Número total de visualizações de página

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Gosto das universidades de verão

A do PSD, através da sua juventude, é já uma instituição. O PS não tinha mas criou-a para ocupar o espaço mediático. O PCP não tem universidade, conceito mais adequado ao elitismo de direita, mas tem a sua festa já tradicional em setembro onde pontifica a inteletualidade da esquerda que muita direita gosta de bendizer. O BE também organizou uma coisa qualquer para debater. As universidades de verão e organizações do tipo são o remate ideal do estio político.
Gosto mesmo das universidades de verão. Os professores comparecem em mangas de camisa ou vestidos leves, desinibidos, e, naquele ambiente escolar mas á beira do recreio, perante jovens ávidos de conhecimento, debitam saber de opinião feito, sem as exigências do rigor, as peias da conveniência ou mesmo do dever institucional.
Não falo da universidade de verão do PS, de segunda ordem e notoriamente em fase de instalação, sem doutorados e a viver da regência pobre das Dras Estrela e Ana Gomes. Mas a do PSD, essa sim, confirmou tudo quanto se espera de um acontecimento de estação. Tivémos a mais alta responsável pela investigação criminal em Portugal a fazer declarações sobre processos judiciais numa iniciativa partidária. Impensável? Sim, se não estivéssemos ainda na época consagrada ao livre discurso, numa espécie de carnaval político em que ninguém leva a mal. Tivémos também uma ministra do governo que no seu programa aponta para uma redução de funcionários públicos ao ritmo de 1% ao ano para a administração central e 2% para a administração autárquica, a afirmar que não há funcionários a mais. Estranho? Só se a afirmação for repetida passada que seja a estação.
Mas o outono está aí. Com ele, o aborrecimento de uma realidade menos divertida e universidades a sério.
Lembrando Jobim, nessa genial criação, A Felicidade: A felicidade do pobre parece/ A grande ilusão do carnaval/ A gente trabalha o ano inteiro/ Por um momento de sonho/ Pra fazer a fantasia/ De rei ou de pirata ou jardineira/ Pra tudo se acabar na quarta feira...

9 comentários:

jotaC disse...

É bom...pode ser que destes encontros onde certamente se fala também das coisas sérias do país, surjam ideias novas, mais promissoras, que estas estão a secar-nos...

Massano Cardoso disse...

Eu também comecei as minhas aulas hoje. Nunca me tinha acontecido começar as aulas tão cedo. Verão, 3 de setembro, segunda-feira, oito da manhã, e não é que tinha o auditório cheio? Afinal, eu também gosto da universidade de verão, mas da minha, claro!

Bartolomeu disse...

Exemplo de uma interessante aula de universidade:
http://www.youtube.com/watch?v=naoyqTGJGrA&feature=player_embedded

Tonibler disse...

Então, se é tudo a mesma coisa, prefiro a do PCP. Gosto mais dos vestidos leves e desinibidos da Festa do Avante.

jotaC disse...

Senão fosse aquele cheiro que paira no ar, a rexona e a entrecosto no churrasco, também lá ia!... :)

Pinho Cardão disse...

Caro Ferreira de Almeida:
De facto, universidades destas é que fazem falta. O conceito de Universidade é aí elevado ao mais alto grau. Uma verdadeira escola! Do seu curriculum já constam uma dúzia de Deputados, muitos vereadores, muitíssimos assessores e consultores. Em oito dias, com os cansativos trabalhos práticos efectuados e as lições professorais, ganham-se créditos para a vida. Úma Universidade prestigiada. Repare-se que ninguém conhece os Catedráticos da Faculdade dee Ciências, os de Física ou de Química, poucos conhecem os do Técnico, menos os de Medicina, e nenhuma televisão algum dia lhes ligou alguma coisa. Pelo contrário, os Catedráticos destas Universidades têm todo o tempo de antena. Talvez com razão. Porque estas Universidades são para os catecráticos, os alunos mero pretexto. Mas eles gostam, logo de pequeninos, de se assumir como tal.

(c) P.A.S. Pedro Almeida Sande disse...

Chamar a isto Universidades é bom para manter uma sociedade de Corte, com muitos pequenos Relvas todos inchados de poderem curto circuitar a crise do futuro, desta república que caminha cada vez mais para uma monarquia de... vómito.
Todos os que lá foram prelecionar, já têm direito às equivalências de doutoramento: ele é lá preciso mandar estudar o Relvas!

Suzana Toscano disse...

Por mim acho uma pena que as Universidades de Verão estejam a substituir as "rentrées" tradicionais com comícios ao ar livre. Pena que estejam a ceder à tentação de, como bem diz o Pinho Cardão, serem mais o palco de quem lá vai falar do que um tempo dedicado aos jovens que ali gastam uns dias das suas férias a tentar aprender alguma coisa. Creio que a ideia era boa, o esforça de organização também, mas corre-se o risco de ser mais um evento político do que o que o pomposo título de "Universidade" poderia admitir. É pena, francamente.

Ilustre Mandatário do Réu disse...

eles não sabem nem saberão
não vêm nem verão
cândida corrupção...

Mais a sério, sublinha-se a contribuição do PSD Açores para a igualdade de género na Política. Trata-se da continuidade lógica do sendeiro luminoso que emana do lugar cimeiro da Assembleia da República. Uma intervenção de grande nível que equilibra sobriedade intelectual à sensibilidade social. Uma elegância.