Número total de visualizações de página

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Bilhetes do Tesouro: taxas de juro sobem, "ma non troppo"...

1. Depois das recentes e fortes oscilações das yields da dívida pública portuguesa a que me referi em último Post, era aguardado com natural curiosidade o resultado do leilão de Bilhetes do Tesouro (BT’s) anunciado para esta manhã, em que o IGCP pretendia colocar até € 1.500 milhões em BT aos prazos de 6 e de 18 meses.
2. E o resultado aí está, foram colocados os pretendidos € 1.500 milhões, sendo € 450 milhões a 6 meses, taxa de juro de 1,041% (anterior 0,811%) e € 1.050 milhões a 18 meses, taxa de 1,603% (anterior 1,506%).
3. Registou-se uma subida das taxas, tal como o mercado antecipava, mas menos pronunciada do que se poderia pensar, sobretudo no prazo dos 18 meses. É de resto curioso verificar que o agravamento em relação ao leilão anterior foi mais elevado no prazo de 6 meses (+23 pontos base) do que nos 18 meses (+ 9,7 pontos base), sinalizando alguma confiança no futuro...
4. Em conclusão, o mercado teve uma reacção benigna, quiçá antecipando uma declaração animadora por parte do Presidente do FED, lá mais para o fim do dia, assegurando que o programa de compras de dívida (o tão falado QE/3) vai ser mantido por ora e que em qualquer alteração futura o FED não deixará de ter na devida conta os interesses da economia e da estabilidade dos mercados...
5. Admito que assim seja, e oxalá não me engane pois se me enganar ainda podemos ter um bom “sarilho”...



9 comentários:

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Dr. Tavares Moreira
Já temos sarilhos suficientes. Os mercados continuam muito voláteis, mas por cá a volatidade política não é menor, não ajuda...

António Barreto disse...

Terão, quer o FED, quer o BCE, condições para uma absorção controlada de liquidez face a eventual subida da inflação?

Tavares Moreira disse...

Caros Margarida e Antonio Barreto,

Parece que me enganei...vamos ter problemas, as taxas de juro da dívida (yields) aí estão de novo a subir..."sarilho" à vista!

Caro Antóinio Barreto,

Em resposta à sua pergunta, direi que sim, tanto o FED como o BCE poderão absorver liquidez em montantes praticamente ilimitados...embora um cenário de inflação que justifique tal tipo de intervenção se me afigura muito longínquo...

Carlos Miguel Praxedes disse...

Caro Dr. Tavares Moreira,

Não era o senhor que se congratulava com as descidas das taxas de juro e que as mesmas se deviam às políticas executadas pelos nossos Governantes que estavam a elevar bem alto o nome de Portugal e dos Portugueses?

O Dr. está a mudar de opinião quase tão rapidamente como o Dr. Marcelo Rebelo de Sousa ou como as previsões do Dr. Vitor Gaspar. :)

Tavares Moreira disse...

Caro Praxedes,

Eu congratulei-me com a descida das taxas de juro da dívida pública, é verade, mas nunca invoquei as razões que aqui vem trazer - embora também possam ter dado algum contributo para esse resultado - pela simples razão de que as interpretei como consequência, em primeira mão, de outros factores, nomeadamente as intervenções (ou promessa de, no caso do BCE) dos Bancos Centrais, e do FED em especial.
Se for ler os meus Posts sobre o assunto, é o que lá está...não o que o Senhor deseja (?) que estivesse.

Tonibler disse...

Não há problema, sei que o TC já está a pronunciar-se sobre o facto de um estrangeiro poder decretar a subida das yeilds.

Tavares Moreira disse...

Caro Tonibler,

Não me tinha apercebido dessa vertente de ataque ao problema...
Em caso de inconstitucionalidade, será que temos a questão ultrapassada?
E essa eventual jurisprudência será reconhecível nas ordens jurídicas externas?
E como irão reagir os mercados a tal (eventual) proclamação: lançar-se-ão em grande correria na compra de dívida lusa, respeitando os limites de juro superiormente determinados a "bem da Nação", antes que a mesma esgote adquirida pelos valorosos patriotas que tanto protestam contra os malefícios da Troika?

Tonibler disse...

Aquilo que o acórdão do TC não cobrir, estou certo que a influencia da senhora de Fátima fará o resto. Este país não pode andar a reboque dos especuladores da economia de casino!

Tavares Moreira disse...

Caro Tonibler,

Mas o Senhor é audaz ao ponto de admitir que os acórdãos do TC podem deixar algo a descoberto? Isso não será entrar num domínio de especulação perigosamente tóxica, susceptível de ser associada aos piores propósitos e estratégias dos especuladores de casino que, ao contrário dos bravos que investem contra a Troika, só compram dívida portuguesa a preço (juro) imoral?