Número total de visualizações de página

quarta-feira, 20 de maio de 2009

COSEC: Novela ganha contornos surrealistas?

1. Editei na pretérita semana um Post no qual alinhei alguns comentários ao anúncio da “renacionalização” da COSEC.
2. Como não foram dadas explicações claras (se algumas...) sobre os motivos fundamentais de tão estranha decisão, admiti duas: (i) fazer a vontade aos Presidentes da AEP e da AICEP que alguns dias antes teriam sugerido tão ousada iniciativa ou (ii) piscar o olho à esquerda, acenando com uma “nacionalizaçãozita” sempre do agrado dos ideólogos dessa secção.
3. Essas explicações sabiam a pouco, muito pouco mesmo, face a uma operação presumivelmente muito dispendiosa para os exauridos cofres públicos e também na perspectiva de custo-benefício (o benefício é mesmo misterioso…).
4. Acresce que, tanto quanto se sabia, o Governo tinha anunciado a decisão de comprar antes de ouvir os detentores da Companhia em causa.
5. A evolução recente deste dossier mostra que a situação, para além de dificilmente explicável se pode vir a invadir rapidamente o domínio do caricato : um dos accionistas detentor de 50% do capital social, não-residente e especializado em seguro de crédito, já anunciou que não quer vender, não vai vender.
6. O Governo, em dificuldade perante o cenário, vem agora dizer que tem ou já tinha o acordo do outro accionista (em que condições ninguém sabe...), detentor dos restantes 50% do capital - na circunstância, um residente...
7. A prosseguir esta aventura não calculada, perspectiva-se pois o Estado ficar com 50% continuando os outros 50% nas mãos de uma entidade estrangeira altamente conhecedora do negócio.
8. Em tal quadro, ocorre perguntar que vai o Estado/Governo fazer para a COSEC? Alterar as regras ou o modelo do negócio para facilitar a tomada de riscos menos aceitáveis, só justificável pela aplicação do velho critério “político”?
9. Alguém no seu normal juízo acredita que o outro accionista vai entrar “nesse jogo”, arriscando-se a desvalorizar o capital investido?
10. Esse estranho e surreal conúbio entre o Estado e um accionista estrangeiro altamente profissional do ramo parece assim reunir as condições ideais para acabar mal - se o Estado/Governo quiser cumprir qq promessa de “popularizar” as condições de seguro dos riscos de crédito…
11. Não será que tudo isto pode ainda desabar numa factura bem mais elevada para o contribuinte?
12. Porque carga de água foi o Governo meter-se em mais este sarilho, se já tem tantos para resolver? Não será isto uma forma de surrealismo político?

6 comentários:

Tonibler disse...

A pergunta correcta será "Porque carga de água foi o Governo meter-NOS em mais este sarilho?". E as razões parecem-me claras, mas como ouvi dizer que crime é fugir aos impostos, não é gastá-los de forma absurda em favor de terceiros, o melhor é estar calado...

joao disse...

Caro Tavares Moreira

Uma "pequena" precisão que não altera a substância do seu "post", mas transforma a intenção do Governo em algo mais surrealista: o acçionista nacional também veio informar que não ia vender, mas sim que estava disposto a negociar.
Volto ao meu comentário anterior, a nacionalização da COSEC está dentro do PRODESCUR, sabe, aquele programa não referendado que este Governo acelarou, desde que tomou posse: PROcesso de DESorçamentação em CURso.

O Governo e o Estado encontram-se sem recursos para financiar a promoção das nossas exportações e (temo) necessitam de um instrumento para esconder o "dumping" que, concluiram ser necessário realizar para manter os nossos produtos competitivos, acho que não necessito de continuar...

No entanto e pelos factos que rodeiam este fenómeno, parece-me que vamos assistir a mais momento "OTALCOCHETE", que vai entrar nos manuais da gestão: provavelmente, o Governo vai comprar a um preço semi alavancado, mas com opção de recompra por parte dos actuais accionistas, quando a crise for decretada finda e concluída, provavelmente nos idos de Março do ano 2020.
Os prejuízos serão socializados e os lucros privatizados.
Cumprimentos
joão

André disse...

Caro Tavares Moreira,

Confesso que sou um analfabeto em securização do crédito e portanto, prefiro analisar este problema tendo em conta outro panorama. O da nacionalização. Confesso que apoio a nacionalização quando esta pode trazer mais benefícios para a sociedade, do que quando o negócio está na mão dos privados.

No entanto, não sei se será este o caso...

Tavares Moreira disse...

Correcção preciosa, registada e aceite, caro Tonibler...

Caro João,

Os seus modelos de análise da realidade portuguesa, PRODESCUR e OTALCOCHETE afiguramse-me cada vez mais ajustados ao ambiente de circo que nos avassala.

Caro An´r+e,

Se meu amigo for capaz de descortinar o benefício económico, social, filosófico, moral, antropomórfico ou o que quer que seja, decorrente da nacionalização da COSEC, leva um enorme brinde...talvez uma imagem de JNPC a três dimensões, autografada a dourado!

André disse...

Caro Tavares Moreira,

Como disse, no caso COSEC nao percebo e dado o historial asneirento das nacionalizacoes feitas por este governo, admito que a nacionalizacao seja um erro crasso. No caso bpn teriam feito melhor se deixassem m. Cadilhe vender a SLN aos poucos. De qualquer modo, agradeco a oferta da imagem 3D do grande JNPC. Dada a sua vasta sapiencia economica e historial de previsoes acertadas, confio plenamenta na sua opcao da nao nacionalizacao.

Fernando Branco disse...

Acredito, tenho que acreditar pois é a meu ver o mal menor, que o anúncio da nacionalização da Cosec tenha resultado de um excesso de confiança do Sr. Primeiro Ministro nos seus assessores e em alguns líderes de opinião nomeadamente dirigentes empresariais e associativos que fizeram eco de algumas veementes reclamações dos seus associados sem um apuro mais delicado (que agora se entende ter sido necessário) que estas análises casuísticas impõem.
Encarando este anúncio como uma tentativa efectiva de solucionar um problema económico e não outro (financeiro), entendo-o como extemporâneo. E inócuo.
Não me detenho em aprofundar questões técnicas que muito pouco dirão a muitos. Fundamentarei a inocuidade da decisão apenas à luz de dois princípios de gestão, entendíveis por muitos.
1. Existem em Portugal aproximadamente 3.700 empresas com apólices de seguro de crédito emitidas e em vigor. Estas 3.700 empresas estarão repartidas pelos 5 operadores existentes no mercado e de acordo com a quota da Cosec, de 40%, esta terá a seu “cargo” 1.400 empresas. Destas 1.400 empresas, 25% a 35% serão exportadoras ( este é um rácio tradicional do sector que pouco tem variado nos últimos anos). Resumindo, estaremos, no melhor dos cenários perante 500 empresas exportadoras, na sua grande maioria PME’s. Alguém acredita que estas 500 empresas, mesmo que não tenham quaisquer garantias atribuídas aos seus clientes externos por parte da cosec, são responsáveis pela quebra de 22% das exportações que se verificou no primeiro trimestre de 2009 ? E será que pelo facto de o governo Português passar a assumir risco indiscriminado, sem qualquer critério técnico, sobre devedores terceiros que nem empresários segurados nem seguradoras estão dispostos a assumir, que vamos repor o volume das nossas exportações ? Alguém já se deu conta que todos os mercados tradicionais e não tradicionais estão em forte retracção de consumo e que o problema, o verdadeiro, é que não nos compram, nem a crédito ? Esteve bem o Dr. Ulrich quando disse que melhor seria que o governo comprasse toda a produção aos exportadores…
2. A cosec é detida em partes iguais por dois accionistas privados que como todos, têm âmago de lucro. Das duas uma. Ou o governo adquire maioria de capital e assume o controlo de gestão ou não adquire maioria de capital... No primeiro cenário, teria que afastar do capital o parceiro estratégico do negócio, o que efectivamente tem o know-how e o que efectivamente subscreve risco para os mercados internacionais. Sendo este um negócio, em última análise, de informação dinâmica, como tomaria as CGD as suas decisões de subscrição de risco sem a parceria deste accionista? Às cegas e certamente com grande discricionaridade pois há que beneficiar os grandes exportadores porquanto são estes que influenciam as estatísticas. Não obtendo maioria de capital e consequentemente não controlando “de facto” a gestão da cosec, não vislumbro como pode o estado influenciar o maior operador mundial de seguros a conceder risco discricionário, sem critério que não seja o político, risco esse que repito, todos se recusam a assumir, começando pelos que mais reclamam. Não sei, mas posso imaginar. Mas ainda que o consiga influenciar, não será este sendo um preço demasiado alto a pagar pelo herário público para beneficiar um conjunto bastante finito de exportadores ?
E depois há as regras da sã concorrência do mercado, mas essas como já nos apercebemos, pouco importam à democracia socialista.

http://plocking.wordpress.com