Número total de visualizações de página

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Moratória nas dívidas à banca? Excelente ideia, mas...e os depósitos?

1. Num dia recheado de notícias curiosas, nomeadamente (i) a contínua subida do índice de acções, (ii) a descida da taxa principal de financiamento do BCE, (iii) a proposta de renacionalização da COSEC, sugerida pelo Presidente da AEP e apoiada pelo Presidente da AICEP, (iv) a ocupação (“pacífica” ao que parece) das instalações do BPP no Porto por clientes que exigem o pagamento dos depósitos...achei particularmente interessante a proposta do Presidente da AIP no sentido de ser concedida ou decretada uma moratória geral nas dívidas das empresas à banca.
2. Por parte dos (muitos) críticos do sector bancário é recorrente a ideia de sugerir a imposição de sanções aos bancos pensando somente ao primeiro membro do balanço...os “bancos que paguem a crise”, que emagreçam o activo, se beneficiaram nos tempos de euforia agora que suportem (pelo menos parte dos) prejuízos nos tempos de vacas magras...
3. Recordo-me de uma reunião em que participei há muitos anos, no auge da tremenda crise 1983-1985, em que um dos participantes, uma pessoa por sinal bastante inteligente embora “laica” em matéria financeira, propunha com grande entusiasmo um perdão, parcial ou integral, das dívidas à banca das empresas em dificuldades...
4. Então como actualmente as empresas atravessavam enormes dificuldades, mas os bancos ainda eram nacionalizados pelo que não seria difícil ao Governo (em teoria) impor-lhes aquela solução radical...
5. Recordo-me de ter confrontado o autor daquela proposta com uma questão absolutamente trivial mas que o apanhou de surpresa: muito bem, o Senhor propõe que os bancos perdoem os créditos que detêm sobre as empresas suas devedoras; diga-me apenas o que é que os bancos vão fazer quando os clientes lá aparecerem para levantar os depósitos -entende que os bancos devem pedir aos depositantes para esperarem algum tempo ou dizer-lhes que apenas pode ser reembolsada uma parte dos depósitos?
6. Esta proposta do Presidente da AIP é menos radical do que a do episódio que relatei, não propõe o perdão mas “apenas” uma moratória; em tese, todavia, o problema subsequente não deixa de colocar-se: se os bancos não forem reembolsados dos créditos durante um período considerável – 6 meses ou um ano pelo menos, uma moratória por período mais curto saberia a anedota – como é que reembolsam os depósitos durante esse período?
7. Será que os depositantes aceitariam de bom grado uma moratória dos depósitos para ajudarem as “pobres das empresas”, em nome de uma solidariedade nacional? Estamos mesmo a ver o que aconteceria em tal hipótese...
8. Tenho a noção de que com o aquecimento das condições atmosféricas e do clima eleitoral vamos assistir a mais propostas interessantes/desconcertantes como esta, que ilustram bem até que ponto tantas ideias andam arredadas da realidade...seriam tempos bem divertidos, não fosse o fantasma da crise...

4 comentários:

Zuricher disse...

Caro Tavares Moreira, o problema não são as propostas, que isso são palavras e a essas leva-as o vento. Enquanto dura, o seu eco sempre serve para engordar o anedotário Português. O grande problema aparece quando se concretizam as anedotas! Com eleições à porta a tentação é grande. Ocorrem-me os aumentos da função pública nos seus 2,9%...

JM Ferreira de Almeida disse...

Nem mais, Zuricher!

joao disse...

Caro Tavares Moreira

Normalmente, é nestas alturas que vêm ao de cima o carácter insular e pacóvio, marca de água da saloísse nacional.
Ao contrário do que se pensa, não somos bipolares, mas sim, quando tentamos elaborar soluções para crises graves, sofremos de uma lobotimização dos parietais que impede de raciocionar em termos globais, ergo, fatiamos a realidade.
Como muito bem diz, vamos assistir a muitas mais deste tipo, pelo que, porque não instituir o prémio Saloio de Ouro?; pode ser semanal, mensal ou para a campanha.
Dos exemplos que apresentou tenho dúvidas a escolher entre a proposta de nacionalização da COSEC e a moratória do pagamento das dívidas.
Cumprimentos
João

Tavares Moreira disse...

Caros Zuricher e F. Almeida,

Não estaria tão seguro dessa destrinça entre o que é ou não problema...
Normalmente os problemas começam com as palavras, precisamente...ditas várias vezes, sem contradita, as ideias estrambólicas ganham força...e não raro arrastam mesmo, na sua esteira, os problemas!
Dito isto, quero crer que apesar da propensão para o erro, por vezes crasso, que tem vigorado entre os nossos dirigentes, cheguem ao ponto de ir atrás desta sugestão do Presidente da AIP...

Caro João,

Análise bastante fina a sua, como nos vem habituando.
Quanto à questão dos seguros de crédito, o problema poderá estar na cobertura dos chamados riscos "políticos e extraordinários" que são, por regra, ressegurados pelo Estado.
Quer-me parecer que a actividade de seguro de crédito pode ser desenvolvida normalmente por companhias que operam nom mercado, em concorrência.
Já aquele tipo de seguro que tem especial importância para quem exporta para países em desenvolvimento ou outros ainda menos evoluídos (LIC's, por exemplo) a cobertura dos riscos extraordinários precisa de uma estrutura que ajude o Estado a oferecer as necessárias coberturas - e não me parece que isso possa ser feito por quaisquer companhias.