Número total de visualizações de página

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Socialismo neoliberal


François Hollande, socialista, considera que a flexibilização laboral é necessária ao crescimento da economia e iniciou negociações com os sindicatos para esse efeito. E quer as negociações terminadas até ao fim do ano.
“Mas se os parceiros não concordarem, então lamento, mas o Estado vai assumir as suas responsabilidades”, concluiu Hollande.
Adivinha-se que o próximo discurso de Seguro seja acusar o mestre de neoliberalismo assanhado. E de falta de diálogo. 

7 comentários:

Jorge Lucio disse...

Caro Pinho Cardão,

Algumas notas também tiradas da notícia do Público:

- FH anunciou, a aplicar sem excepções, medidas excepcionalmente duras para os rendimentos mais elevados. As "excepções" aprovadas em Portugal falam por si;
- O esforço anunciado é repartido em partes iguais pelos impostos sobre rendimentos, empresas e Estado, com indicação dos valores em causa (10b€ para cada). Até na "Cultura"!

Por outro lado, existindo, pelo menos no papel, Concertação Social em Portugal, teria sido pelo menos de bom senso que o PM tivesse discutido previamente em sede desta o pacote que anunciou. Ou seja, quanto a diálogo estamos falados.

Estaremos todos cá para ver, mas este anúncio de FH, na forma e no conteúdo, é tudo menos semelhante ao do nosso PM

Pinho Cardão disse...

Caro Jorge Lúcio:
Eu não critico Hollande nesta matéria; mas não deve ficar sem nota que as conversações com os sindicatos pouco adiantarão. Ou concordam até ao fim do ano, ou o Presidente decidirá.
Quanto a Portugal, infelizmente a situação é muito diferente da francesa. Pelo que o tempo e o modo dificilmente poderiam ser iguais. Isto sem prejuízo de pensar que o Governo poderia e deveria ter conduzido as coisas de modo diferente.

Arnaldo Madureira disse...

Já o fiz há uns anos. Cruzei a flexibilidade laboral com o crescimento e a riqueza e verifiquei que não há correlações. A quem quiser fazê-lo, sugiro que utilize os dados da Heritage Foundation, Index of Economic Freedom. Vários empregadores portugueses têm dito que não há flexibilidade laboral que lhes faça criar empregos, o que querem é crédito. É claro que na cabeça dos neoliberais fora do tempo, por fé ideológica, as relações existem. Nunca as demonstrarão, como os neosocialistas também nunca demonstrarão as deles.

UmZeroà Esquerda disse...

Oh Madureira:

Donde é que você brotou?
Um tipo de Direita, inteligente, sensato, informado, não fanático nem com palas político-ideológico-partidárias nos olhos.

Fogo, é muita qualidade junta, e não demasiado frequente nos tempos que correm.
Senão veja-se o fanatismo e a cegueira político-ideológico-partidária que por aqui circula em posts e em comentários.

Bem dizia o meu caro que não tinha tido êxito na política, pudera, com esses «defeitos» de que estava à espera.

Veja a quantidade de tipos do seu género que têm sido queimados no PSD ou que, mal conseguem ir cumprindo as funções para que foram eleitos, estando os «apparatchiks» desejosos de que acabem os mandatos para ver se são esquecidos e desaparecem de circulação.

Aí para o Norte há um bem conhecido nessas condições.

Robert Musil disse...

Ainda guardo na memória os panfletos propagandísticos dos diferentes partidos em 1976. Com a excepção do CDS, alinhava tudo por uma sociedade sem classes. Era cá um regalo para a vista!
Mais recentemente, com a primeira vitória do José Sócrates, até a direita parecia admirada com tanto neoliberalismo - que nem nas côdeas mais húmidas dos seus desejos tinha sonhado como possível (pelo menos tão cedo).

Pelo que será melhor pedir a cada partido que actualize as respectivas siglas partidárias ou o povo tomará conta delas. Nos piores anos do indubitável cavaquismo, João Carreira Bom redefinia-as no Expresso com mais verdade poética:
PSD: Pensamos Seriamente na Derrota.
PS: Perdemos Sempre.

Robert Musil disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Robert Musil disse...



O Vasco Gonçalves deve revirar na tumba com a nacionalização do BPN. Nem ele se lembrou de uma assim!