vencendo juro de 3,4% em média e por prazos acima de 15 anos, duvido que possam ser considerados usurários.
Finalmente quanto aos meus ilustres Colegas do 4R, por favor deixe-os em paz: eles não são nem podem ser responsabilizaods pelos meus actos.
Responsabiliza-los pelos meus actos, como me pareceu resultar do seu último comentário, é que já me parece um gesto de usura, neste caso de tipo moral.

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

A Espanha optou correctamente em 2011, 2012 e 2013 por deficits publicos maiores que Portugal.

Isso é menos Austerismo. se tivesse optado pelo Austerismo dogmático em extremo do nosso PM e MF a sua taxa de desemprego ainda seria maior.

O Holland não é nada meu idolo, apenas é menos mau que a Merkel & Ca.

Alías, os partidos socialistas/sociais democratas europeus são uma peça chave na desgraça que se formou na UE nos ultimos 15 anos.

Sem o apoio entusiastico desses partidos este Euro nunca teria existido.

Tavares Moreira disse...

Caro Paulo Pereira,

As medidas de consolidação das finanças públicas que foram tomadas em Espanha não ficam nada a dever às que Portugal, ao abrigo do PAEF, adoptou.
Como bem sabe, a Espanha enfrenta um problema bem mais complexo na gestão das suas finanças públicas, dada a elevada autonomia financeira de que gozam as Regiões Autónomas, e cujo controlo financeiro, forçado pelo Governo Central, originou episódios de elevada tensão entre o Governo Central e os governos regionais.
Não me parece, numa avaliação necessariamente simplificada, que aquilo que designa impropriamente de "austerismo", tenha em Espanha registado uma marca menos acentuada que em Portugal - e daí a altíssima expressão do desemprego, aliás em recuo há 3 meses consecutivos...
Quanto a Hollande ser o seu "ídolo" espero que tenha reparado nas ""...

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

Espanha nunca tentou baixar o deficit de qualquer maneira para 4% como fez Portugal em 2012.

Contentou-se com um objectivo de 6%.

Esses 2% fazem toda a diferença entre uma recessão de 4% que é extremamente dificil de suportar e uma recessão de 1,5 % que é muito mais fácil de "encaixar" e que permite uma recuperação mais rápida como está a acontecer.

O erro do governo Português foi não perceber as consequências na economia do excesso de austeridade.

Alías o FMI nos anos 80 e 90 tinha uma regra mais ou menos consensual de que em cada ano as medidas de austeridade não deveriam ultrapassar os 1,5% ao ano de forma a não causarem demasiados estragos.

A Espanha e a Irlanda são a prova que um deficit de 7% é perfeitamente sustentável.

Tavares Moreira disse...

Caro Paulo Pereira,

Não se esuqeça que o défice de 4,5% em 2012 só foi possível graças a medidas extrordinárias - sem isso teria sido superior a 6% e é isso que conta pa a sua avaliação de maior ou menor "austerismo"...
Sendo assim, está condizente com as suas preocupações.
E já agora imagine, nem que seja por um fugaz momento, que a economia portuguesa sai da recessão já no corrente trimestre...o que diria o ilustre empresário em tais circunstâncias? Atenção que não estou a afirmar que isso vai acontecer, estou apenas, em linha com a previsão mais recente da OCDE, a admitir que isso possa acontecer...
O que dira, então: que o crescimento económico continua a ser impossível com esta política ou entende que a política já foi "aggiornata" segundo o seu gosto?

Paulo Pereira disse...

Caro Tavares Moreira,

A tentativa de atingir um deficit demasiado baixo em 2012 (porque o de 2011 foi erradamente martelado) fracassou pela perda de receitas fiscais e s.social e por aumento da despesa com os desempregados.

Esse foi o erro, ou seja Austerismo sem sentido.

Em 2013 ainda temos algum Austerismo nos impostos mas mitigado , pois a despesa aumentou 6%.

Se vamos ter crescimento económico a curto prazo , pode ser já que a despesa aumentou bastante !

Mas depois de 4% de queda é natural que a queda do PIB seja agora mais pequena.

O problema principal é o desemprego e a fraqueza do aumento das exportações, e aí pouco ou nada se fez.

Como até tenho repetido, sem um choque fiscal do lado das empresas, não vamos lá.

E continuo a não ver quase nada de simplificação do Estado.

Tavares Moreira disse...

Caro Paulo Pereira,

O Senhor é capaz de vislumbrar no Estado um agente promotor das exportações?
Eventualmente de certificados do registo civil e criminal, para o Afeganistão? Ou então de licenças de obras, emitidas pelas Câmaras Municipais, cujo custo é imensamente competitivo como aqui há tempos referi, para as economias mais desenvolvidas?
Ou de reportagens de TV, com figurantes do Bloco e outros apetrechos, para o deserto do Namibe?
Nalguma outra função porventura mais nobre?
Confesso-lhe a minha curiosidade em conhecer seu ponto de vista nesta matéria.
Quanto à sua afirmação da falta de progressos na simplificação administrativa, reduzindo a carga burocrática que emperra e encarece sobretudo as decisões de investimento, estou consigo!

Stunning inspiration disse...

Este comentário do amigo Manuel Silva não é para censurar ! fica esperto ó Tavares !
Assim reza o comentário do amigo Manuel Silva:

Nota prévia: Como o meu comentário, educado, cordato, posto em termos sérios foi censurado pelo Dr. Tavares Moreira (pela 2.ª vez, já o tinha feito há dias), deixo ao vosso conhecimento esse facto. O comentário propriamente dito não o guardei, mas sou capaz de o reconstituir. Mas porque não o Dr. Tavares Moreira repô-lo, para que possam aquilatar da verdade do que digo?
Aqui vos deixo o desafio, de um social-democrata (verdadeiro) para outros sociais-democratas, igualmente amantes da liberdade.
E aqui vos deixo o link do vídeo de 3:58 de que o Dr. Tavares Moreira não gostou:
http://www.youtube.com/watch?v=RFEf9_swh3s
--------------------------------
Sr. Dr. Tavares Moreira:
O execrável acto de censura que o senhor acabou de fazer com o meu comentário é bem revelador dos tempos que vivemos.
Tanto mais que é perfeitamente injustificado, na medida em que, quer os termos formais do comentário, quer o conteúdo não o justificam.
Trata-se, portanto, de um acto da mais pura e dura censura.
Motivada apenas pelo facto de o senhor não suportar o contraditório, um contraditório que, de forma eloquente, põe a nu as historietas dos juros amigáveis que os mercados nos cobram.
O Dr. Moreira Rato já tinha ficado embatucado com as perguntas de José Gomes Ferreira, mas, ou por impossibilidade real ou por uma razão de ética, aguentou o incómodo.
O senhor não, não o suportou: logo, censurou.
Se o que prefere é tem um público fiel que se limita a aplaudir o que diz, que fique com esse público e que seja muito feliz.
Mas não me venha com a treta da social-democracia, clamando-se daquilo que não é.
Passe muito bem.
Conseguiu o que queria.