Número total de visualizações de página

sexta-feira, 22 de maio de 2009

“Confraria da Punheta de Bacalhau”

Não pertenço a nenhuma confraria, nem nunca fui convidado para esse efeito. Provavelmente não me devem considerar como uma pessoa adequada, ou, então, talvez se tenham apercebido, não da minha hostilidade, mas, da minha desconfiança quanto aos eventuais efeitos. Dizem que é uma forma de preservar a cultura e de divulgação dos produtos. Talvez seja. É capaz de ser muito útil para a cultura, gastronomia e cultura do país, e em último caso, que é o mais certo, uma forma de convívio e de passatempo entre os confrades!
Já tinha comentado em tempos que começa a haver confrarias a mais. Volta e não volta aparece mais uma. Hoje, li que vai ser constituída a Confraria da Punheta de Bacalhau. É um prato que sempre gostei muito. O fundador afirmou que esta confraria é mais importante do que a do “pastel de nata”. Bom, em termos de saúde e para quem não é diabético, não tenho qualquer dúvida.
Como cada confraria tem os seus rituais e vestes próprias, estou como uma curiosidade dos diabos para conhecer um pouco melhor como vão ser entronizados os futuros ... confrades!

5 comentários:

Pinho Cardão disse...

Ai Professor, Professor, essa curiosidade...

just-in-time disse...

Ai Professor, Professor,
estes terrenos são muito movediços...

nikonman disse...

Ahahahahaha.

Bartolomeu disse...

Existem mil e uma receitas,
Todos sabem, se bem creio,
Para confeccionar o artigo.
Umas, inventadas pelo Zé,
Outras, ditadas pelo Freitas
Mas todas elas sem receio
De aumentar com a sua fé
A fama do "fiel amigo"

A origem do pexugo...
Diz o Silva com certeza,
É de cá. É Portuguesa!
Mas logo emenda a Maria
Que nunca trinca refugo
Bacalhau da Trafaria!?
Nem pensar nessa vileza!
Vem do Canadá para a mesa.

Venha lá de onde venha,
Seja a nado ou a voar
Português que é Português
Nunca vai deixar de amar
Cozido ou assado na lenha
A bela lasca do mar
Nem que seja, mês a mês

Ai meu caro Professor...

As saudadinhas que eu tenho
Dos meus tempos de confrade
Em que o apetite sem tamanho
Não conhecia a saciedade

Hoje... com a idade a avançar
E os calos nestas mãos...
Mandei a capa a lavar
E despedi-me dos irmãos

jotaC disse...

E que tal "confraria da pívia"?
É o nome pela qual é conhecida no restaurante Antunes (Rua do Bonjardim, 527-Porto)a dita. Digo-lhes que é uma delícia, aliás, como tudo o que ali é servido.