Número total de visualizações de página

quarta-feira, 19 de junho de 2013

"Templos a pagar"...


Quando o cabelo começa a incomodar-me tenho de ir à tosquia. O pior é arranjar tempo, mas assim que consigo uns trocos vou a correr até à baixa. Hoje, tive a tarde livre, não estava programada, foi-me muito útil. Passeei, cortei o cabelo, dei voltas e mais voltas pela baixa, sempre debaixo de um vento nervoso e de um frio inquietante.
Subi o Quebra-Costas, lentamente, em contraste com os meus tempos de estudante, e olhei para a Sé Velha. Vi que tinha a porta aberta. Pensei, há quanto tempo não entro naquele espaço? Há muito, talvez há demasiado, espero que não tenha sido aquando do batizado da minha filha do meio, porque, se foi, é uma vergonha. Como estava um pouco cansado, e nada me atormentava, exceto o vento desagradável, subi a escadaria com o propósito de passar uns minutos no templo. Gosto imenso de sentar e descansar em igrejas ou capelas. São excelentes fontes de inspiração. Ao entrar, do lado esquerdo, um papel colado na porta ou na cortina, não sei bem, ostentava o seguinte aviso, "visita 2 euros, contributo para as obras". Fiquei incomodado, virei as costas e fui embora. Não é a primeira vez que   acontece, pedirem-me dinheiro para entrar num templo religioso. Deem as explicações que quiserem, não as aceito, abomino ter de esportular seja qual for a quantia para entrar. Fico com uma sensação tão desagradável que me dispenso de escrever o que sinto.
Este episódio obrigou-me a recordar um outro ocorrido há poucos dias, quando a minha filha mais velha foi à "Rainha Santa". Ao entrar perguntaram-lhe se era para visitar ou para rezar. Respondeu: as duas coisas. Então tem de pagar. E se for só para rezar? Não paga. Resposta: então eu vou só rezar.
Não sei o que é feito das caixas das esmolas. Como não devem dar grande coisa, lembram-se destas artimanhas "comerciais".
Por enquanto ainda vou entrando em igrejas e capelas deste país, mas só se a entrada for livre. Gosto de entrar. Gosto de me sentar. Gosto de respirar o ar. Gosto de saborear o silêncio e adoro inspirar-me nestes locais. Hoje não entrei na Sé Velha e provavelmente nunca mais irei entrar. Não faz mal, uma pequena capela ou uma modesta igreja conseguem provocar as mesmas sensações.
Agora, recordo que já não vou à "Rainha Santa" há muitos anos, local onde me casei. Ponho-me a pensar na resposta que terei de dar ao senhor quando me perguntar: é para visitar ou para rezar? Olhe, eu vim para descansar, para meditar e para me inspirar. Tenho de pagar alguma coisa para isso? Se tiver, viro as costas e nunca mais ponho os pés naquele lugar, nem mesmo que o sujeito se lembre de me fazer um desconto face à minha resposta. Era o que mais faltava ter de pagar para entrar num templo religioso! Nem pensar.
Estou a escrevinhar este texto no meu gabinete, ouvindo a "Cabra" a tocar e a olhar para a "Torre". À borla! O meu gabinete é maravilhoso e também é um belo local para trabalhar, para descansar e para me inspirar. Mas, mesmo assim, os raios dos templos são muito melhores...

5 comentários:

Suzana Toscano disse...

Depois da tosquia acabou no escritório a ouvir os sinos, foi o que ganhámos pois assim escreveu mais este belo post :)

jotaC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jotaC disse...

Fico contente por saber que gosta do seu gabinete...Era o que mais faltava em tempo de vacas escanzeladas pagar para rezar!...

MM disse...

Consta q o grosso do dinheiro conseguido/oferecido nos servicos religiosos (Missas, casamentos, baptizados, etc) segue para o Vaticano. Face ah escassez de recursos, quando a necessidade "aperta" (sobretudo quando o patrimonio se degrada, necessitando de obras), resta a cobranca a quem quer visitar o patrimonio religioso...

Catarina disse...

Já tenho pago para entrar em “templos” como turista. Estava, assim, a contribuir (assumi) para a manutenção dos mesmos. Mas quando tive conhecimento, na semana passada, que uma determinada instituição de angariação de fundos para a investigação contra o cancro paga salários exorbitantes aos seus diretores e que apenas uma pequenina percentagem é destinada a essa investigação, fiquei a cogitar se, para a próxima vez, irei ou não contribuir para qualquer angariação de verbas... Costuma-se dizer “pagam os justos pelos pecadores”.