Número total de visualizações de página

sábado, 1 de setembro de 2012

Mal, Amado.

O Sr. Dr. Luis Amado, anterior ministro dos negócios estrangeiros, é de opinião que o debate sobre a RTP é inoportuno e que o País tem coisas mais importantes com que se preocupar. Discordo. O debate que se está a travar a propósito da RTP é importante e só é pena que tenha sido sucessivamente adiado desde que Nuno Morais Sarmento iniciou uma reforma que pensei que viria a ter continuidade. E ao contrário do que afirma Luís Amado, pelos vistos com o apoio de alguma opinião publicada, é oportuno. Numa ocasião em que Portugal se debate com dificuldades não é possível fazer de conta que não existem sorvedouros de recursos públicos sem contrapartida equivalente ao esforço que os contribuintes fazem para os manter. Neste  particular caso da RTP está em causa a garantia de um serviço público num mundo fortemente mediatizado. Está em causa a defesa de identidades. Está em causa a ligação ao mundo lusófono e à diaspora. Está em equação fazer isto tudo na justa medida das nossas possibilidades. Nada disto é importante? Nada disto é prioritário? É-o seguramente, e ainda bem que, contrariamente ao que aqui no 4R manifestei como receio, a discussão não se tem ficado pelo episódio do mensageiro, e um pouco por toda a parte se trocam ideias, se conhecem e comentam informações que, versando sobre a RTP, patenteiam a realidade de outras empresas na órbita do Estado.
Clarificaram-se posições nalguns casos. Isso também é positivo. 
Há, porém, um aspeto onde Luís Amado tem razão. Nesta altura do campeonato, o País dispensa fraturas políticas que signifiquem o rastilho de uma espiral de desunião que agravará as dificuldades. Porém, nem este tema, nem outros fundamentais para consolidar a recuperação do País têm inevitavelmente que conduzir a um cenário de instabilidade política grave. Bastará que antes de mais os partidos que formam a maioria se entendam entre si e depois se abram ao diálogo com o principal partido de oposição na procura do máximo denominador comum tendo em vista o interesse nacional. Difícil. Certamente. Mas ao alcance de partidos responsáveis e de homens com sentido de Estado.

9 comentários:

Tonibler disse...

Com a RTP está em causa a identidade e a ligação à diáspora? (a do mundo lusófono não está de certeza atendendo que a indústria audiovisual brasileira é das maiores do mundo). Um pouco exagerado, não, caro JMFA?

JM Ferreira de Almeida disse...

Tonibler, se conhece alguém emigrado, pergunto-lhe qual é o principal elo de ligação à vida do País.

Bartolomeu disse...


Concordo Dr. José Mário.
Mas não é somente a RTP que necessita de concertação entre as forças politicas, para que seja encontrada a forma de a colocar a cumprir a função que lhe é destinada, de forma sustentada, são tambem a TAP, as empresas de tranportes públicos, os estaleiros navais, as siderurgias, as gasolineiras, as empresas que produzem e distribuem energia, água e gás. São as empresas de telecomunicações, de informação e estatística. Enfim; o país não está desgovernado; está sim, multigovernado. É com esses polos de vários governos dentro do governo, que acho necessário acabarem. Para que isso suceda, é preciso, tal como o caro Dr. José Mário assinala; que se reunam pessoas, com um forte sentido de interesse nacional. Impossível não será, mas difícil... sem dúvida.









jotaC disse...

Não percebo como é que uma coisa aparentemente tão simples como -a continuação ou não da rtp nas mãos do estado, ainda por cima paga pelo mesmo zé de sempre-, pode estar a suscitar tanto burburinho!?... Logo à partida o facto de se afirmar que o concessionário que ficar com a rtp terá garantido um lucro de 20 milhões é no mínimo estranho, então, porque é que o estado tão necessiatdo de dinheiro não deixa estar as coisas como estão?...

jotaC disse...

...e caro tonibler, permita-me dizer-lhe que não é por aí, o fato do brasil ser um portento na indústria audio-visual, não quer dizer que faça o trabalho que nos compete, há-de concordar comigo!

Tonibler disse...

Caro JMFA,

tenho dezenas de familiares como a maior parte dos portugueses. A ligação é feita por internet, pelo facebook, pelo skipe, pelos blogs, pelo youtube. Olhe que se fosse feita pela RTP, esse seria um argumento para o seu encerramento não para a construção.

Caro jotaC,

"nos" compete ou não, é irrelevante, porque se "nos" compete sempre "nos" mostrámos incompetentes para tal. Por isso é que esta discussão aparece, certo? Se a RTP estivesse mergulhada em audiências não se discutia.
A ligação ao mundo lusófono é feita há muitos anos, livremente, porque as pessoas querem pela Globo, pela TVI, pela SIC, meter o estado no barulho é estragar um mercado que existe. Não "somos" precisos para nada.

Floribundus disse...

devia preocupar-se com a factura dos contribuintes e n-ao com a dos seus amigos

Pinho Cardão disse...

Claro que o assunto RTP, melhor dito, o serviço público de televisão, deve ser discutido. E resolvido, de uma vez por todas.
Segundo um artigo de José Manuel Fernandes, no Público, a RTP custou-nos nos últimos dez anos cerca de 4 MIL MILHÕES DE EUROS!...
Isto, é, não sei quantos TGVs ou Aeroportos ou Submarinos...
Se o custo foi esse, tem que se discutir o benefício. É mesmo obrigatório fazê-lo. Mas, chegados aqui, levantam-se todas as vozes que, ao longo dos anos, têm beneficiado com a televisão pública. Que têm tido uma tribuna privada à sua disposição, mas paga com fundos públicos. Por isso, para a discussão não trazem, nem podem trazer, qualquer racionalidade. Limitam-se a afirmar, ponto final.
Nestes termos, estou pessimista quanto aos votos do Ferreira de Almeida de que se alcance um consenso de interesse nacional.
As forças que não querem alterações na RTP são as que não queriam a televisão privada em Portugal. E as mesmas que cortavam os retransmissores da TVE, porque ver a TVE era um perigo, pelo hábito que poderia trazer ver outras estações.
São forças conservadoras e reaccionárias, e haverá que lutar contra elas.
Claro que não lhes faz qualquer mossa arcar com 4 mil milhões de custos face aos proveitos que daí retiram.

David Justino disse...

Meu caro Pinho Cardão, SUBSCREVO!
Eu já vi este filme há 10 anos atrás e ainda que apareçam novos artistas, o discurso e os argumentos são os mesmos. Lamento dizer, mas já não me iludo.
Se quisessem privatizar, concessionar, ou seja lá qual o for o modelo ou cenário, não tinham mandado o António Borges à televisão dizer o que disse. Se o mandaram é porque já não conseguem fazer seja o que for.
A única coisa que eu tenho a certeza é que vou continuar a pagar a taxa de radiodifusão nas facturas da EDP. Isso é que é adquirido, todos os meses!