Número total de visualizações de página

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Partilho desta opinião


"Nós não temos instrumentos de estudo em Portugal como muitos países têm. É tudo navegação à vista. Faz, não dá certo, corrige porque não há informação”. Opinião expressa por Belmiro de Azevedo ao Público. Não descobriu a pólvora, mas há oportunidades em que o que é dito, mesmo que se saiba e se concorde, tem particular acuidade.

17 comentários:

Tonibler disse...

Eu tb li mas não entendi. É preciso estudar que não dá certo ou o que não dá certo? Mas isso sabemos logo. No que é que isso muda?

Jorge Lucio disse...

Caro Tonibler,
Pois eu acho que a falta de estatísticas credíveis apenas facilita o "experimentalismo" e a manipulação de informação.
E jogar no "tentativa-erro" na economia de países é coisa de garotos.

UmZeroà Esquerda disse...

Para se estudar os problemas tem que haver quem estude.
E só pode estudar quem sabe.
E quem sabe não pode «saber» nem por equivalência nem «tendo estudado» tarde e às más horas, à pressa e numa dessas chafaricas a que pomposamente chamam universidades (liberais, privadas).
E quem sabe mesmo, quer tenha estudado cá, quer tenha estudado no estrangeiro, quem sabe mesmo não se quer sujeitar a ser mandado por ignorantes sem autoridade na matéria nem em nada deste mundo.
Esse é o principal problema.

Ontem, nos «Olhos nos olhos», um dos que estudam, o Prof. Avelino de Jesus, do ISEG, que nem sequer é das esquerdas, antes pelo contrário, foi indicado pelo PSD para a Comissão que iria estudar as PPP no tempo do anterior mentiroso, mas que se demitiu por falta de elementos, repetidamente escondidos pelo Teixeira dos Santos, deu estes dados:
Rendimentos das PPP em Portugal: entre 14 a 16%
PPP na Inglaterra (discussão na ordem do dia no Parlamento): têm 53 mil milhões de libras investidos neste momento e custaram 47% mais do que se as obras tivessem sido feitas directamente pelo Estado.
PPP em Portugal: temos cerca de 80 mil milhões de euros investidos (valor estimado por ele, pois os anexos têm até agora sido escondidos, até por este governo). Custaram 80% mais do que se as obras tivessem sido feitas directamente pelo Estado.
Obras directamente feitas pelo Estado: as 1000 obras estudadas custaram 34% mais do que o orçamentado (as famosas derrapagens).

Primeiro, os homens da finança e das empresas parceiras aproveitaram-se ao fazer contratos leoninos das PPP com o anterior mentiroso, irresponsável e lunático do desenvolvimento através das obras públicas, sem se preocupar quem as iria pagar.
Agora aproveitam-se para evitar a perda dos rendimentos garantidos nos contratos leoninos com o actual «responsável» pelos nossos destinos, pois sabem que diz uma coisa e faz outra, que põe a pagar sempre os mesmos.
E porque acontece isto? Porque não se toca no essencial? Porque eles próprios e os seus amigos fazem parte da rede clientelar que fez os contratos das PPP, como consultores (que comem 7% do custo das obras) ou como advogados que estabelecem os contratos blindados. É ver os nomes dos figurões dos escritórios de advogados envolvidos nas PPP.

Uma esperança me resta: na opinião do Prof. Avelino de Jesus não é possível, pura e simplesmente, pagarem-se as loucuras do «louco parisiense» (e também as anteriores, não foi só ele, não foi só ele, anda por aí um anafado a comer à nossa conta por causa de apenas 25% de investimento numa ponte, o mesmo anafado que fez o contrato. Boa, bingo!).
Portanto, isto vai rebentar também pelo lado da PPP, os nossos míseros bolsos não podem pagar tanta loucura.

Arnaldo Madureira disse...

O louco parisiense é que sabe. As dívidas dos países não se pagam, gerem-se. Enquanto os PIIGS cometeram déficites e se endividaram, a Alemanha teve os correspondentes excedentes. Para os PIIGS pagarem as dívidas à Alemanha, tem de inverter-se a situação: os PIIGS terão excedentes; a Alemanha terá déficites. Não acredito que seja possível.

Pinho Cardão disse...

Concordo obviamente com o que diz Belmiro.
E cdeixo uma ligeira reflexão. Há em Portugal várias escolas de economia, dezenas de catedráticos na ciência, centenas de doutorados, doutorandos, mestres e mestrandos, certamente de alto valor acrescentado. E há gabinetes de alta investigação onde muitos desses mestres se acolhem. Que estudos utilizáveis produziram sobre a economia portuguesa? Que estudos utilizáveis produziram sobre os efeitos devastadores na economia de uma despesa pública ou de um endividamento ou de uma fiscalidade continuadamente excessivos? Que simulações fizeram sobre os efeitos da tomada da medida X ou da medida Y para fazer face à actual crise?
Creio que nada, pelo menos conhecido ou alguma vez referido. Quando chamados a falar, debitam ideias gerais. Ã sua especialidade é fazer uns "papers" para leitura confidencial entre si, sem utilidade prática. Não se vislumbra qualquer retorno público do investimento que aí é feito, que ajudasse a formular opções e alternativas fundamentadas.
Enfim, mais uma apropriação pessoal e privada de fundos públicos por parte destes catedráticos em papers.

Frederico Gastão disse...

http://www.publico.pt/Educa%C3%A7%C3%A3o/previsoes-da-ocde-contrariam-nuno-crato--1562526

A percentagem de alunos entre os 15 e os 19 anos vai aumentar 10% ou mais por comparação com a última década. A previsão é da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e contraria as projecções apresentadas pelo ministro Nuno Crato nos últimos dias. (Público)

UmZeroà Esquerda disse...

Senhor Pinho Cardão:
O seu acto de eliminar o meu comentário só me veio dar razão.
Não se apercebeu disso?

Tonibler disse...

Caro Pinho Cardão,

Mas os estudos sobre a economia portuguesa, ou sobre outra qualquer, não lhe vão dar um caminho porque todas as variáveis vão ser afectadas ao mesmo tempo com as medidas que tomar.

Honestamente, esta afirmação parece-me como a daqueles comentadores desportivos que se a equipa perde, mas não há um jogador que tenha dado um frango ou marcado na própria, mete a culpa em factores etéreos do tipo "falta atitude". Este é "faltam estudos" só porque não sabe dar outra razão. Mas há outra razão?

JM Ferreira de Almeida disse...

O meu caro Tonibler detesta advogados. Mas confesso que lhe reconheço uma particular vocação para a profissão. É um elogio, Tonibler!

Tonibler disse...

Meu caro JMFA, não poderia estar mais enganado. Se há coisa profissão que eu admiro é advogado e para a qual não teria qualquer jeito.

JM Ferreira de Almeida disse...

Olhe que não, olhe que não...

Pinho Cardão disse...

senhor UmZeroà Esquerda:

Não eliminei qualquer comentário seu. Nem o vi.
E se alguém do Blog o fez, a explicação só pode ser a seguinte, aliás recentemente recordada pelo Ferreira de Almeida: este espaço rege-se por duas regras, uma, a da liberdade, a outra, a da educação. Comentários insultuosos e indignos têm o único destino que lhes é adequado: o caixote do lixo.
Porque não é tolerável entrar na casa dos outros para o insulto soez. Mesmo que os donos da casa tenham por hábito manter a porta aberta. Ou por isso mesmo...

Concluo dizendo que os nossos comentadores têm percebido bem isso. E cortes nos comentários devem ser certamente menos do que os anos deste Blog, que já vai em sete.

Tonibler disse...

Caro Jorge Lúcio,

A própria existência de estatísticas credíveis é questionável. Tirando a taxa de desemprego do INE, tudo pode ser questionado porque, na realidade, aquilo que se mede da economia (e isto não consigo explicar numa caixa de comentário) não é um "potencial fundamental" do sistema.

Ilustre Mandatário do Réu disse...

Eu cá interpreto a "navegação à vista" de Belmiro de Azevedo com a furibundisse de muito comentador encartado.

Vão-lhe à carteira e daí debita sofismo atrás de sofismo, que o nosso amigo Tonibler bem desmascarou.

O Belmiro que se dedique à exportação e se deixe de explorar o "mercado interno".

Tiro ao Alvo disse...

Num tempo destes, em que as variáveis a mexer são tantas, penso que o Belmiro tem razão e que ninguém sabe calcular, com rigor, o resultado das medidas propostas.
E que pouca gente anda a estudar isso, também deve ser verdade.
Aqui está um campo onde as universidades poderiam aparecer a fazer a diferença.

Pinho Cardão disse...

Isso se elas fossem capazes...

(c) P.A.S. Pedro Almeida Sande disse...

E o que diz disto caro Pinho Cardão?

Empresa receia maior impacto das medidas de austeridade.

A Sonae Sierra, especialista internacional em centros comerciais, teme que as vendas nos centros comerciais possam cair mais do que os 6% previstos para o próximo ano.

"As nossas estimativas apontavam, para 2013, para uma queda nas vendas em Portugal na ordem de 5% a 6%. Agora estamos apreensivos que, fruto das novas medidas de austeridade anunciadas, este número possa ser mais elevado", admitiu ontem o presidente-executivo da Sonae Sierra, Fernando Guedes de Oliveira, num encontro com jornalistas no Porto.

O mesmo responsável adiantou que, "para já, é cedo para avançarmos com algum número, mas acreditamos que estas medidas [o aumento da taxa social única de 11% para 18% para os trabalhadores] vão repercutir-se já este ano nas vendas".

Fernando Guedes de Oliveira explicou que "é normal que assim seja", porque "as pessoas são racionais e, apesar das medidas só terem impacto a partir de Janeiro, as pessoas começam a fazer contas e a ver o que vão ter que poupar já este ano".